Textos Artísticos que Geram Textos Artísticos: Uma Análise Semiótica de Motores Textuais de Rui Torres

Palavras-chave: motor textual, análise semiótica, Rui Torres, interfaces computacionais

Resumo

O presente artigo analisa os procedimentos semióticos por meio dos quais as interfaces de três sistemas desenvolvidos pelo artista Rui Torres (Amor de Clarice; Amor de Clarice – v.2; e Fantasia breve, a palavra-espuma – todos disponíveis no Arquivo Digital da Po.Ex: Poesia Experimental Portuguesa) sugerem modos de leitura de seus poemas gerados automaticamente pela recombinação de excertos de Clarice Lispector e Ana Hatherly. Diferente de outros estudos sobre o tema, realiza-se aqui não um close reading dos poemas gerados, e sim da interface dos sistemas, a fim de identificar como estas veiculam metamensagens do artista acerca da proposta estética que nos poemas realiza.

DOI: https://doi.org/10.14195/2182-8830_7-1_9

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARBOSA, Pedro (2003). “Ciberliteratura: o computador como máquina semiótica.” Ciberscópio, Universidade de Coimbra. 30 ago. 2018. http://www.ciberscopio.net/artigos/tema2/clit_06.pdf.

BARTHES, Roland (1970). Crítica e Verdade. Tr. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Perspectiva.

BLOCK, Friedrich, e Rui Torres (2007). “Poetic Transformations in(to) the Digital.” ePoetry 2007, Paris, Université Paris 8. 22 jul. 2018. https://po-ex.net/pdfs/blocktorres.pdf.

BOOTZ, Philippe (1999). “Alire: A Relentless Literary Investigation.” Electronic Book Review. 22 jul. 2018. http://www.electronicbookreview.com/thread/wuc/Parisian.

BOOTZ, Philippe (2006). “Digital Poetry: From Cybertext to Programmed Forms.” New Media Poetry and Poetics. Leonardo Electronic Almanac 14.5-6. 20 ago. 2018. https://www.leoalmanac.org/wp-content/uploads/2012/09/04Digital-Poetry-From-Cybertext-to-Programmed-Forms-by-Phillipe-Bootz-Vol-14-No-5-6-September-2006-Leonardo-Electronic-Almanac.pdf.

CHKLOVSKY, Viktor (1978). “A arte como procedimento.” Teoria da Literatura: Forma-listas Russos. Ed. Boris Eikhenbaum. Porto Alegre: Globo. 39-56.

DE SOUZA, Clarisse Sieckenius, e Carla Faria Leitão (2009). Semiotic Engineering Methods for Scientific Research in HCI. São Rafael: Morgan & Claypool.

DE SOUZA, Clarisse Sieckenius (2014). “Semiotics.” The Encyclopedia of Human-Computer Interaction. Eds. Jonas Lowgren et al. Hershey: IGI Publishing. 30 out. 2018. https://www.interaction-design.org/literature/book/the-encyclopedia-of-human-computer-interaction-2nd-ed/semiotics.

HATHERLY, Ana (1962). Nove incursões. Lisboa: Sociedade de Expansão Cultural.

HATHERLY, Ana (1980). Poesia 1958-1978. Lisboa: Moraes Editores.

HATHERLY, Ana (2001). Um calculador de improbabilidades. Lisboa: Quimera.

HATHERLY, Ana (2003). O pavão negro. Lisboa: Assírio & Alvim.

HAYLES, Katherine (2007). “Electronic Literature: What is it?” Electronic Literature Organization. V1.0. 17 jul. 2018. http://eliterature.org/pad/elp.html.

HEIDEGGER, Martin (2010). A origem da obra de arte. Tr. Idalina Azevedo e Manuel António de Castro. São Paulo: Edições 70.

INWOOD, Michael (2002). Dicionário Heidegger. Tr. Luísa Buarque de Holanda. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

JAKOBSON, Roman (2008). Linguística e comunicação. Tr. Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix.

LISPECTOR, Clarice (1998). “Amor.” Laços de Família. Rio de Janeiro: Rocco.

PEREIRA, Vinícius Carvalho (2017). “Uma estética da deriva digital em Mar de Sophia, de Rui Torres.” Navegações 10: 12-22.

PEREIRA, Vinícius Carvalho (2018a). “Intertextualidade e estranhamento em Amor de Clarice, de Rui Torres.” Texto Digital 14: 126-138.

PEREIRA, Vinícius Carvalho (2018b). “Releitura, transformação e impermanência em Amor de Clarice - v.2, de Rui Torres.” Revista Eletrônica Araticum 17: 127-143.

SANTAELLA, Lucia (2012). “Para compreender a literatura digital.” Texto Digital 8.2: 229-240.

SANTOS, Alckmar Luiz dos (2003). Leituras de nós: Ciberespaço e literatura. São Paulo: Itaú Cultural.

TORRES, José Manuel, e Pedro Barbosa (2000). “Sintext-Web: um gerador de texto automático como instrumento computacional de criação literária.” Revista da Universidade Fernando Pessoa 5. 22 set. 2018. http://homepage.ufp.pt/jtorres/publica/artigo_sintextweb_revista_ufp_setembro_%202000.pdf.

TORRES, Rui (2005). Amor de Clarice. 25 out. 2018. https://telepoesis.net/amorclarice/.

TORRES, Rui (2008). Amor de Clarice – v.2. 22 out. 2018. http://telepoesis.net/amorclarice/v2/amor_index.html.

TORRES, Rui (2016). Fantasia breve: a palavra espuma. 20 out. 2018. http://www.telepoesis.net/palavra-espuma/.

Publicado
2019-11-17
Secção
Secção Temática | Thematic Section