Preconceito e descontextualização normativa: considerações metodológicas ilustradas pelas representações sobre AIDS na África e Africano

  • Lassana Danfá Universidade Federal de Pernambuco
  • Renata Lira dos Santos Aléssio Universidade Federal de Pernambuco
  • Maria de Fátima de Souza Santos Universidade Federal de Pernambuco
  • Edclécia Reino Carneiro de Morais Universidade Federal de Pernambuco

Resumo

Este artigo objetivou discutir implicações metodológicas da técnica de descontextualização normativa e do controle da ordem de apresentação de termos indutores em uma tarefa de associação livre, a partir do estudo das representações sociais sobre AIDS na África e sobre o Africano com 60 universitários brasileiros. Dois pesquisadores (brasileiro e africano) aplicaram um questionário de evocação de palavras com controle da ordem de apresentação dos indutores. A análise de correspondência dos campos lexicais, pelo software Tri-deux-mots, permitiu identificar que as variáveis manipuladas ativaram conteúdos representacionais ligados a processos psicossociais distintos: atribuição de causalidade e produção de estereótipos. A expressão AIDS na África quando apresentada em primeira ordem induz a atribuição de causalidade externa. Já a expressão Africano induz atribuição de causalidade interna. Na presença do pesquisador africano mais conteúdos positivos foram evocados, quando comparados com a presença do pesquisador brasileiro. Esse jogo de estereótipos traz à tona uma manifestação sutil do preconceito.

Palavras-chave

descontextualização normativa, preconceito, AIDS, representações sociais, África

  • Resumo visualizado = 232 vezes
  • PDF visualizado = 81 vezes

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-12-13
Como Citar
DANFÁ, Lassana et al. Preconceito e descontextualização normativa: considerações metodológicas ilustradas pelas representações sobre AIDS na África e Africano. Psychologica, [S.l.], v. 60, n. 2, p. 83-99, dez. 2017. ISSN 1647-8606. Disponível em: <http://impactum-journals.uc.pt/psychologica/article/view/4846>. Acesso em: 19 nov. 2018.
Secção
Artigos