O MUSSEKADO, O IKONOKLASTA E A MAKA DA REPRESENTAÇÃO DO SUBALTERNO

  • Solange Luís Instituto Superior de Ciências da Educação da Huíla

Resumo

Este ensaio propõe-se a discutir a problemática da representação do subalterno no rap revu angolano produzido na atualidade por dois MCs oriundos de espaços sociais divergentes: MCK e Ikonoklasta. MCK é produto do musseque e apresenta-se como “mussecado de raiz”, localizando o seu discurso neste espaço social. Ele é o subalterno angolano que consegue autorrepresentar-se – transpondo, através das novas tecnologias da comunicação, a equação de Spivak, segundo a qual, o subalterno, sem mediação, estaria irremediavelmente silenciado. Contudo, ao pretender representar Angola como um todo, MCK adentra a problemática da representação do subalterno. Ikonoklasta é um MC oriundo de um espaço social privilegiado ligado às estruturas de poder que, ao criticar essas estruturas posiciona-se à margem, como porta-voz do subalterno. Este ensaio pretende equacionar, dentro daquilo que Linda Alcoff defi ne como “accountability” e “responsability”, o papel de representação por parte destes intelectuais orgânicos (cf. Gramsci) como alternativa ao silêncio do subalterno instaurado na poesia angolana pós-independência. Devem ou não estes MCs falar pelo subalterno?

Palavras-chave

MCK, Ikonoclasta, subalterno

  • Resumo viewed = 12 times
  • PDF viewed = 6 times

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-06-19
Como Citar
LUÍS, Solange. O MUSSEKADO, O IKONOKLASTA E A MAKA DA REPRESENTAÇÃO DO SUBALTERNO. Revista de Estudos Literários, [S.l.], v. 5, p. 221-245, jun. 2017. ISSN 2183-847X. Disponível em: <http://impactum-journals.uc.pt/rel/article/view/4297>. Acesso em: 11 dez. 2017.