DO POST-MODERNISMO AO HIPERCONTEMPORÂNEO: MORFOLOGIA(S) DO ROMANCE E (RE)FIGURAÇÕES DA PERSONAGEM

  • Ana Paula Arnaut Centro de Literatura Portuguesa/FLUC

Resumo

Retomando, em alguns casos, as técnicas de construção características do romance post-modernista – principalmente no que diz respeito à sua variante celebratória – a ficção portuguesa escrita e publicada depois do ano 2000 conjuga o recurso a diversas práticas intertextuais e/ou interartísticas com a tendência para temáticas profundamente violentas, pondo em cena personagens diversamente desequilibradas, (quase) patologicamente anormais, na linha do que lemos no prólogo da 2.ª edição de O Barão de Lavos (1898) de Abel Botelho. Propomo-nos, por conseguinte, partindo de um conjunto signifi cativo de romances, de autores como Valter Hugo Mãe, Afonso Cruz, Luís Carmelo ou Pedro Marta Santos, identifi car e ilustrar os procedimentos que oferecem a oportunidade para propor um novo subgénero – o romance intermedial – e, em concomitância, aqueles que são usados no desenho desta importante categoria narrativa.

Palavras-chave

Post-Modernismo, Hipercontemporâneo, intertextualidade, violência, lirismo

  • Resumo visualizado = 59 vezes
  • PDF visualizado = 40 vezes

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-01-09
Como Citar
ARNAUT, Ana Paula. DO POST-MODERNISMO AO HIPERCONTEMPORÂNEO: MORFOLOGIA(S) DO ROMANCE E (RE)FIGURAÇÕES DA PERSONAGEM. Revista de Estudos Literários, [S.l.], v. 8, p. 19-44, jan. 2019. ISSN 2183-847X. Disponível em: <http://impactum-journals.uc.pt/rel/article/view/6168>. Acesso em: 16 fev. 2019.