Narrativas sobre a experiência da doença: desafios conceptuais e metodológicos

  • João Arriscado Nunes Centro de Estudos Sociais Faculdade de Economia, Universidade de Coimbra, Portugal
  • Rita Serra Centro de Estudos Sociais Faculdade de Economia, Universidade de Coimbra, Portugal
  • Carlos Barradas Centro de Estudos Sociais Faculdade de Economia, Universidade de Coimbra, Portugal
  • Filipa Queirós Centro de Estudos Sociais Faculdade de Economia, Universidade de Coimbra, Portugal

Resumo

O presente artigo vem dar conta do processo conducente à adopção de uma estratégia metodológica que privilegia a narrativa pessoal sobre a doença no âmbito de um projecto de investigação em curso. Para o âmbito deste projecto, que se centra em três doenças (cancro, doenças respiratórias e obesidade infantil), as metodologias qualitativas foram consideradas as mais adequadas, quer pela riqueza de informação que incorporam, quer pela adequabilidade no que respeita aos objectivos e às hipóteses de trabalho delineadas. Privilegiou-se assim a utilização do MINI (McGill Illness Narrative Interview) (Groleau et al., 2006), uma ferramenta cuja utilização é apropriada ao campo que pretendemos estudar. Pretende-se portanto apresentar uma primeira abordagem às escolhas metodológicas e conceptuais tointerdisciplinamadas, bem como dar conta da importância das narrativas pessoais nos objectivos a que o projecto se propõe dar resposta.
  • Resumo visualizado = 243 vezes
  • PDF visualizado = 258 vezes

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2014-07-11
Como Citar
NUNES, João Arriscado et al. Narrativas sobre a experiência da doença: desafios conceptuais e metodológicos. Antropologia Portuguesa, [S.l.], v. 29, p. 75-80, jul. 2014. ISSN 2182-7982. Disponível em: <https://impactum-journals.uc.pt/antropologiaportuguesa/article/view/1878>. Acesso em: 18 ago. 2019.
Secção
Artigos

Palavras-chave

Doença; narrativas; MINI; atribuição de sentido.