CORPO E TEMPO - AS IMAGENS IDEALIZADAS DA ARTE EGÍPCIA

  • José das Candeias Sales CHUL

Resumo

O espectro da degenerescência corporal, destino de todos os humanos que alcançam idades mais
avançadas, era algo pesado e terrível para os antigos egípcios. Compreensivelmente, ansiavam pela
anulação desses efeitos e dessas marcas.
A sua preferência quase obsessiva nas pinturas, esculturas e baixos-relevos vai para as figuras da juventude
ou da maturidade de homens e mulheres. Exploradas magicamente, essas figuras, estão, porém, ao serviço
de um outro ciclo da existência: a existência extraterrena. Foram elaboradas e ganham consistência pela
sua profunda ligação com esta dimensão do universo do Além.
Segundo a concepção egípcia, os seres vivos no Além deixam de estar sujeitos ao tempo e às suas
manifestações. Para eles, o tempo não existe. O tempo no Além não está sujeito à mudança inerente à
linearidade, não é mutável, nem é dinâmico: é imóvel, estático e fechado.
Subjacente às “moradas da eternidade” onde essas representações eram incorporadas (mastabas,
hipogeus, templos funerários) há, portanto, uma concepção de temporalidade imóvel ou estacionária que
lhes dá suporte ou justificação.
  • Resumo viewed = 22 times
  • PDF viewed = 62 times

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2015-04-14
Como Citar
CANDEIAS SALES, José das. CORPO E TEMPO - AS IMAGENS IDEALIZADAS DA ARTE EGÍPCIA. digitAR - Revista Digital de Arqueologia, Arquitectura e Artes, [S.l.], n. 2, p. 168-185, abr. 2015. ISSN 2182-844X. Disponível em: <http://impactum-journals.uc.pt/digitar/article/view/2238>. Acesso em: 15 dez. 2017.
Secção
III - Uma Teologia para o Corpo

Palavras-chave

Convenções artísticas; Concepções de tempo; Morte; Eternidade