As finanças da Câmara Municipal de Coimbra nos finais do Antigo Regime (1762-1820) [I]: as receitas

as receitas

Palavras-chave: Receitas, Câmara Municipal, Finanças, Coimbra, Época Moderna

Resumo

O presente estudo pretende analisar as receitas próprias da Câmara Municipal de Coimbra, entre 1762 e 1820, através dos Livros de Receita e Despesa, à guarda do Arquivo Histórico Municipal. Trata-se de um período de grandes dificuldades para a gestão camarária coimbrã, que levou à adoção de algumas estratégias e a algumas alterações significativas na forma de arrecadar as receitas. A questão central a que se pretende dar resposta, consiste em averiguar se as dificuldades de financiamento condicionavam o desempenho das suas múltiplas funções. Neste sentido, procura-se apresentar a estrutura dos rendimentos, explicando cada uma das categorias de receita, a forma como eram arrecadadas e a sua evolução ao longo da cronologia; analisar a evolução das receitas, em confronto com a evolução da despesa e dos saldos; identificar as semelhanças e diferenças entre o caso de Coimbra e o de outras câmaras municipais contemporâneas, assinalando características comuns e especificidades locais; numa análise de longa duração, elaboramos uma comparação com as finanças coimbrãs seiscentistas, indicando as continuidades e ruturas na evolução dos rendimentos concelhios. Pretendemos que este estudo carreie, igualmente, um contributo para o conhecimento da conjuntura económica de finais de Antigo Regime.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia Autor

José Luís Barbosa, Universidade de Coimbra, CHSC, FLUC

Licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Mestrando em História Moderna na mesma instituição.

Publicado
2020-07-22
Secção
Artigos