A FIGURAÇÃO “PROBLEMATIZADORA” DE GONÇALO RAMIRES

  • Ofélia Paiva Monteiro CLP, Universidade de Coimbra
Palavras-chave: Eça de Queirós, Gonçalo Ramires, figuração

Resumo

Este estudo baseia-se na versão de A Ilustre Casa de Ramires publicada em 1900, muito diversa da surgida (incompleta) na Revista Moderna em 1897-1899. Verdadeiro “romance de personagem”, permeado de ironia, nele se entrelaçam, numa urdidura em polifacetado contraponto, os dois vetores que orientam o atuar e o fluir íntimo do protagonista, dando-lhe vulto ficcional: ambos documentam, através do que Gonçalo faz, diz e pensa a procura de riqueza, prestígio e poder por esse fidalgo rural, oriundo de uma antiquíssima linhagem de façanhudos Ramires. Não obstante, veremos que Gonçalo é uma figuração da fragilidade e pluralidade humanas.

Nenhum juízo, emitido por um narrador com “autoridade”, termina o romance, que nos deixa tão-só sobre opiniões que outros emitem sobre o fidalgo. Cabe ao leitor preencher estas (e outras) ambiguidades de um romance que apresenta, na obra de Eça (mesmo do “último Eça”), muitos traços específicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2016-01-20
Secção
Secção Temática