A lógica do poder no Livro de vertuosa benfeytoria

  • Jorge Manuel de Matos Pina Martins Prata Universidade de Coimbra – CHSC

Resumo

Organizado em torno de uma estrutura especular, a Vertuosa Benfeytoria apresenta‑nos uma teoria do poder que se ancora na tradição dos grandes textos chave da filosofia política medieval, concebendo o poder como instituído originariamente por Deus, e desdobrando uma diferenciação  entre poder e uso do poder, entre Poder-Instituição e Governante. Poder  em abstrato que se desdobra em três tipos diferentes de concretização efetiva: Auctoritas, Dominium e Poder Político, sendo o Poder Político o  correlato da sociedade humana organizada, cuja encarnação numa forma determinada de regime – a monarquia – se procura naturalizar, de modo a apresentá-la como tipo único e necessário do governo dos homens, governo esse orientado para o bem comum da coletividade, e no seio do qual o governante se apresenta menos como detentor de direitos do que como obrigado a deveres. Oficium que impõe preceitos cuja inobservância  pode conduzir à deposição do detentor do uso do poder. Prevalência do bem comum que não impede que a sociedade se organize em torno de uma desigualdade fundamental e naturalizada. No fim, uma utopia: o retorno à inocência das origens, com a abolição do poder político, e a emergência de um poder sem poder, fundado no amor e na dádiva.

https://doi.org/10.14195/1645-2259_16_4

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2016-12-30
Como Citar
PRATA, Jorge Manuel de Matos Pina Martins. A lógica do poder no Livro de vertuosa benfeytoria. Revista de História da Sociedade e da Cultura, [S.l.], v. 16, p. 75-94, dez. 2016. ISSN 2183-8615. Disponível em: <http://impactum-journals.uc.pt/index.php/rhsc/article/view/3965>. Acesso em: 24 set. 2017.
Secção
Artigos

Palavras-chave

Poder político; auctoritas; domínio; benefício