Zoneamento de incêndios florestais na estação ecológica Águas Emendadas, Distrito Federal (Brasil)

Palavras-chave: Incêndios florestais, Cerrado brasileiro, risco ambiental.

Resumo

O aumento no número de ocorrências de incêndios florestais no bioma Cerrado é considerado uma ameaça à sua conservação. Dessa forma, as áreas protegidas por meio das Unidades de Conservação (UC) são fundamentais para a proteção dos biomas brasileiros. No entanto, mesmo essas áreas são acometidas por incêndios que comprometem suas integridades. Neste sentido, este estudo teve como objetivo elaborar o zoneamento do risco de incêndio florestal da UC Estação Ecológica Águas Emendadas por meio do método multicritério aditivo, validá-lo com as cicatrizes dos incêndios ocorridos entre os anos de 2011 a 2015 e avaliar a espacialidade do risco a incêndios florestais. Foi observado que nenhuma área da UC estudada foi classificada como zona de risco Extremo, no entanto mais de 60% da UC foi classificada em zonas de Alto ou Muito Alto risco a incêndios. A validação mostrou que 80% dos incêndios ocorreram sobre áreas com risco mediano a incêndios florestais como formações savânicas ou campestres. Foi obtido um Índice Global de Moran para o risco de incêndios florestais no valor de 0.83 indicando uma elevada autorrelação espacial, além disso, o Índice Local de Moran identificou como regiões mais críticas as áreas de interface de vegetação nativa e áreas urbanas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aguiar, R. D., Santos, L. d. M., Matricardi, E., e Batista, I. (2015). Zoneamento de risco de incêndios florestais no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros–GO. Enciclopédia da Biosfera, 11(21), 1943-1957.

Albuquerque, P. H. M., Medina, F. A. S., e da Silva, A. R. (2017). Regressão Logística Geograficamente Ponderada Aplicada a Modelos de Credit Scoring. Revista Contabilidade & Finanças, 28(73), 93-112.

Almeida, A. N. d., Andrade, B. G. d., Soares, P. R. C., e Angelo, H. (2018). Segurança ambiental na Estação Ecológica de Águas Emendadas no Distrito Federal. Ciência Florestal, 28, 1381-1393. DOI: https://doi.org/10.5902/1980509835047

Alvarado, S. T., Fornazari, T., Cóstola, A., Morellato, L. P. C., e Silva, T. S. F. (2017). Drivers of fire occurrence in a mountainous Brazilian cerrado savanna: Tracking long-term fire regimes using remote sensing. Ecological Indicators, 78, 270-281. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ecolind.2017.02.037

Anselin, L. (2004). Exploring spatial data with GeoDaTM: a workbook. Urbana, 51(61801), 309.

Aximoff, I., e Rodrigues, R. d. C. (2011). Histórico dos incêndios florestais no Parque Nacional do Itatiaia. Ciência Florestal, 21, 83-92. DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198050982750

Bacani, V. M. (2016). Geoprocessing applied to risk assessment of forest fires in the municipality of Bodoquena, Mato Grosso do Sul. Revista Árvore, 40, 1003-1011. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0100-67622016000600005

Barbosa, C. C. F., de Moraes Novo, E. M. L., e Martins, V. S. (2019). Introdução ao sensoriamento remoto de sistemas aquáticos: princípios e aplicações (Vol. 1): Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais.

Borges, S. L., Eloy, L., Schmidt, I. B., Barradas, A. C. S., e Santos, I. A. D. (2016). Fire Management in Veredas (Palm Swamps): New perspectives on traditional farming systems in Jalapão, Brazil. Ambiente & Sociedade, 19, 269-294. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1809-4422ASOC20150020R1V1932016

Lei n.º 9.985, de 18 de julho de 2000.Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza (2000).

Câmara, G., Carvalho, M. S., Cruz, O. G., e Correa, V. (2004). Análise espacial de áreas. Análise espacial de dados geográficos, 2.

