As vagas de incêndios florestais de 2017 em Portugal continental, premissas de uma quarta ‘geração’?

  • Fernando Félix Núcleo de Investigação Científica de Incêndios Florestais e RISCOS, Universidade de Coimbra (Portugal) http://orcid.org/0000-0001-8509-6010
  • Luciano Lourenço Departamento de Geografia e Turismo, NICIF, CEGOT e RISCOS, Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra (Portugal) https://orcid.org/0000-0002-2017-0854
Palavras-chave: Incêndios florestais, mega-incêndios, número de ocorrências, área ardida

Resumo

A evolução dos incêndios em Portugal continental, ao longo dos últimos cinquenta anos, não tem sido constante, o que permite, combinando diferentes parâmetros estatísticos, estabelecer diferentes “gerações” de incêndios. Do cruzamento dos elementos analisados resultaram quatro gerações de incêndios. O fator mais importante para a definição dessas gerações foi, sem dúvida, o da área do maior incêndio registado em cada ano. Considerou-se um intervalo de 10 mil hectares, para separar as diferentes gerações de incêndios, e obtiveram-se quatro gerações. Na última classe teve de ser usado o dobro desse valor, dadas as circunstâncias anormais registadas em 2017, ano que marcou o início da quarta geração de incêndios de Portugal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGÊNCIA LUSA (2018). Incêndios: “Portugal mudou irreversivelmente. Resta saber se mudou o suficiente” 17 de junho.

Bento-Gonçalves, A. (2007). Geografia dos Incêndios em Espaços Silvestres de Montanha – o caso da Serra da Cabreira. Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho, Guimarães, 437 p. + 150 de Anexos.

Carvalho, J. B. de e Lopes, J. P. (2001). Classificação de Incêndios Florestais. Manual do Utilizador. Direcção-Geral das Florestas, Lisboa, 34 p.

Castellnou, M. y Miralles, M. (2009). The changing face of wildfires. Crisis Response. Vol. 5 Issue 4, 56-57.

Costa, P., Castellnou, M., Larrañaga, A., Miralles, M, Kraus, D. (2011). Prevention of Large Wildfires using the Fire Types Concept. Unitat Tècnica del GRAF. Departament d’Interior. Generalitat de Catalunya. 87 p.

CTI - COMISSÃO TÉCNICA INDEPENDENTE (2017). Análise e apuramento dos factos relativos aos incêndios que ocorreram em Pedrógão Grande, Castanheira de Pera, Ansião, Alvaiázere, Figueiró dos Vinhos, Arganil, Góis, Penela, Pampilhosa da Serra, Oleiros e Sertã, entre 17 e 24 de junho de 2017, Assembleia da República, Março, 296 p.

CTI - COMISSÃO TÉCNICA INDEPENDENTE (2018). Avaliação dos incêndios ocorridos entre 14 e 16 de outubro de 2017 em Portugal Continental, Assembleia da República, Outubro, 276 p.

Dias, M. F. N. (2014). Áreas de intervenção prioritárias na mitigação do Risco de Incendio Florestal – O exemplo de Góis. (Dissertação de Mestrado em Geografia Física, Ambiente e Ordenamento do Território). Apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Coimbra, 102 p. Disponível em: https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/27556/1/Áreas_int._prioritária_Góis.pdf

Félix, F. (2014). Modelação Espacial da Sinuosidade Rodoviária no apoio á decisão no combate a Incêndios Florestais. O exemplo da Serra da Lousã (Dissertação de Mestrado em Geografia Física, Ambiente e Ordenamento do Território). Apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Coimbra, 177 p. Disponível em: https://estudogeral.sib.uc.pt/handle/10316/27444

Fernandes, J. M. H. D. (2013). Risco de incêndio florestal em áreas de interface urbano-florestal. O exemplo das bacias hidrográficas das ribeiras de Alge e Pera (Dissertação de Mestrado em Geografia Física, Ambiente e Ordenamento do Território). Apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Coimbra, 147 p. Disponível em: https://estudogeral.sib.uc.pt/handle/10316/36108?locale=en

