EDUCAÇÃO PARA PREVENÇÃO DE DESASTRES: A PERSISTÊNCIA DO CONHECIMENTO TECNOCIENTÍFICO E DA INDIVIDUALIZAÇÃO DO RISCO

Resumo

A recente Política Nacional de Proteção e Defesa Civil Brasileira (Lei n’ 12.608/2012) ressaltou a cultura de prevenção e sua inserção no currículo escolar nacional. Este artigo apresenta os resultados da pesquisa, exploratória e qualitativa, sobre o estado da arte de conteúdos e abordagens educativas para a prevenção de desastre no Brasil. Os dados foram obtidos por pesquisa bibliográfica, documental e observação participante, a partir de 3 recortes: temático (inundações/enchentes e deslizamentos), temporal (de 2011 a 2014) e geográfico (região metropolitana do ABC Paulista). O corpus foi composto por materiais impressos/digitais e atividades de informação/capacitação. Por meio do método da análise de conteúdo, identificamos dois conteúdos (conhecimentos tecnocientíficos e comportamentos/atitudes de prevenção e auto-proteção) e duas abordagens (transmissão-assimilação e individualização do risco), que perpetuam uma “inquestionabilidade do risco”, alheia às causas profundas do risco, o que fragiliza as ações de redução de risco baseada na comunidade.

Palavras-chave

Educação, prevenção, risco, desastre, causas profundas.

  • Resumo visualizado = 39 vezes
  • PDF visualizado = 33 vezes

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-01-18
Como Citar
SULAIMAN, Samia Nascimento. EDUCAÇÃO PARA PREVENÇÃO DE DESASTRES: A PERSISTÊNCIA DO CONHECIMENTO TECNOCIENTÍFICO E DA INDIVIDUALIZAÇÃO DO RISCO. Territorium, [S.l.], n. 25(II), p. 19-30, jan. 2018. ISSN 1647-7723. Disponível em: <http://impactum-journals.uc.pt/territorium/article/view/4197>. Acesso em: 16 nov. 2018.
Secção
Artigos