Chas-Amil, M. L., Touza, J., e García-Martínez, E. (2013). Forest fires in the wildland–urban interface: A spatial analysis of forest fragmentation and human impacts. Applied Geography, 43, 127-137. DOI: https://doi.org/10.1016/j.apgeog.2013.06.010

Cipriani, H. N., Pereira, J. A. A., Silva, R. A., Freitas, S. G. d., e Oliveira, L. T. d. (2011). Fire risk map for the Serra de São Domingos Municipal Park, Poços de Caldas, MG. CERNE, 17, 77-83. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-77602011000100009

CODEPLAN (2018). Pesquisa Distrital por Amostra de Domicílios do Distrito Federal-PDAD-DF-2018. Retrieved 01 de julho de 2019, from http://www.codeplan.df.gov.br/wp-content/uploads/2019/03/Brazl%C3%A2ndia.pdf

Costa, E. P., Fiedler, N. C., Medeiros, M. B., e Wanderley, F. B. (2009). Incêndios florestais no entorno de unidades de conservação - estudo de caso na Estação Ecológica de Águas Emendadas, Distrito Federal. Ciência Florestal, 19, 195-206. DOI: http://dx.doi.org/10.5902/19805098410

Costa, E. P., Fiedler, N. C., Medeiros, M. B. d., e Leite, Â. M. P. (2015). Diagnostic of fire used by rural producers near Águas Emendadas Ecological Station (ESECAE) in Distrito Federal. . CERNE; vol 13, n.º 5 (2007) - Suplemento.

Dias, E. R. (2016). Geração de Modelo Digital de Elevação utilizando dados do SRTM como subsídio ao planejamento e gestão territorial do município de Lucena (PB). Caderno de Geografia, 26(45), 151-159. DOI: http://dx.doi.org/10.5752/p.2318-2962.2016v26n45p151

Durigan, G., e Ratter, J. A. (2016). The need for a consistent fire policy for Cerrado conservation. Journal of Applied Ecology, 53(1), 11-15.

DOI: http://dx.doi.org/10.1111/1365-2664.12559

Gaither, C. J., Poudyal, N. C., Goodrick, S., Bowker, J. M., Malone, S., e Gan, J. (2011). Wildland fire risk and social vulnerability in the Southeastern United States: An exploratory spatial data analysis approach. Forest Policy and Economics, 13(1), 24-36. DOI: https://doi.org/10.1016/j.forpol.2010.07.009

Ganteaume, A., e Jappiot, M. (2013). What causes large fires in Southern France. Forest Ecology and Management, 294, 76-85. DOI: https://doi.org/10.1016/j.foreco.2012.06.055

Gobbo, S. D. a. A., Garcia, R. F., Amaral, A. A. d., Eugenio, F. C., Alvarez, C. R. d. S., e Laporti Luppi, A. S. (2016). Uso da Terra no Entorno do PARNA-Caparaó: Preocupação com Incêndios Florestais. Floresta e Ambiente, 23, 350-361. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.110114

Hu, M., Li, Z., Yuan, M., Fan, C., e Xia, B. (2019). Spatial differentiation of ecological security and differentiated management of ecological conservation in the Pearl River Delta, China. Ecological Indicators, 104, 439-448. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ecolind.2019.04.081

INMET (2019). Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa. Retrieved 09 de agosto de 2019.

Jaafari, A., Zenner, E. K., Panahi, M., e Shahabi, H. (2019). Hybrid artificial intelligence models based on a neuro-fuzzy system and metaheuristic optimization algorithms for spatial prediction of wildfire probability. Agricultural and Forest Meteorology, 266-267, 198-207. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.agrformet.2018.12.015

Klink, C. A., e Machado, R. B. (2005). Conservation of the Brazilian cerrado. Conservation biology, 19(3), 707-713. DOI: http://dx.doi.org/10.1111/j.1523-1739.2005.00702.x

Lacey, C. J., Walker, J., e Noble, I. R. (1982). Fire in Australian Tropical Savannas. Berlin, Heidelberg: Springer Berlin Heidelberg.

