Fragilidade ambiental, vulnerabilidade social e riscos de desastres no baixo curso do rio Maranguapinho, Fortaleza-Ceará-Brasil

Palavras-chave: Cidade de Fortaleza, assentamentos precários, vulnerabilidade social, desastres ambientais

Resumo

O cenário urbano atual das principais metrópoles brasileiras retrata intensas alterações dos ambientes naturais para o empreendimento de cidades acarretando grande diversidade de problemas socioambientais, sobretudo nos assentamentos precários de moradia. Esta situação é verificada em Fortaleza, quinta maior cidade do país, capital do estado do Ceará, localizada no nordeste do Brasil. Enfatizam-se, nesse contexto, os assentamentos precários situados na margem direita no baixo curso do Rio Maranguapinho. O objeto principal é analisar a espacialização dos riscos de desastres ambientais nesses territórios. Para tanto, utiliza-se a correlação da fragilidade ambiental urbana com a vulnerabilidade social, estimada através de índice sintético. Os resultados permitem interpretar a relação espacial entre os assentamentos em pauta e os ambientes de maior fragilidade, evidenciando os riscos de desastres. Indica-se com isso a necessidade de medidas de ordenamento do território para prevenção das situações de crise.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Cutter, S. L, Boruff, B. J, Shirley, W. L. (2003). Social Vulnerability to Environmental Hazards. Social Science Quarterly, 84, 242-261.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (2010). Censo Demográfico de 2010. Retrieved from http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/estimativa2016/estimativa_tcu.shtm

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (2016). População estimada para 2016. Retrieved from: www.sidra.ibge.gov.br

INSTITUTO DE PESQUISAS ESTRATÉGICAS E ECONÔMICAS DO ESTADO DO CEARÁ (IPECE) (2010). Índice Municipal de Alerta 2010. Retrieved from: www.ipece.ce.gov.br/categoria4/ima/

INSTITUTO DE PESQUISAS ESTRATÉGICAS E ECONÔMICAS DO ESTADO DO CEARÁ (IPECE) (2014). Mapeamento da vulnerabilidade social em nível de setores censitários: estudo de caso para o município de Caucaia (CE). Retrieved from: http://www.ipece.ce.gov.br/textos_discussao/TD_107.pdf

JORNAL DIÁRIO DO NORDESTE (2017, abr. 12). Maranguapinho invade residências. Retrieved from: http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/cadernos/cidade/maranguapinho-invade-residencias-1.1736443

JORNAL O POVO (24, abr, 2017). Há 20 anos, a Cidade Parou. Fortaleza, Ceará, Brasil. Retrieved from: http://www.opovo.com.br/jornal/cotidiano/2017/04/ha-20-anos-a-cidade-parou.html

Ferreira, A. G, Mello, N. G. (2005). Principais sistemas atmosféricos atuantes sobre a região nordeste do Brasil e a influência dos oceanos pacífico e atlântico no clima da região. Revista Brasileira de Climatologia, 1, 15-27.

FORTALEZA (2016, mar. 31). Defesa Civil monitora áreas vulneráveis e atende famílias atingidas pelas chuvas. Retrieved from https://www.fortaleza.ce.gov.br/noticias/defesa-civil-monitora-areas-vulneraveis-e-atende-familias-atingidas-pelas

FORTALEZA (2016, abr. 08). Defesa Civil faz levantamento de famílias das áreas afetadas pelas chuvas. Retrieved from https://www.fortaleza.ce.gov.br/noticias/defesa-civil-faz-levantamento-de-familias-das-areas-afetadas-pelas-chuvas

Lima, J. S. Q, Sales, L. B. F, Morais, T. M. (2009). Visão técnica da geografia física aplicada para o desenvolvimento de projetos públicos habitacionais de interesse social em Fortaleza-Ceará. XIII Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada – XIII SBGFA, Viçosa-MG.

Marandola Jr, E, Hogan, D. J. (2004). Natural Hazards: o estudo geográfico dos riscos e perigos. Ambient. Soc., 7, 95-110. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-753X2004000200006

Olímpio, J. L. S, Zanella. M. E. (2015). Distribuição espaço-temporal dos desastres naturais associados à dinâmica climática no estado do Ceará. Revista do Departamento de Geografia – USP, 30, 110-131.

Porto, M. F. S. (2007). Uma ecologia política dos riscos: princípios para integrarmos o local e o global na promoção da saúde e da justiça ambiental. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Queiroz Filho, A. P. (2015). As definições de assentamentos precários e favelas e suas implicações nos dados populacionais: abordagem da análise de conteúdo. Revista Brasileira de Gestão Urbana, 7, 340-353. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2175-3369.007.003.AO03

Ross, J. L. S. (1994). Análise empírica da fragilidade empírica dos ambientes naturais e antropizados. Revista do Departamento de Geografia - USP, 8. DOI: http://dx.doi.org/10.7154/RDG.1994.0008.0006

Santos, M. (2008). A urbanização brasileira. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

Santos, J. O, Ross, J. L. (2012). Fragilidade Ambiental Urbana. Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Geografia, 127-144.

Santos, J. O. (2015). Relações entre Fragilidade Ambiental e Vulnerabilidade Social na Suceptibilidade aos Riscos. Revista Mercator, 75-90. DOI: http://dx.doi.org/10.4215/RM2015.1402.0005

SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (SEMAS). (2009). Índice de Vulnerabilidade Social: relatório técnico. Fortaleza.

Silva, J. B. (2009). Formação socioterritorial urbana. In: Dantas, E. W. C., Costa, M. C. L, Silva, J. B. (2009). De cidade a metrópole: (Trans)formações urbanas em Fortaleza (pp87-142). Fortaleza: Edições UFC.

Souza, M. S. (2009). Análise da estrutura urbana. In: Dantas, E. W. C., Costa, M. C. L, Silva, J. B. (2009). De cidade a metrópole: (Trans)formações urbanas em Fortaleza (pp13-86). Fortaleza: Edições UFC.

Souza, K .R. G, Lourenço, L. (2015). A Evolução do conceito de risco à luz das ciências naturais e sociais. Revista Territorium, 22, 31-44. DOI: http://dx.doi.org/10.14195/1647-7723_22_1

Twigg, J. (2007). Characteristics of a disaster-resilient community: a guidance note. United Kingdom: Disaster Risk Reduction Interagency Coordination Group, 42 p.

Veyret, Y., Richemond, N. M. (2007). Os tipos de riscos. In: Veyret. Yvette. (2007). Os riscos: o homem como agressor e vítima do meio ambiente (pp63-80). Tradução: Dílson Ferreira da Cruz. São Paulo: Contexto.

Veyret, Y. (2007). Introdução. In: Veyret, Os riscos: o homem como agressor e vítima do meio ambiente (pp11-22). Tradução: Dílson Ferreira da Cruz. São Paulo: Contexto.

Zanella, M. E. (2006). Inundações em Curitiba, PR: impactos, riscos e vulnerabilidade socioambiental no Bairro Cajuru (Doctoral dissertation, Tese de Doutorado. Meio Ambiente e Desenvolvimento-UFPR).ts planétaires/Sécheresse, 15 (1), 9-18.

Publicado
2020-01-22

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)