Caracterização das argamassas da muralha tardo-romana de Olisipo

  • L. Almeida Laboratório HERCULES, Universidade de Évora
  • A. Santos Silva Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC)
  • I. Moitinho de Almeida IDL, Faculdade de Ciências, Universidade de Lisboa

Resumo

No âmbito do Projecto Integrado de Estudo e Valorização da “Cerca Velha” de Lisboa, promovido pela Câmara Municipal de Lisboa desde o ano de 2009, foram realizadas várias intervenções arqueológicas que permitiram comprovar que o traçado deste equipamento defensivo remonta à época romana (Séculos I e finais do III – IV d. C.). Na sequência daquelas intervenções, que possibilitaram um levantamento rigoroso da estrutura tardo-romana de Olisipo de cronologia correlacionável com finais do séc. III e início do séc. IV d. C. foi realizado um trabalho de caracterização de argamassas daquela estrutura. Deste trabalho resultou a caracterização de amostras daqueles materiais visando a interpretação construtiva tipo-tecnológica, o esclarecimento de proveniências da matéria-prima utilizada e a análise do actual estado de conservação da estrutura nos locais amostrados, identificando os principais factores de degradação. A metodologia utilizada compreendeu caracterizações granulométrica, mineralógica, química, petrográfica, física, mecânica e microestrutural. O trabalho contribuiu para o aumento do conhecimento das técnicas ancestrais de construção, numa perspetiva de conservação e restauro do património histórico-arquitectónico.

Palavras-chave

Caracterização, Argamassa, Muralha, Romana, Lisboa

  • Resumo visualizado = 26 vezes
  • PDF visualizado = 16 vezes

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-03-13
Como Citar
ALMEIDA, L.; SANTOS SILVA, A.; ALMEIDA, I. Moitinho de. Caracterização das argamassas da muralha tardo-romana de Olisipo. digitAR - Revista Digital de Arqueologia, Arquitectura e Artes, [S.l.], n. 4, p. 15-21, mar. 2018. ISSN 2182-844X. Disponível em: <http://impactum-journals.uc.pt/digitar/article/view/5397>. Acesso em: 24 set. 2018.
Edição
Secção
Artigos