Otzi, a múmia glaciar e as suas sobrevidas: a personagem nas novas narrativas de ciência

  • Ana Teresa Peixinho CEIS20 / CLP

Resumo

Propõe-se, neste artigo, mostrar como a personagem é um elemento estruturante na comunicação narrativa, fundamental para a construção de laços com a instância da receção. Dentro dos modelos teóricos sobre a categoria personagem, Ralph Schneider, adotando o modelo cognitivo e partindo do pressuposto da natureza dupla da personagem – ou seja, ela é simultaneamente baseada em pessoas “reais” e resulta de um processo compósito de construção – concebe a personagem como um modelo mental que o leitor / espectador / ouvinte ativa com base em informações imanentes ao texto, combinando-as com a informação mental e cognição social (Schneider, 2001, p. 608). Este modelo teórico parece, neste contexto, muito pertinente, pois poderá responder à hipótese de trabalho inicial: a saber, a de que a personagem é a categoria indispensável para a construção da sedução pela narrativa. A identificação gerada na instância recetora – a que alguns autores preferem chamar de empatia – passa necessariamente pelas emoções envolvidas no ato de receção. Tomar-se-á como estudo de caso uma narrativa de rádio em podcast (http://www.radiolab.org/story/ice-cold-case/) que constrói uma história à volta de um achado arqueológico – uma múmia glaciar da Idade do Bronze – com vista a transmitir conteúdos científicos a um público não especializado. Situamo-nos, portanto, no âmbito da comunicação de ciência, em que o storytelling (Dahlstrom, 2014) e, dentro dele, a figuração da personagem (Reis, 2015), são expedientes nucleares de sedução do público ouvinte e ‘facilitadores’ da comunicação.

Palavras-chave

personagem, narrativa de ciência, storytelling, rádio, polifonia

  • Resumo visualizado = 41 vezes
  • PDF visualizado = 17 vezes

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-03-05
Como Citar
PEIXINHO, Ana Teresa. Otzi, a múmia glaciar e as suas sobrevidas: a personagem nas novas narrativas de ciência. Mediapolis – Revista de Comunicação, Jornalismo e Espaço Público, [S.l.], n. 6, p. 27-39, mar. 2018. ISSN 2183-6019. Disponível em: <http://impactum-journals.uc.pt/mediapolis/article/view/5359>. Acesso em: 16 nov. 2018.