A ARTE DE FURTAR: EÇA DE QUEIRÓS E A CLEPTOMANIA

  • Estela Vieira Indiana University Bloomington

Resumo

Este ensaio analisa um conto importante de José Maria de Eça de Queirós (1845-1900), “Singularidades de uma rapariga loura”, publicado pela primeira vez em 1874. A cleptomania da protagonista desempenha um papel fundamental na história, e é muito mais significativa do que tem sido observado anteriormente pela crítica. Enquanto o seu impulso de roubar serve para desafiar e minar a ordem social, econômica e patriarcal, também funciona como uma técnica meta-narrativa. Através de um foco na materialidade da história, nos objetos roubados, e nas referências simbólicas e metonímicas, este ensaio tenta ligar uma crítica das convenções econômicas e literárias com a estrutura da história. Como Marie-Hélène Piwnik já observou, “Singularidades de uma rapariga loura” tem ecos de uma narrativa curta anteriormente escrita por Balzac, assim como o ambivalente narrador em primeira pessoa parece roubar o conto romântico do protagonista Macário. Esta instabilidade de narradores e autores faz parte da arte de roubar e narrar de Eça, e a cleptomania da Luísa como uma extensão da do próprio autor é, portanto, uma marca de autonomia, criatividade e crítica, uma perturbação revisionista de ordens estabelecidas.

Palavras-chave

“Singularidades de uma rapariga loura”, Eça de Queirós, cleptomania, materialidade, comércio, patriarcalismo

  • Resumo visualizado = 32 vezes
  • PDF (English) visualizado = 31 vezes

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-12-27
Como Citar
VIEIRA, Estela. A ARTE DE FURTAR: EÇA DE QUEIRÓS E A CLEPTOMANIA. Revista de Estudos Literários, [S.l.], v. 6, p. 239-260, dez. 2017. ISSN 2183-847X. Disponível em: <http://impactum-journals.uc.pt/rel/article/view/4889>. Acesso em: 20 out. 2018.