O império contra-ataca: a produção secreta de propaganda feita por estrangeiros para projecção internacional de “portugal do ultramar”

  • Maria do Carmo Piçarra

Resumo

Quando se iniciou a contestação internacional à posse de colónias por Portugal, como é que o Estado Novo usou o cinema na projecção de uma retórica luso-tropical? A partir de 1965, vários documentários realizados pelos franceses Jean-Noel Pascal-Angot e Jean Leduc foram exibidos internacionalmente, no circuito comercial de distribuição cinematográfica, em festivais, nas televisões e mostrados às principais organizações não governamentais. O financiamento desta produção supostamente independente - em que o Brasil era apontado como o modelo social em recriação em Angola enquanto que o funcionamento da Commonwealth era assumidamente inspirador em Moçambique -, dando enfoque ao desenvolvimento económico e social, foi mantido confidencial. “Do Minho a Timor somos todos portugueses” era a “evidência” que este cinema encomendado queria impor. Através da análise de filmes de propaganda do colonialismo português realizados por realizadores franceses questiono, porém, se a afirmação do “orgulhosamente sós” foi uma declinação retórica, para afirmação da política colonial internamente, enquanto para o exterior se projectava, progressivamente e com maior intensidade durante o Marcelismo mas ainda durante o Salazarismo, a imagem de outro Portugal, menos espartilhado, em termos de costumes, e aberto ao capital estrangeiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2016-10-11
Como Citar
PIÇARRA, Maria do Carmo. O império contra-ataca: a produção secreta de propaganda feita por estrangeiros para projecção internacional de “portugal do ultramar”. Media & Jornalismo, [S.l.], v. 16, n. 29, p. 43-59, out. 2016. ISSN 2183-5462. Disponível em: <http://impactum-journals.uc.pt/index.php/mj/article/view/3738>. Acesso em: 26 jun. 2017.

Palavras-chave

Luso-tropicalismo; propaganda cinematográfica; Estado Novo; filmes coloniais; projecção cinematográfica; representações coloniais; filme-palimpsesto; discurso