Área funerária romana em Évora: dos restos ósseos aos rituais funerários

  • Teresa Matos Fernandes Laboratório de Antropologia Biológica, Universidade de Évora, Portugal Centro de Investigação em Antropologia e Saúde (CIAS), Departamento de Ciências da Vida, Universidade de Coimbra, Portuga
  • Joana Paredes Laboratório de Antropologia Biológica, Universidade de Évora, Portugal
  • Lurdes Rebocho Laboratório de Antropologia Biológica, Universidade de Évora, Portugal
  • Maria Helena Lopes Laboratório de Antropologia Biológica, Universidade de Évora, Portugal
  • Vânia Janeirinho Laboratório de Antropologia Biológica, Universidade de Évora, Portugal

Resumo

Após intervenção parcial numa área funerária romana (datada entre os sécs. I e II d.C.) identificada em Évora, foi analisado em laboratório o conteúdo osteológico e odontológico de 11 estruturas funerárias de cremação e uma de inumação. Cruzando os resultados da análise antropológica com o espólio arqueológico associado foram obtidas informações em torno dos rituais funerários, nomeadamente os associados à cremação, e traçado o perfil biológico dos indivíduos. Verificou-se uma alta variabilidade na construção e utilização das estruturas funerárias, quer na tipologia das mesmas, quer no processamento pós-crematório, fenómeno comum em áreas funerárias romanas de Hispania, tal como no restante espaço do Império romano. Não foi identificada qualquer relação entre o tipo de estruturas, as oferendas e a distribuição etária e sexual presente. No entanto, foi possível observar, na área intervencionada, a tendência para a utilização de graus de combustão elevados, a aplicação da cremação exclusivamente a cadáveres e não a esqueletos e a forte presença de não adultos, a maioria com menos de um ano de vida (5/10). Este último facto, se se estendesse a toda a área funerária, poderia indicar uma alta mortalidade infantil na época, e surpreende pela conservação de restos de
indivíduos muito jovens, face à fragilidade dos seus ossos.
  • Resumo visualizado = 111 vezes
  • PDF visualizado = 288 vezes

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2012-06-06
Como Citar
FERNANDES, Teresa Matos et al. Área funerária romana em Évora: dos restos ósseos aos rituais funerários. Antropologia Portuguesa, [S.l.], v. 29, p. 183-201, jun. 2012. ISSN 2182-7982. Disponível em: <https://impactum-journals.uc.pt/antropologiaportuguesa/article/view/1885>. Acesso em: 18 ago. 2019.
Secção
Artigos

Palavras-chave

Análise antropológica; cremação; espólio osteológico e odontológico; rituais funerários.