Legendre, P. (1993). Spatial Autocorrelation: Trouble or New Paradigm? Ecology, 74(6), 1659-1673. DOI: http://dx.doi.org/10.2307/1939924

Lemes, G. P., Matricardi, E. A. T., Costa, O. B., e Leal, F. A. (2014). Avaliação espaço-temporal dos incêndios florestais no Parque Nacional Serra da Canastra no período de 1991 a 2011. Ambiência, 10(Sup), 247-266. DOI: http://dx.doi.org/10.5935/ambiencia.2014.supl.03

Liesenfeld, M. V. A., Vieira, G., e de Andrade Miranda, I. P. (2016). Ecologia do fogo e o impacto na vegetação da Amazônia. Pesquisa Florestal Brasileira, 36(88), 505-517. DOI: https://doi.org/10.4336/2016.pfb.36.88.1222

Lopes, E. R. d. N., Silva, A. P. P., Peruchi, J. F., e Lourenço, R. W. (2018). Zoneamento de Risco de Incêndio e Queimadas na Cidade de Sorocaba–São Paulo. Revista do Departamento de Geografia, 36, 117-129. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/rdg.v36i0.148048

Machado, R., Aguiar, L., Bianchi, C., Vianna, R., Santos, A., Saito, C., e Timmers, J. (1998). Áreas de risco no entorno de Unidades de Conservação: estudo de caso da Estação Ecológica de Águas Emendadas, Planaltina, DF. Vertebrados da Estação Ecológica de Águas Emendadas (J Marinho-Filho, FHG Rodrigues, and MM Guimarães, eds.). SEMATEC/IEMA, Brasília, DF, 64-75.

Medeiros, M. B. (2002). Manejo do Fogo em unidades de conservação do Cerrado. Boletim do Herbário Ezechias Paulo Heringer, 10(1), 76-89.

Molina, J. R., Lora, A., Prades, C., e Rodríguez y Silva, F. (2019). Roadside vegetation planning and conservation: New approach to prevent and mitigate wildfires based on fire ignition potential. Forest Ecology and Management, 444, 163-173. DOI: https://doi.org/10.1016/j.foreco.2019.04.034

Moran, P. A. (1948). The interpretation of statistical maps. Journal of the Royal Statistical Society. Series B (Methodological), 10(2), 243-251.

Moreira de Araújo, F., Ferreira, L. G., e Arantes, A. E. (2012). Distribution Patterns of Burned Areas in the Brazilian Biomes: An Analysis Based on Satellite Data for the 2002–2010 Period. Remote Sensing, 4(7). DOI:http://dx.doi.org/10.3390/rs4071929

Myers, N., Mittermeier, R. A., Mittermeier, C. G., da Fonseca, G. A. B., e Kent, J. (2000). Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, 403, 853. DOI: http://dx.doi.org/10.1038/35002501

Neto, G. B. S., Bayma, A. P., de Faria, K. M. S., de Oliviera, E. G., e Menezes, P. H. B. J. (2016). Riscos de incêndios florestais no parque nacional de Brasília. Brasil. Territorium(23), 161-170. DOI: http://dx.doi.org/10.14195/1647-7723

Neves, L. F. d. S., Marimon, B. S., Anderson, L. O., eda Silva Neves, S. M. A. (2018). Dinâmica de fogo no Parque Estadual do Araguaia, zona de transição Amazônia-Cerrado. Raega-O Espaço Geográfico em Análise, 44, 85-103. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v44i0.47926

Oliveira-Filho, A. T., e Fluminhan-Filho, M. (2015). Vegetation ecology of the Parque Florestal Quedas do Rio Bonito, Brazil. CERNE, 5(2), 051-064.

