Ativismo feminista no Facebook: uma análise comparada das páginas Não me Kahlo (Brasil) e Capazes (Portugal)

Resumo

Levando em consideração o feminismo como movimento social e ativismo digital, analisamos comparativamente as páginas feministas brasileira e portuguesa com maior número de seguidores no Facebook, respectivamente Não me Kahlo e Capazes. Neste estudo exploratório, utilizámos a ferramenta Netvizz para mapear os conteúdos publicados em março de 2016, numa análise quanti‑qualitativa. Os resultados sublinham semelhanças nas temáticas abordadas que apontam para um enlace identitário (Pereira, 2011) entre os dois perfis, mas também diferentes ‘nós’ feministas (Tomazetti, 2015) em função das características de cada página e do contexto dos países. Na página portuguesa prevalecem narrativas individuais e pessoais, num tom intimista e confessional, com posições político‑partidárias pouco explícitas, num feminismo em primeira pessoa, próximo ao que Galloway (1997) chama de ciberfeminismo conservador. Na página brasileira, os discursos são fortemente politizados, em tons reativos, reivindicativos ou de denúncias, que remetem para o feminismo como causa coletiva, no que Boix e Miguel (2013) chamam de ciberfeminismo social.

Palavras-chave

feminismo, ciberativismo, Facebook, Brasil, Portugal

  • Resumo visualizado = 8 vezes
  • PDF visualizado = 15 vezes

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-12-28
Como Citar
MAGALHÃES, Mara; MARÔPO, Lidia; AMARAL, Inês. Ativismo feminista no Facebook: uma análise comparada das páginas Não me Kahlo (Brasil) e Capazes (Portugal). Mediapolis – Revista de Comunicação, Jornalismo e Espaço Público, [S.l.], n. 7, p. 31-46, dez. 2018. ISSN 2183-6019. Disponível em: <http://impactum-journals.uc.pt/mediapolis/article/view/6106>. Acesso em: 20 jan. 2019.