O FILHO TORNA-SE PAI: O LUGAR DO ROMANCE DE FILIAÇÃO NA OBRA DE JOSÉ LUÍS PEIXOTO

  • Vânia Rego Escola Superior de Línguas e Tradução Instituto Politécnico de Macau

Resumo

Pensar a questão do laço na obra de José Luís Peixoto leva-nos imediatamente a uma refl exão sobre a filiação e a relação entre gerações. Trata-se nos romances do autor, assim como na sua poesia ou ainda nas crónicas, de colocar em cena um Eu em construção, onde a escrita de si se faz a partir dos laços tecidos entre o indivíduo e a família ou ainda entre o indivíduo e o tecido social e histórico da realidade que o rodeia. O romance de filiação é também uma resposta ao esquecimento, nomeadamente, ao risco de desaparecimento do mundo da infância – o seu Alentejo natal – ao qual o autor dá vida nos seus diferentes textos. Analisando a relação entre escrita de si e romance de filiação, é possível compreender melhor o desenvolvimento das relações entre pais
e filhos na obra de Peixoto, nomeadamente, a partir da questão do nome, da transmissão de conhecimentos e da memória. A importância da figura
paterna é uma das chaves para uma observação aprofundada da obra de Peixoto, dado que ela é um dos elementos desencadeadores da escrita, mas
também porque as questões da paternidade são um dos ângulos escolhidos pelo autor para analisar a existência do homem no tempo, nomeadamente,
a partir do momento em que um filho se torna pai.

Palavras-chave

filiação, laço, José Luís Peixoto

  • Resumo visualizado = 29 vezes
  • PDF visualizado = 13 vezes

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-01-09
Como Citar
REGO, Vânia. O FILHO TORNA-SE PAI: O LUGAR DO ROMANCE DE FILIAÇÃO NA OBRA DE JOSÉ LUÍS PEIXOTO. Revista de Estudos Literários, [S.l.], v. 8, p. 301-325, jan. 2019. ISSN 2183-847X. Disponível em: <http://impactum-journals.uc.pt/rel/article/view/6179>. Acesso em: 16 fev. 2019.