Oliveira, R., Oliveira, S., Zêzere, J. L., e Viegas, D. X. (2019). Uncovering the perception regarding wildfires of residents with different characteristics. International Journal of Disaster Risk Reduction, 101370. DOI: https://doi.org/10.1016/j.ijdrr.2019.101370

Padovesi-Fonseca, C., Gomes Corrêa, A. C., Figueiredo Marques Leite, G., Joveli, J. C., Soares Costa, L., e Toledo Pereira, S. (2010). Diagnóstico da sub-bacia do ribeirão Mestre d’Armas por meio de dois métodos de avaliação ambiental rápida, Distrito Federal, Brasil Central. Ambiente & Água-An Interdisciplinary Journal of Applied Science, 5(1). DOI: http://dx.doi.org/10.4136/ambi-agua.118

Platt, R. V. (2014). Wildfire hazard in the home ignition zone: An object-oriented analysis integrating LiDAR and VHR satellite imagery. Applied Geography, 51, 108-117. DOI: https://doi.org/10.1016/j.apgeog.2014.03.011

Preisler, H. K., Brillinger, D. R., Burgan, R. E., e Benoit, J. W. (2004). Probability based models for estimation of wildfire risk. International Journal of Wildland Fire, 13(2), 133-142. DOI: http://dx.doi.org/10.1071/wf02061

Prudente, T. D. (2010). Geotecnologias aplicadas ao mapeamento de risco de incêndio florestal no parque nacional da chapada dos veadeiros e área de entorno. (Dissertação de Mestrado em Geografia)–Programa de Pós-Graduação em Geografia, 116 f.

Ramos, R. M., Fonseca, R. L., e Morello, T. F. (2016). Unidades de conservação e proteção contra incêndios florestais: relação entre focos de calor e ações articuladas pelas brigadas contratadas. Biodiversidade Brasileira, 6(2), 135-148.

Ribeiro, I. O., Andreoli, R. V., Kayano, M. T., Sousa, T. R., Medeiros, A. S., Godoi, R. H. M., . . . Souza, R. A. F. (2018). Biomass burning and carbon monoxide patterns in Brazil during the extreme drought years of 2005, 2010, and 2015. Environmental Pollution, 243, 1008-1014. DOI: https://doi.org/10.1016/j.envpol.2018.09.022

Ribeiro, J. F., e Walter, B. M. T. (2008). As principais fitofisionomias do bioma Cerrado. Cerrado: ecologia e flora, 1, 151-212.

Ribeiro, L., Soares, R. V., e Bepller, M. (2012). Mapeamento do risco de incêndios florestais no município de Novo Mundo, Mato Grosso, Brasil. CERNE, 18, 117-126. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-77602012000100014

Ribeiro, R., e Marinho-Filho, J. (2005). Estrutura da comunidade de pequenos mamíferos (Mammalia, Rodentia) da Estação Ecológica de Águas Emendadas, Planaltina, Distrito Federal, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, 22, 898-907. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0101-81752005000400014

Rodrigues, M. F., de Castro Rocha, F. E., Dalla Corte, J. L., Salviati, M. E., e Oliveira-Filho, E. C. (2016). Aspectos Motivacionais para o Uso do Fogo na Agricultura no Distrito Federal e Entorno. Embrapa Cerrados-Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E).

Sampaio, A. B., Berlinck, C. N., Miranda, H. S., Schmidt, I. B., e Ribeiro, K. T. (2016). Manejo do fogo em áreas protegidas. Biodiversidade Brasileira, 6(2), 1-3.

Sano, E. E., Rosa, R., Brito, J. L. S., e Ferreira, L. G. (2010). Land cover mapping of the tropical savanna region in Brazil. Environmental monitoring and assessment, 166(1), 113-124. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s10661-009-0988-4

Santos, H. G., Jacomine, P., Dos Anjos, L., De Oliveira, V., Lumbreras, J., Coelho, M., . . . Cunha, T. (2018). Sistema brasileiro de classificação de solos: Brasília, DF: Embrapa, 2018.

