Patologia dentária e desgaste oclusal em Valença, Portugal (Idade Moderna e Contemporânea) — interpretações preliminares

Resumo

Os dentes providenciam informação valiosa em bioarqueologia. A patologia dentária informa sobre dieta, hábitos, higiene e tratamentos no passado. A necrópole da Igreja de Santa Maria dos Anjos, na Fortaleza estratégica de Valença, foi escavada em 2010. Neste trabalho, as lesões dentárias de 30 indivíduos (19 adultos: sete masculinos, sete femininos, cinco alofísicos) são interpretadas preliminarmente. A frequência de cáries é moderadamente alta (47,3% dos dentes), mas as lesões cavitadas (29,4%), a perda dentária ante-mortem (PDAM) (36,3% dos alvéolos) e o índice de tártaro (IT) (0,687) são elevados. Os indivíduos femininos apresentam frequências de IT, cáries e PDAM mais elevadas que os masculinos. Os granulomas/quistos periapicais afetam 25% dos adultos (os não-adultos não são afetados). A periodontite atinge 65,4% dos dentes e os indivíduos masculinos são mais afetados que os femininos. O desgaste oclusal médio é de 3,5 (DP=1,1). Apesar da idade jovem (maioritariamente até 7 anos), os não-adultos apresentam frequências relativamente elevadas de cáries (11,0% dos dentes) e cáries cavitadas (2,6%). Os resultados sugerem consumo moderado a elevado de hidratos de carbono fermentáveis e que os indivíduos femininos teriam uma dieta diferente dos masculinos. Hábitos de higiene e tratamentos orais eram inexistentes ou raros. O uso regular dos dentes
como ferramenta era improvável. A influência da industrialização inicial na dieta de Valença foi incipiente.

Palavras-chave

Antropologia dentária, cáries, doença periodontal, inflamação periapical, tártaro, perda dentária ante-mortem

  • Resumo visualizado = 41 vezes
  • PDF visualizado = 9 vezes

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-01-15
Como Citar
MARADO, Luís Miguel et al. Patologia dentária e desgaste oclusal em Valença, Portugal (Idade Moderna e Contemporânea) — interpretações preliminares. Antropologia Portuguesa, [S.l.], v. 35, p. 7-31, jan. 2019. ISSN 2182-7982. Disponível em: <http://impactum-journals.uc.pt/antropologiaportuguesa/article/view/6221>. Acesso em: 17 fev. 2019.
Secção
Artigos