Common Spaces: Um Sistema Medial-Multi-Modal para Performances ao Vivo

  • Luis Leite
  • Rui Torres Universidade Fernando Pessoa, Porto
  • Luis Aly
Palavras-chave: multimodalidade, performance ao vivo, ecossistema de média, interoperabilidade

Resumo

Common Spaces é uma interface para convergência de média em tempo real e performance ao vivo combinando média, aplicações e dispositivos. Um ecossistema multimodal foi projetado para responder ao requisito de um desempenho específico - como misturar várias aplicações num único ambiente. Esse ambiente colaborativo oferece uma interface flexível para artistas negociarem, compartilharem e misturarem média, aplicações e dispositivos. Common Spaces é um framework baseado na interoperabilidade e no fluxo de dados, uma rede de fios virtuais conectando aplicativos que “conversam” uns com os outros compartilhando recursos por meio de tecnologias como OSC ou Syphon. Com essa abordagem, designers dos média têm a liberdade de escolher um conjunto de aplicações e dispositivos que melhor atendam às suas necessidades e não estão restritos a um ambiente único. Implementamos e realizamos este ecossistema em performances ao vivo, demonstrando a sua viabilidade. Neste artigo, descrevemos o conceito e a metodologia do projeto. Na apresentação proposta iremos utilizar o Arquivo Digital da Literatura Experimental Portuguesa (www.po-ex.net) como framework, apropriando os recursos desta base de dados, remisturando os seus conteúdos, bem como as técnicas e métodos que eles implicam, estimulando a compreensão do arquivo como variável e adaptável. Essas releituras e recodificações digitais de poemas experimentais destacam ainda a importância das materialidades da escrita experimental, integrando a autorreflexividade nos fluxos e trocas entre literatura, música, animação, performance e tecnologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia Autor

Rui Torres, Universidade Fernando Pessoa, Porto
Rui Torres é Professor Associado com Agregação na Universidade Fernando Pessoa, onde leciona seminários de graduação e pós-graduação em comunicação, semiótica, literatura e hipermédia - seus cruzamentos e metodologias. É também professor convidado em Mestrados da Universidade Nova de Lisboa, Universidade de Santiago de Compostela (Espanha) e Universidade de Tallinn (Estónia), e docente do Erasmus Intensive Program em European Digital Literatures. Organiza atividades pedagógicas na área da criatividade digital. Dirige a Revista Cibertextualidades. Tem livros, artigos e outros textos publicados sobre literatura, comunicação e cibertextualidades.

Referências

AKA (2015). 30 Jun. 2017. CHDH Egregore. http://wwwchdhnet/egregore_sourcephp.

BURDICK, Anne, Johanna Drucker, Peter Lunenfeld, Todd Presner, and Jeffrey Schnapp (2012). Digital Humanities. MIT Press, Cambridge, MA.

BUTTERWORTH, Tom, and Anton Marini (2010). Syphon. Simplified BSD software license. 30 Jun. 2017. http://syphon.v002.info

CLARK, Herbert H and Susan E Brennan (1991). “Grounding in communication.” Perspectives on socially shared cognition. Eds. L B Resnick, J M Levine and S D Teasley. American Psychological Association, Washington, DC, US, 127-149. 30 Jun. 2017. https://doi.org/doi:10.1037/10096-006

DAVIS, Paul and Stéphane Letz (s.d.) JACK – Audio Connection Kit. BSD license. 30 Jun. 2017. http://www.jackaudio.org

INGALLS, Matt and Tim Place (s.d.). Soundflower. The MIT License. 30 Jun. 2017. https://github.com/RogueAmoeba/Soundflower-Original

JARVIS, Lynn (2014). Spout. Simplified BSD licence. 30 Jun. 2017. http://spout.zeal.co

LAUREL, Brenda (1991). Computers as Theatre. Boston, MA: Addison-Wesley Longman.

LEITE, Luís (2016a). Stringless – Remote Control for Unity3D. 30 Jun. 2017. https://github.com/grifu/StringlessUnity

LEITE, Luís (2016b). Pull The Strings. 30 Jun. 2017. https://githubcom/grifu/Pull-The-Strings.

LUGMAYR, Artur and Marko Teras (2015). “Immersive Interactive Technologies in Digital Humanities: A Review and Basic Concepts.” ImmersiveME '15 Proceedings of the 3rd International Workshop on Im-mersive Media Experiences. 31-36. 30 Jun. 2017. https://doi.org/10.1145/2814347.2814354

LUGMAYR, Artur. (2012). “Connecting the Real World with the Digital Overlay with Smart Ambient Media--applying Peirce's Categories in the Context of Ambient Media.” Multimedia Tools Appl. 58.2: 385-398. 30 Jun. 2017. https://doi.org/10.1007/s11042-010-0671-3

M, Adrien and Claire B (2013). eMotion. 30 Jun. 2017. http://wwwam-cbnet.

MARINI, Anton and Tom Butterworth (2008). v002 Rutt Etra. 30 Jun. 2017. http://v002.info/plugins/v002-rutt-etra/

MCLUHAN, Marshall (1994). Understanding Media: The extensions of man. Cambridge, MA: The MIT Press.

MESIÀ, Oriol Ferrer (2013). ofxRemoteUI. 30 Jun. 2017. https://githubcom/armadillu/ofxRemoteUI.

SCHEMEDER, Andrew, Adrian Freed, and David Wesser (2010). Best Practices for Open Sound Control. 1-10.

TORRES, Rui, Manuel Portela, and Maria do Carmo Castelo Branco Sequeira (2004). “Methodological Rationale for the Taxonomy of the PO.EX Digital Archive.” New Literary Hybrids in the Age of Mul-timedia Expression: Crossing borders, crossing genres. Ed. Marcel Cornis-Pope. Amsterdam and New York: John Benjamins Publishing Company. 42-55.
Publicado
2018-08-10
Secção
Mediarama | Mediascape