Santos, P. R., Pereira, G., e Rocha, L. C. (2014). Análise da distribuição espacial dos focos de queimadas para o bioma Cerrado (2002-2012). Caderno de Geografia, 24(1), 133-142. DOI: http://dx.doi.org/10.5752/P.2318-2962.2014v24nespp133

Schmidt, I. B., Fonseca, C. B., Ferreira, M. C., e Sato, M. N. (2016). Implementação do programa piloto de manejo integrado do fogo em três unidades de conservação do Cerrado. Biodiversidade Brasileira, 6(2), 55-70.

Silveira, H. L. F. d., Vettorazzi, C. A., e Valente, R. d. O. A. (2008). Avaliação multicriterial no mapeamento de risco de incêndios florestais, em ambiente sig, na bacia do Rio Corumbataí, SP. Revista Árvore, 32, 259-268. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622008000200009

Soares, R. V., e Batista, A. C. (2007). Incêndios florestais: controle, efeitos e uso do fogo. Universidade Federal do Paraná Curitiba.

Souza, M. A. d., e Vale, A. T. d. (2019). Levantamento de plantas de baixa inflamabilidade em áreas queimadas de Cerrado no Distrito Federal e análise das suas propriedades físicas. Ciência Florestal, 29, 181-192. DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509822416

Tangerino, D. F., e Lourenço, R. T. (2013). Comparação da exatidão de métodos de classificação supervisionada e não supervisionada a partir do índice kappa na microbacia do Ribeirão Duas Águas em Botucatu/SP. XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto-SBSR, 4093.

Torres, F. T. P., Lima, G. S., das Graças Costa, A., de Araújo Félix, G., e da Silva Júnior, M. R. (2017a). Perfil dos Incêndios Florestais em Unidades de Conservação brasileiras no período de 2008 a 2012. Floresta, 46(4), 531-542. DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rf.v46i4.44199

Torres, F. T. P., e Machado, P. J. O. (2008). Introdução à climatologia (Geographica, E. Ed.). Ubá: Cengage Learning.

Torres, F. T. P., Ribeiro, G. A., Martins, S. V., e Lima, G. S. (2010). Determinação do período mais propício às ocorrências de incêndios em vegetação na área urbana de Juiz de Fora, MG. Revista Árvore, 34, 297-303.DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622010000200012

Torres, F. T. P., Ribeiro, G. A., Martins, S. V., e Lima, G. S. (2016). Influência do relevo nos incêndios em vegetação em Juiz de Fora (MG). GEOgraphia, 18(36), 170-182. DOI: https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2016.v18i36.a13748

Torres, F. T. P., Roque, M. P. B., Lima, G. S., Martins, S. V., e de Faria, A. L. L. (2017b). Mapeamento do risco de incêndios florestais utilizando técnicas de geoprocessamento. Floresta e Ambiente, 24, e00025615. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2179-8087.025615

Torres, F. T. P., Torres, C. M. M. E., Lima, G. S., Martins, S. V., Mendes, A. E. d. O., Padovani, M. T., . . . Valverde, S. R. (2018). Análise do perfil dos incêndios florestais no Parque Estadual da Serra do Brigadeiro e entorno (MG). Ciência Florestal, 28, 1008-1021. DOI: http://dx.doi.org/10.5902/1980509833384

White, L. A. S., White, B. L. A., e Ribeiro, G. T. (2016). Modelagem espacial de risco de incêndio florestal para o município de Inhambupe, Bahia, Brasil. Pesquisa Florestal Brasileira, 36(85), 41-49. DOI: http://dx.doi.org/10.4336/2016.pfb.36.85.850

Yang, Y., e Wong, K. K. F. (2013). Spatial Distribution of Tourist Flows to China’s Cities. Tourism Geographies, 15(2), 338-363. DOI: http://dx.doi.org/10.1080/14616688.2012.675511

Zacharias, G. C. (2013). Indicadores para a gestão de riscos de incêndios florestais em áreas periurbanas do Distrito Federal, Brasil: estudo de caso do Núcleo Rural do Córrego do Urubu (Dissertação de Mestrado), Universidade Católica de Brasília, Brasília.

Publicado
2020-09-10