Investimento Empresarial em Portugal: Crise e Recuperação

  • Fernando Alexandre
  • Pedro Bação
  • Carlos Carreira
  • João Cerejeira
  • Gilberto Loureiro
  • António Martins
  • Miguel Portela

Resumo

Neste texto descrevemos e procuramos explicar a evolução do investimento empresarial em Portugal nos últimos anos. O facto mais saliente nessa evolução é naturalmente a queda abrupta do investimento após o início da crise financeira internacional. Em termos líquidos, o investimento privado tornou-se negativo, só tendo regressado a valores positivos em 2017. A nossa análise sugere que o elemento principal na explicação dessa evolução é o défice de procura face à capacidade instalada. Outro elemento importante tem sido o nível de confiança dos empresários. Pelo contrário, o custo do investimento parece ter um papel relativamente menor, embora o endividamento e o cash flow apareçam como fatores relevantes. As empresas mais dinâmicas são especialmente sensíveis ao cash flow. A nossa análise sugere igualmente que os últimos anos foram caracterizados por uma elevada incidência de empresas “zombie”, embora tenha havido uma redução muito acentuada em 2016. Outra boa novidade recente é o aumento do peso dos setores transacionáveis no investimento. Estes elementos são indicadores de que estará em curso uma alteração estrutural na economia portuguesa.

Palavras-chave

Crise financeira, restrições financeiras, investimento, Portugal, empresas zombie

  • Resumo visualizado = 49 vezes
  • PDF visualizado = 10 vezes

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-07-01
Como Citar
ALEXANDRE, Fernando et al. Investimento Empresarial em Portugal: Crise e Recuperação. Notas Económicas, [S.l.], n. 46, p. 71-98, jul. 2018. ISSN 2183-203X. Disponível em: <http://impactum-journals.uc.pt/notaseconomicas/article/view/5962>. Acesso em: 22 out. 2018.
Secção
Artigos