A Arte e a Vida no Neoconcretismo Brasileiro

Palavras-chave: Ferreira Gullar, Lygia Pape, neoconcretismo, vida, intermedialidade

Resumo

No final dos anos 50, a arte apropriou-se do enunciado sobre uma nova concepção artificial da vida, e isso produziu uma reconfiguração da relação entre arte e vida. Para pensar sobre essa reconfiguração, este artigo centra-se na análise do Ballet Neoconcreto (1958) de Lygia Pape e do Poema Enterrado (1959) de Ferreira Gullar. Trata-se de obras que, a partir dos limites da linguagem (artes plásticas e ballet no primeiro caso, poesia e arquitetura no segundo), introduzem a pergunta sobre as relações entre arte e vida e, além disso, sobre as possíveis inscrições do corpo na arte além da representação humana. Este artigo abordará esses objetos para argumentar que ambos buscaram introduzir o vivo na arte através da conversão da matéria viva em matéria estética.

DOI: https://doi.org/10.14195/2182-8830_7-1_3

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, Giorgio (2001). “Forma-de-vida”. Medios sin fin. Notas sobre política. Valen-cia: Pre-Textos.

AGUILAR, Gonzalo (2015). Hélio Oiticica. A asa branca do êxtase. Rio de Janeiro: Rocco.

BRETT, Guy (2004). Brasil experimental. Rio de Janeiro: Contracapa.

BATAILLE, Georges (2003). Lascaux o el nacimiento del arte. Córdoba: Alción Editora.

CAMPOS, Augusto de (2015). Poesia, antipoesia, antropofagia & cia. São Paulo: Companhia das Letras.

DELEUZE, Gilles (1995). “La inmanencia: una vida”. Revista Philosophie Nº 47, Minuit París.

FOUCAULT, Michel (2007). “La vida: la experiencia y la ciencia”. Ensayos sobre biopolítica. Excesos de vida. Compilación de Gabriel Giorgi y Fermín Rodríguez. Buenos Aires: Paidós.

GULLAR, Ferreira (2007). “Poema Enterrado”. Experiencia Neoconcreta. São Paulo: Cosac Naify.

GULLAR, Ferreira; Amílcar de Castro, Franz Weissmann, Lygia Clark, Lygia Pape, Reynaldo Jardim y Theon Spanúdis (1959). “Manifesto Neoconcreto”. Jornal do Brasil. São Paulo.

KOZAK, Claudia, ed. (2012). Tecnopoéticas argentinas. Archivo blando de arte y tecnología. Buenos Aires: Caja Negra.

KOZAK, Claudia, ed. (2006). Deslindes. Ensayos sobre la literatura y sus límites en el siglo XX. Rosario: Beatriz Viterbo.

MASOTTA, Oscar (2004). Revolución en el arte. Pop-art, happenings y arte de los medios en la década de los sesenta. Buenos Aires: Edhasa.

OITICICA, Hélio (2013). “Proyecto Perros de Caza y Pintura Nuclear”. Materialismos. Selección y traducción de Bárbara Belloc y Teresa Arijón. Buenos Aires: Manantial.

PAPE, Lygia (2000). Ballet Neoconcreto. Gávea de tocaia. São Paulo: Cosac Naify.

PAPE, Lygia (1980). Catiti catiti, na terra dos brasis. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Rio de Janeiro.

PEDROSA, Mário (1986). “Arte ambiental, arte pós-moderna, Hélio Oiticica”. Oiticica, Hélio. Aspiro ao grande labirinto. Seleção de textos de Luciano Figueiredo, Lygia Pape e Waly Salomão. Rio de Janeiro: Rocco.

SIBILIA, Paula (2006). El hombre postorgánico: Cuerpo, subjetividad y tecnologías digitales. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica.

Publicado
2019-11-17
Como Citar
Kogan, Adriana. 2019. A Arte E a Vida No Neoconcretismo Brasileiro. MATLIT: Materialidades Da Literatura 7 (1), 45-57. https://doi.org/10.14195/2182-8830_7-1_3.
Secção
Secção Temática | Thematic Section