Voz do Avatar, Voz como Avatar, Avatar da Voz

Palavras-chave: arqueofonia, voz, avatar, cyborg, heterónimo como avatar.

Resumo

O meu artigo propõe um exercício de arqueofonia – ou arqueologia da voz – que incide, nesta oportunidade, sobre a possibilidade de estabelecer a complexa figura e imaginação do ‘avatar’ como comparandum da noção e representação do cyborg. As valências da comparação permitem pensar diferentes objectos, como sejam a ‘voz do avatar’, a ‘voz como avatar’ e, finalmente, o arquivo das representações da voz, ‘avatares da voz’. Em jeito de crítica aplicada, são sucintamente comentados o filme Her, de Spike Jonze; fragmentos do Livro do Desassossego, de Bernardo Soares/Fernando Pessoa; e, por último, a simulação digital da voz de John Donne acessível em linha, corolário do Virtual Paul’s Cross Project: A Digital Re-Creation of John Donne’s Gunpowder Day Sermon, sediado na North Carolina State University. 

 

DOI: http://dx.doi.org/10.14195/2182-8830_3-1_1

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia Autor

Pedro Serra, Universidade de Salamanca
Pedro Serra (1969) é Mestre em Estudos Portugueses e Ingleses pela Universidade Nova de Lisboa e Doutor em Filologia pela Universidade de Salamanca. Professor Titular da Universidade de Salamanca, Departamento de Filologia Moderna, onde é docente responsável sobretudo por cadeiras de literatura portuguesa. Os seus âmbitos de ensino incluem, ainda, o barroco em Portugal e a poesia portuguesa contemporânea. As matérias de investigação que tem privilegiado centram-se na poesia e no romance portugueses contemporâneos, especialmente nas obras de Ruy Belo, António Franco Alexandre e Carlos de Oliveira. Os seus interesses actuais de investigação incluem ainda a poesia e romance brasileiros, galegos e espanhóis contemporâneos. É investigador do Seminario Discurso Legitimación Memoria (Universidade de Salamanca) e do Centro de Literatura Portuguesa (Universidade de Coimbra). Coordenador desde 2007 do curso de doutoramento em Filologia Moderna e, a partir de 2008, subdirector do Departamento de Filologia Moderna da Universidade de Salamanca, onde coordena ainda a licenciatura em Estudos Portugueses e Brasileiros.

Pedro Serra (1969) holds an M.A. in Portuguese and English Studies from the Universidade Nova de Lisboa (Portugal) and a PhD. in Philology from the University of Salamanca (1997). He is Associate Professor at the University of Salamanca, Department of Modern Philology, where he teaches primarily portuguese literature. In addition, his teaching fields include baroque portuguese literature and contemporary portuguese poetry. His broader research interests cover the study of contemporary portuguese poetry and novel. His more specific interests center on Ruy Belo, António Franco Alexandre and Carlos de Oliveira. Current research topics focus as well on contemporary Brazilian, Galician and Spanish poetry and novel. He is a researcher of the Seminario Discurso, Legitimación y Memoria (University of Salamanca), and of the Centro de Literatura Portuguesa (University of Coimbra). He serves as vice-director of the Department of Modern Philology since 2008, where he coordinates the Modern Philology PhD Program since 2007 and the Portuguese and Brazilian Studies BA Program.

Referências

AUKSTAKALNIS, Steve, David Blatner e Stephen F. Roth (1992). Silicon Mirage. The Art and Science of Virtual Reality. Berkeley: Peachpit Press.

BALLARD, J. G. (2001). Crash. New York: Picador [1ª ed.: 1973].

BOAL, Augusto (1995). The Rainbow of Desire. The Boal Method of Theater and Therapy. Trad. Adrian Jackson. Londres/Nova Iorque: Routledge.

BRONCANO, Fernando (2009). La melancolía del ciborg, Barcelona: Herder.

CHION, Michel (2004). La voz en el cine. Madrid: Cátedra.

COKLISS, Harley (1971). Crash!, com J. G. Ballard e Gabrielle Drake, Lon-dres: BBC. 00:17m.

DERRIDA, Jacques (1996). Archive Fever. A Freudian Impression. Trad. Eric Prenowitz, Chicago: University of Chicago Press.

FLÜSSER, Vilém (2007). Towards a Philosophy of Photography. Londres: Reak-tion Books [1ª ed.: European Photography Edition, 1983].

GUMBRECHT, Hans Ulrich (1992). “The Role of Narration in Narrative Genres.” Making Sense in Life and in Literature. Trad. Glen Burns. Minneapolis: University of Minnesota Press. 41–53.

GUMBRECHT, Hans Ulrich (1998). “A mídia literatura.” Modernização dos Sentidos. Tr. Lawrence Flores Pereira. São Paulo: Editora 34. 297-319.

HARAWAY, Donna (1985). “Manifesto for cyborgs: Science, technology, and socialist feminism in the 1980s.” Socialist Review 80: 65–108.

KERCKHOVE, Derrick de (2010). “Avatar = Pinocho 2.0 o ‘El fin de la sociedad del espectáculo’.” Digithum 12, Maio: 8–14.

KUKSA, Iryna e Mark Childs (2014). Making Sense of Space. The Design and Experience of Virtual Spaces as a Tool for Communication. Oxford: Chandos Publishing.

MENDES, Margarida Vieira (1989). A Oratória Barroca de Vieira. Lisboa: Caminho.

PESSOA, Fernando (2010). Livro do Desasocego. Ed. Jerónimo Pizarro, vol. XII, tomo I, Edição Crítica de Fernando Pessoa, Lisboa: Imprensa Na-cional Casa da Moeda.

SERRA, Pedro (2012). “Arqueofonia e língua do império e na poesia pós-25 de Abril.” Relâmpago. Revista de Poesia 29-30, Fundação Luís Miguel Nava: 81-109.

SERRA, Pedro (2014). “As vozes saem do ar e não de gargantas. Arqueofoni-as do Livro do Desassossego e da Copilaçam de Gil Vicente.” Central de Poesia. O Livro do Desassossego. Eds Patrícia Soares Martins, Golgona Anghel e Fernando Guerreiro. Lisboa: LemmonSpring and Esfera do Caos Eds. 63-76.

SERRA, Pedro (2015). “Avatares e heterónimos.” Revista de Estudios Portugueses y Brasileños 15. Salamanca: Luso-Española de Ediciones [no prelo].

TEIXEIRA, Luís Filipe B. (1999). “Virtualidade e heteronímia. As aventuras pessoanas de Alice.” Revista Lusófona de Humanidades e Tecnologias 2, Os Universos da Comunicação. Lisboa: Universidade Lusófona: 14-18.

TRONCHIN, Lamberto, Ilaria Durvilli e Valerio Tarabusi (2008). “The Marvellous Sound World in the Phonurgia Nova of Athanasius Kircher.” Proceedings of Acoustics ’08 Paris. AA.VV. Paris: SFA. 4183-4188.

Publicado
2015-10-28
Secção
Secção Temática | Thematic Section