Turismo fluvial, lazeres em águas interiores e desenvolvimento local e regional

Resumo

O presente artigo parte da investigação realizada no âmbito do turismo fluvial e dos lazeres em águas interiores em Portugal. Realça a importância do rio como atração turística e como património. A conceptualização do turismo fluvial é um dos seus contributos. Esta centra-se no stricto sensu do turismo fluvial, evidencia a sua amplitude, a sua acentuada ancoragem territorial e sua importância para o desenvolvimento local e regional. A análise retrospetiva da valorização dos rios em Portugal releva as potencialidades do território nacional e o caráter relativamente recente e pontual dos investimentos para valorizar as águas interiores para os lazeres e para o turismo. O rio Douro é um caso paradigmático do turismo fluvial em Portugal. Os dados evidenciam um crescimento muito acentuado dos passageiros na via navegável do Douro a partir de 2011, explicado, fundamentalmente, pelo aumento de passageiros que realizam um cruzeiro fluvial na mesma albufeira; uma importância desigual de passageiros nos cais de acostagem, destacando-se Régua, Sabrosa/Pinhão, Gaia e Barca d’Alva; uma expressiva sazonalidade dos cruzeiros fluviais; uma preponderância de portugueses nos cruzeiros fluviais de um dia e de turistas internacionais nos cruzeiros em barco-hotel. A investigação sugere a importância de se inventariarem as potencialidades do território nacional em termos de turismo fluvial e de lazeres em águas interiores e de se analisar e monitorizar a procura para melhor gerir a oferta.

Palavras-chave

turismo fluvial, águas interiores, Portugal, rio Douro

  • Resumo visualizado = 113 vezes
  • PDF visualizado = 58 vezes

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-01-04
Como Citar
OLIVEIRA MOREIRA, Claudete. Turismo fluvial, lazeres em águas interiores e desenvolvimento local e regional. Cadernos de Geografia, [S.l.], n. 38, p. pp. 55-67, jan. 2019. ISSN 2183-4016. Disponível em: <https://impactum-journals.uc.pt/cadernosgeografia/article/view/5979>. Acesso em: 23 jul. 2019.
Secção
Artigos