Avaliação da suscetibilidade associada a atividades de montanha no Parque Nacional da Peneda Gerês. Contribuições para a elaboração de um plano prévio de intervençãoS

Palavras-chave: PNPG, riscos, busca e salvamento, trauma e montanha.

Resumo

O Parque Nacional Peneda-Gerês (PNPG) é o único Parque Nacional português. Ele tem vindo a receber um número crescente de visitantes, facto que os municípios aproveitam para promover o desenvolvimento económico de toda a região. Contudo, a ocorrência de alguns acidentes que resultam em feridos graves e mortos, pode comprometer esse potencial. Este trabalho desenvolve-se no sentido de identificar os perigos existentes no PNPG que têm contribuído para a ocorrência desses acidentes. Para tal, recorreu-se à caraterização das variáveis biofísicas do espaço e à catalogação de ocorrências entre 2006 e 2015. O registo do fluxo de utilizadores do PNPG, a sua caraterização, as tendências do aumento da procura pelo espaço natural e a exposição mediática do tema também merecem a devida consideração neste estudo. Este artigo apresenta algumas conclusões que permitem identificar as principais vulnerabilidades na organização do fluxo dos utilizadores no interior do Parque e na resposta a situações de acidente. Identificam-se fragilidades no registo de afluência e nas ocorrências que se têm vindo a verificar no interior dos seus limites. São identificados desequilíbrios na resposta ao socorro, na área em que se verificam mais ocorrências, com maior distância às vias transitáveis, são cumulativamente, as que apresentam a resposta mais demorada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AEmet, IPMA (2011). Atlas Climático Ibérico - Iberian Climate Atlas.

Ayora, A. (2011). Gestión del riesgo en las zonas de montaña. Una visión sistémica. In Seguritecnia, 36–41.

Censos (2011). Resultados Definitivos – Portugal. Instituto Nacional de Estatística I.P.

Daveau, S. (1985). Mapas climáticos de Portugal. Nevoeiro e nebulosidade. Contrastes térmicos. Memórias do Centro de Estudos Geográficos. Lisboa.

Eiras, J., Costa, A., Santos, M. (2016). Avaliação de Riscos Associados a Atividades de Montanha no Parque Nacional da Peneda - Gerês. Civil Protection and Risk Analysis Group Portugal. Faculdade de Ciências Naturais, Engenharias e Tecnologias, Universidade Lusófona do Porto. Disponível em: https://riscos-montanha-pnpg.webnode.com/.

Henriques, P. C. (2002). Parque Nacional da Peneda-Gerês. ICNF, Lisboa.

Julião, R., Nery, F., Ribeiro, J., Branco, M., e Zêzere, J. (2009). Guia metodológico para a produção de cartografia municipal de risco e para a criação de sistemas de informação geográfica (SIG) de base municipal. Autoridade Nacional de Proteção Civil. Disponível em: http://www.prociv.pt/bk/Documents/guia_metodologico_SIG.pdf

Macedo, A., Regalo H. e Barros A. (2011). Parque Nacional da Peneda-Gerês: 40 anos de protecção. ICNB (ICNF)

Marta, M. J., Oliveira, A., e Saavedra, J. A. (2005). Casos Clínicos Mordedura de Víbora – situação potencialmente grave Snake bite – a potententially serious condition. Medicina Interna, 12.

Proteção Civil e Bombeiros, Açores - https://www.prociv.azores.gov.pt/noticias/ver.php?id=2124&fbclid=IwAR1Q-c99MRPhiyWjPY4tFti5ta26tn0t5y38IKHUuhDKEY7SzcLLTBjZDc8, consultado a 14 de abril de 2019.

Simões, I., Silva, A., Passanha, L. M. (2009). Episódios de neve em Portugal. In V Encontro Nacional de Riscos, Coimbra, 1–23.

Publicado
2020-09-10