Fernandes, S. P. (2015). Incêndios florestais em Portugal Continental fora do “período crítico”. Contributos para o seu conhecimento (Dissertação de Mestrado em Geografia Física, Ambiente e Ordenamento do Território). Apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Coimbra, 234 p. Disponivel em: https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/28373/1/Sofia%20Fernandes_Inc%C3%AAndios%20Florestais%20em%20Portugal%20Continental%20fora%20do%20per%C3%ADodo%20cr%C3%ADtico.pdf

Ferreira-Leite, F., Bento-Gonçalves, A., Lourenço, L., Úbeda, X., e Vieira, A. (2013). Grandes Incêndios Florestais em Portugal Continental como Resultado das Perturbações nos Regimes de Fogo no Mundo Mediterrâneo. Silva Lusitana, n.º Especial: 127-142. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/25046

Gonçalves, J. R. D. (2013). Incêndios Florestais, Precipitação e Resposta Fluvial. O exemplo do rio Alva (Dissertação de Mestrado em Geografia Física, Ambiente e Ordenamento do Território). Apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Coimbra, 100 p. Disponível em: https://estudogeral.sib.uc.pt/handle/10316/36107?mode=full

ICNF - INSTITUTO DA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DAS FLORESTAS (2016). 9.º Relatório Provisório de Incêndios Florestais - 2016 - 01 de janeiro a 15 de outubro. Departamento de Gestão de Áreas Públicas e de Proteção Florestal, Lisboa,17 p.

ICNF - INSTITUTO DA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DAS FLORESTAS (2017). 10.º Relatório Provisório de Incêndios Florestais - 2017 - 01 de janeiro a 31 de outubro. Departamento de Gestão de Áreas Públicas e de Proteção Florestal, Lisboa,19 p.

ICNF - INSTITUTO DA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DAS FLORESTAS (2018a). 5.º Relatório Provisório de Incêndios Florestais - 2018 - 01 de janeiro a 31 de agosto. Departamento de Gestão de Áreas Públicas e de Proteção Florestal, Lisboa,12 p.

ICNF - INSTITUTO DA CONSERVAÇÃO DA NATUREZA E DAS FLORESTAS (2018b). Florestas/Defesa da Floresta Contra Incêndios/Incêndios Florestais. Disponível em: http://www2.icnf.pt/portal/florestas/dfci/inc;

Lopes, A. M. C., Silva, M. de O. F. e (1966). O fogo, flagelo das matas. Junta Nacional dos Resinosos, 27 p.

Lourenço, L. (2018a). Forest Fires in continental Portugal. Result of profound alterations in society and territorial consequences. Méditerrannée, n.º 130. Disponível em: https://journals.openedition.org/mediterranee/9958

Lourenço, L. (2018b). Lumes na interface urbano--florestal. Colóquio Galaico Português: Unha nova xeración de lumes? Consello da Cultura Galega, Santiago de Compostela (em publicação).

Lourenço, L., Serra, M. G., Mota, L., Paúl, J. J., Correia, S., Parola, J. e Reis, J. (2001). Manual de Combate a Incêndios Florestais para Equipas de Primeira Intervenção. Escola Nacional de Bombeiros, Sintra, 208 p. Disponível em: https://www.uc.pt/fluc/nicif/Publicacoes/Estudos_de_Colaboradores/PDF/Livros_e_Guias/ENB1_2006

Lourenço, L., Bento-Gonçalves, A., Vieira, A., ; Nunes, A., Ferreira-Leite, F. (2012). Forest Fires in Portugal. Portugal: Economic, Political and Social Issues, Edited by: Bento-Gonçalves, António José and Vieira, António Avelino Batista. European Political, Economic, and Security Issues. Global Political Studies. Hauppauge New York: Nova Science Publishers, 97-111. Disponível em: http://www.novapublishers.org/catalog/product_info.php?products_id=36240

NICIF - Núcleo de Investigação Científica de Incêndios Florestais. Acervo documental sobre incêndios florestais anteriores a 1890. Aeródromo da Lousã.

