The evolution of lactase persistence

  • Jorge Rocha CIBIO, Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos Departamento de Biologia, Faculdade de Ciências Universidade do Porto, Portugal

Resumo

A persistência da lactase é há muito considerada um exemplo notável de adaptação a modificações nos hábitos de produção de alimentos. A observação de que a frequência da persistência da lactase está positivamente correlacionada com a história cultural de produção de laticínios levou à formulação de uma interpretação evolutiva que ficou conhecida como hipótese “histórico-cultural”. Esta hipótese salienta a influência que a selecção mediada pela cultura pode ter no genoma humano, sugerindo que os benefícios nutricionais do consumo de leite na vida adulta são favorecidos por selecção natural em grupos que dependem deste alimento para subsistir. A recente demonstração da base molecular da persistência da lactase forneceu uma oportunidade única para testar as previsões da hipótese histórico-cultural e avaliar o seu mérito relativamente a explicações alternativas. Neste trabalho, apresenta-se uma revisão da história evolutiva da persistência da lactase focada nas previsões da hipótese histórico-cultural, incluindo a correlação entre persistência da lactase e pastoralismo, a idade das mutações responsáveis por este fenótipo e as evidências moleculares de selecção natural. Os possíveis locais de origem e a dispersão geográfica dessas mutações são também discutidos no âmbito dos movimentos migratórios associados à disseminação do pastoralismo.
  • Resumo visualizado = 164 vezes
  • PDF visualizado = 793 vezes

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2012-06-06
Como Citar
ROCHA, Jorge. The evolution of lactase persistence. Antropologia Portuguesa, [S.l.], v. 29, p. 121-137, jun. 2012. ISSN 2182-7982. Disponível em: <https://impactum-journals.uc.pt/antropologiaportuguesa/article/view/1882>. Acesso em: 26 maio 2019.
Secção
Artigos

Palavras-chave

Persistência da lactase; selecção natural; co-evolução genes-cultura.