Resiliência, stresse parental e sobrecarga de pais de crianças com diagnóstico de anomalia congénita

  • Sara Albuquerque Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra.
  • Marco Pereira Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra.
  • Ana Fonseca Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra.
  • Maria Cristina Canavarro Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra.
Palavras-chave: deficiência, resiliência, sobrecarga, stresse parental

Resumo

O presente estudo teve como objetivo avaliar a adaptação parental (em termos de perceção de sobrecarga e stresse parental), bem como o papel das características de resiliência de pais e mães na adaptação parental. A amostra foi constituída por 45 casais, pais de crianças com um diagnóstico de deficiência/anomalia congénita. O protocolo de avaliação incluiu a Escala de Resiliência para Adultos (ERA), a Escala de Impacto Familiar (EIF) e o Índice de Stress Parental (Forma reduzida) (ISP). Os resultados mostraram que as mães apresentaram valores mais elevados de Distress parental e os pais valores mais elevados na dimensão Interação disfuncional pais‑criança.
Relativamente à sobrecarga, não se verificaram diferenças significativas entre mães e pais. Em ambos os progenitores, a
resiliência mostrou‑se associada a melhor adaptação. A resiliência materna não se mostrou associada à adaptação paterna, mas constatou‑se que níveis elevados de resiliência paterna se associaram significativamente a melhor adaptação materna. As características
resilientes revelaram‑se como importantes determinantes na adaptação parental. Estesresultados enfatizam ainda a necessidade não só de avaliar os pais e as mães separadamente, mas também o casal como unidade de análise, e de analisar os recursos parentais
e os potenciais efeitos cruzados no desenho de intervenções terapêuticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2016-08-22
Como Citar
Albuquerque, S., Pereira, M., Fonseca, A., & Canavarro, M. (2016). Resiliência, stresse parental e sobrecarga de pais de crianças com diagnóstico de anomalia congénita. Psychologica, 58(2), 7-23. Obtido de https://impactum-journals.uc.pt/psychologica/article/view/3178
Secção
Artigos