O CORPO REINVENTADO E A PARÁBOLA DO BESTIÁRIO HUMANO NOS MOSAICOS DA ANTIGA HISPÂNIA

  • Cátia Mourão FCSH/UNL

Resumo

As imagens fantasiosas do corpo humano surgem em todas as manifestações da cultura material,
civilizações e geografias. Especialmente recorrentes na Literatura e nas Artes Plásticas da Antiguidade
Clássica, denunciam uma prática contrária à mimesis praxeos physeos, pois embora partam da
referenciação em modelos reais de norma ou exceção, envolvem um processo de enfatização e
recombinação das suas partes, amiúde conjugadas com elementos de outras espécies.
Mais do que simples reconfigurações anatómicas que provam a dimensão ficcional do paganismo,
estas reinvenções antropomorfizadas revelam a predisposição para as auto-representações expressivas
(caricaturais ou idealizadas) decorrentes de exercícios de auto-crítica e promoção (numa estreita relação
psicossomática), denunciam a aspiração do Homem a demiurgo de novas formas e vidas, e atestam o
desejo de ultrapassar as próprias limitações físicas e cognitivas, bem como de superar a condição mortal e
terrena.
Neste texto debruçamo-nos sobre essas recriações na musivária romana peninsular e realçamos o seu
valor como elementos-chave para o conhecimento da cultura coeva e para a interpretação do sentido
metafórico das narrativas mitológicas.As imagens fantasiosas do corpo humano surgem em todas as manifestações da cultura material,
civilizações e geografias. Especialmente recorrentes na Literatura e nas Artes Plásticas da Antiguidade
Clássica, denunciam uma prática contrária à mimesis praxeos physeos, pois embora partam da
referenciação em modelos reais de norma ou exceção, envolvem um processo de enfatização e
recombinação das suas partes, amiúde conjugadas com elementos de outras espécies.
Mais do que simples reconfigurações anatómicas que provam a dimensão ficcional do paganismo,
estas reinvenções antropomorfizadas revelam a predisposição para as auto-representações expressivas
(caricaturais ou idealizadas) decorrentes de exercícios de auto-crítica e promoção (numa estreita relação
psicossomática), denunciam a aspiração do Homem a demiurgo de novas formas e vidas, e atestam o
desejo de ultrapassar as próprias limitações físicas e cognitivas, bem como de superar a condição mortal e
terrena.
Neste texto debruçamo-nos sobre essas recriações na musivária romana peninsular e realçamos o seu
valor como elementos-chave para o conhecimento da cultura coeva e para a interpretação do sentido
metafórico das narrativas mitológicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2015-04-14
Como Citar
MOURÃO, Cátia. O CORPO REINVENTADO E A PARÁBOLA DO BESTIÁRIO HUMANO NOS MOSAICOS DA ANTIGA HISPÂNIA. digitAR - Revista Digital de Arqueologia, Arquitectura e Artes, [S.l.], n. 2, p. 131-147, abr. 2015. ISSN 2182-844X. Disponível em: <http://impactum-journals.uc.pt/digitar/article/view/2234>. Acesso em: 17 ago. 2017.
Secção
II - Entre Deuses e Demónios

Palavras-chave

Híbridos; Monstros; Mosaicos romanos