Nunes, A., Lourenço, L. (2017), Increased vulnerability to wildfires and post fire hydro-geomorphic processes in Portuguese mountain regions: what has changed? Example of Piódão and Pomares basins. Open Agriculture, 2, 70–82. Disponível em: https://www.uc.pt/fluc/nicif/Publicacoes/Estudos_de_Colaboradores/PDF/Publicacoes_periodicas/2017_Open_Agriculture_n2.pdf

Nunes, A. e Lourenço, L. (2018). Spatial association between forest fires incidence and socio-economic vulnerability in Portugal, at municipal level. In P. Samui, D. Kim & C. Ghosh (Eds), Integrating Disaster Science and Management, Chapter 6, Elsevier, 83-97. DOI: https://doi.org/10.1016/B978-0-12-812056-9.00006-3

Oliveira, S. I. S. de (2013). Spatial patterns of fire occurrence in Southern Europe. Long-term assessment and environmental drivers. (Dissertação de doutoramento em Engenharia Florestal e dos Recursos Naturais). Apresentada ao Instituto Superior de Agronomia, Lisboa, 154 p.

Oliveira, S. L. J., Pereira, J. M. C., Carreiras, J. M. B. (2011). Fire frequency analysis in Portugal (p. 1975–2005), using Landsat-based burnt area maps. International Journal of Wildland Fire. DOI: https://doi.org/10.1071/WF10131

Oliveira, S., Pereira, J. M. C., San-Miguel-Ayanz, J., Lourenço, L. (2014). Exploring the spatial patterns of fire density in Southern Europe using Geographically Weighted Regression. Applied Geography, 51, 143-157. Disponível em: http://www.uc.pt/fluc/nicif/Publicacoes/Estudos_de_Colaboradores/PDF/Publicacoes_periodicas/2014_Applied_Geography_N51_143a157.pdf

Oliveira, T. M. de (2017). A Transição Florestal e a Governança do Risco de Incêndio em Portugal nos últimos 100 anos (Tese de doutoramento em Engenharia Florestal e dos Recursos Naturais). Apresentada ao Instituto Superior de Agronomia, Universidade de Lisboa, 225 p. Disponível em:

https://www.repository.utl.pt/handle/10400.5/14961

Pedras, C., Silva, E., Martins, F., Fernandez, H., Lourenço, L., Lança, R. (2015). Incêndio da Catraia (Tavira), Catraia (Tavira) Forest Fire . Livro-Guia da Viagem de Estudo. I Seminário da Rede Incêndios-Solo | I I Simpósio Ibero-Afro-Americano de Riscos, RISCOS - Associação Portuguesa de Riscos, Prevenção e Segurança Faro, 36 p. Disponível em: https://www.riscos.pt/wp-content/uploads/2018/Outras_Pub/guias/Livro_Visita_Tecnica_Catraia.pdf

Pereira, J. S., Pereira, J. M. C., Rego, F. C., Silva, J. M. N., Silva, T. P. (2006). Incêndios Florestais em Portugal. Caracterização, Impactes e Prevenção. Instituto Superior de Agronomia, Lisboa, 515 p. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/236841445_Incendios_Florestais_em_Portugal_Caracterizacao_Impactes_e_Prevencao

Rainha, M., Lourenço, L. (2017). Incêndios florestais do maciço da Gralheira entre 6 e 8 de agosto de 2016. Forest fires in the Gralheira massif between August 6th and 8th 2016. Livro-Guia da Visita Técnica n.º 1. IV Congresso Internacional de Riscos. RISCOS - Associação Portuguesa de Riscos, Prevenção e Segurança, Coimbra, 84 p. Disponível em: https://www.riscos.pt/wp-content/uploads/2018/Outras_Pub/guias/Ebook_VT1_Macico_da_Gralheira.pdf

Rebelo, F. (1980). Condições de Tempo Favoráveis à ocorrência de incêndios florestais. Análise de dados referentes a Julho e Agosto de 1975 na área de Coimbra. Biblos, LVI, Coimbra, 653-673.

Simões, O. (ed.) (2018). O rural depois do fogo. Escola Superior Agrária, Instituto Politécnico de Coimbra (ESAC/IPC), Coimbra, 276 p.

Publicado
2018-12-20

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 > >>