«Um editor já desmascarado ou marcado»: a Livraria Moraes Editora e a censura

  • Sara Ludovico CHAM, FCSH, Universidade NOVA de Lisboa, Universidade dos Açores

Resumo

Na década de 50 um grupo de católicos delineou um projeto que se queria de “pensamento e ação”, percorrendo várias etapas e disseminando ideias até à concretização do seu plano maior: criar uma revista. A aproximação deste grupo a António Alçada Baptista, que comprara uma antiga livraria, a Moraes, tornaria, anos depois, o sonho de O Tempo e o Modo possível. Mas foi primeiro no território da Editora Moraes, através do
seu plano editorial, que este grupo de católicos “progressistas”  manifestou, com o seu humanismo interventor, uma nova forma de ação política e artística. Se a identidade da pacto cultural revolucionário e socialmente subversor pode ser medido através do peso da perseguição censória feita às suas publicações. As palavras dos censores confirmam a difícil posição da Moraes enquanto editora católica e enquanto “terceira via” no debate de ideias, na segunda metade do século XX em Portugal.

https://doi.org/10.14195/1645-2259_16_20

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2016-12-30
Como Citar
LUDOVICO, Sara. «Um editor já desmascarado ou marcado»: a Livraria Moraes Editora e a censura. Revista de História da Sociedade e da Cultura, [S.l.], v. 16, p. 453-473, dez. 2016. ISSN 2183-8615. Disponível em: <http://impactum-journals.uc.pt/index.php/rhsc/article/view/3982>. Acesso em: 26 set. 2017.
Secção
Artigos

Palavras-chave

Livraria Moraes Editora; censura; edição; Estado Novo; história do livro