CORPO E TEMPO - AS IMAGENS IDEALIZADAS DA ARTE EGÍPCIA

  • José das Candeias Sales CHUL

Resumo

O espectro da degenerescência corporal, destino de todos os humanos que alcançam idades mais
avançadas, era algo pesado e terrível para os antigos egípcios. Compreensivelmente, ansiavam pela
anulação desses efeitos e dessas marcas.
A sua preferência quase obsessiva nas pinturas, esculturas e baixos-relevos vai para as figuras da juventude
ou da maturidade de homens e mulheres. Exploradas magicamente, essas figuras, estão, porém, ao serviço
de um outro ciclo da existência: a existência extraterrena. Foram elaboradas e ganham consistência pela
sua profunda ligação com esta dimensão do universo do Além.
Segundo a concepção egípcia, os seres vivos no Além deixam de estar sujeitos ao tempo e às suas
manifestações. Para eles, o tempo não existe. O tempo no Além não está sujeito à mudança inerente à
linearidade, não é mutável, nem é dinâmico: é imóvel, estático e fechado.
Subjacente às “moradas da eternidade” onde essas representações eram incorporadas (mastabas,
hipogeus, templos funerários) há, portanto, uma concepção de temporalidade imóvel ou estacionária que
lhes dá suporte ou justificação.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2015-04-14
Como Citar
CANDEIAS SALES, José das. CORPO E TEMPO - AS IMAGENS IDEALIZADAS DA ARTE EGÍPCIA. digitAR - Revista Digital de Arqueologia, Arquitectura e Artes, [S.l.], n. 2, p. 168-185, abr. 2015. ISSN 2182-844X. Disponível em: <http://impactum-journals.uc.pt/digitar/article/view/2238>. Acesso em: 22 out. 2017.
Secção
III - Uma Teologia para o Corpo

Palavras-chave

Convenções artísticas; Concepções de tempo; Morte; Eternidade