A FIGURAÇÃO “PROBLEMATIZADORA” DE GONÇALO RAMIRES

Autores

  • Ofélia Paiva Monteiro CLP, Universidade de Coimbra

DOI:

https://doi.org/10.14195/2183-847X_4_1

Palavras-chave:

Eça de Queirós, Gonçalo Ramires, figuração

Resumo

Este estudo baseia-se na versão de A Ilustre Casa de Ramires publicada em 1900, muito diversa da surgida (incompleta) na Revista Moderna em 1897-1899. Verdadeiro “romance de personagem”, permeado de ironia, nele se entrelaçam, numa urdidura em polifacetado contraponto, os dois vetores que orientam o atuar e o fluir íntimo do protagonista, dando-lhe vulto ficcional: ambos documentam, através do que Gonçalo faz, diz e pensa a procura de riqueza, prestígio e poder por esse fidalgo rural, oriundo de uma antiquíssima linhagem de façanhudos Ramires. Não obstante, veremos que Gonçalo é uma figuração da fragilidade e pluralidade humanas.

Nenhum juízo, emitido por um narrador com “autoridade”, termina o romance, que nos deixa tão-só sobre opiniões que outros emitem sobre o fidalgo. Cabe ao leitor preencher estas (e outras) ambiguidades de um romance que apresenta, na obra de Eça (mesmo do “último Eça”), muitos traços específicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##submission.downloads##

Publicado

2016-01-20

Edição

Secção

Secção Temática