Modelo espacial de risco de incêndio intraurbano: fatores de população e carga de incêndio

Palavras-chave: Risco de incêndio, modelo espacial, carga de incêndio, população, intraurbano

Resumo

Embora os incêndios urbanos façam centenas de vítimas fatais e causem inúmeros prejuízos materiais a cada ano e em todo o mundo, poucos estudos se dedicam à formulação de um modelo simples de estimação do risco de incêndios urbanos. Nesse sentido, o objetivo do presente artigo é criar e implementar um modelo espacial de risco de incêndio intraurbano com apenas duas variáveis: população e valor de carga de incêndio. Uma área urbana brasileira de porte médio foi selecionada para análise empírica. Foram utilizados mapas e técnicas estatísticas como os índices de Moran, regressão linear e regressão de erro espacial. Os resultados evidenciam que as ocorrências de incêndio são concentradas no espaço intraurbano, bem como a variável população não foi estatisticamente significativa, mas a variável carga de incêndio foi positiva e significativa na associação com o risco de incêndio. As implicações dos resultados, em termos de políticas públicas, normas técnicas e protocolos são discutidas na conclusão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Anselin, L. (1988). Lagrange multiplier test diagnostics for spatial dependence and spatial heterogeneity. Geographical analysis, 20(1), 1-17.

Anselin, L. (2013). Spatial econometrics: methods and models (Vol. 4). Springer Science & Business Media.

Ardianto, R., Chhetri, P. (2019). Modeling Spatial–Temporal Dynamics of Urban Residential Fire Risk Using a Markov Chain Technique. International Journal of Disaster Risk Science, (10), 57–73.

Beck, U. (1992). Risk society: Towards a new modernity (Vol. 17). Sage.

Bento-Gonçalves, A. J., Lourenço, L., e Silva, J. D. D. (2007). Manifestação do risco de incêndio florestal. Causas e investigação criminal. Territorium, (14), 81-87. DOI: https://doi.org/10.14195/1647-7723_14_8

Bruno, A. P. (2010). Método de análise de risco de incêndios em favelas: uma abordagem. Territorium, (17), 119-126. DOI: https://doi.org/10.14195/1647-7723_17_12

Castillo, M., Quintanilla, V., e Julio, G. (2009). Análisis del riesgo y vulnerabilidad contra incendios forestales en áreas de interfaz, provincia de Valparaíso. Territorium, (16), 131-138. DOI: https://doi.org/10.14195/1647-7723_16_12

Ceccato, V., Melo, S. N., e Kahn, T. (2018). Trends and patterns of police-related deaths in Brazil. In The Palgrave Handbook of Criminology and the Global South, Palgrave Macmillan, Cham, 521-550.

Ferreira, E., Rodrigues, J. P. C., e Coelho, L. (2012). Risco de incêndio na sala de comando duma estação de tratamento de resíduos sólidos. Territorium, (19), 127-135. DOI: https://doi.org/10.14195/1647-7723_19_15

Fidalgo, E. S. (2013). Risco de incêndios na interface urbano-florestal: reflexão conceptual. Territorium, (20), 101-114. DOI: https://doi.org/10.14195/1647-7723_20_8

Figueira, R., Rodrigues, J. P. C., e Coelho, A. L. (2011). Avaliação do risco de incêndio em centros urbanos antigos: Parte I–aplicação do método de ARICA ao centro histórico do Funchal. Territorium, (18), 99-107. DOI: https://doi.org/10.14195/1647-7723_18_8

Figueira, R., Coelho, A. L., e Rodrigues, J. P. C. (2012). Avaliação do risco de incêndio em centros urbanos antigos. Parte II–aplicação informática sobre o método de ARICA. Territorium, (19), 121-126. DOI: https://doi.org/10.14195/1647-7723_19_14

Gouveia, M. M. A. L. (2006). Risco de incêndio florestal no concelho de Mirandela. Territorium, (13), 83-92. DOI: https://doi.org/10.14195/1647-7723_13_7

Guettouche, M. S., Derias, A., Boutiba, M., Bounif, M. A., Guendouz, M., Boudella, A. (2011). A Fire Risk Modelling and Spatialization by GIS - Application on the Forest of Bouzareah Clump, Algiers (Algeria). Journal of Geographic Information System, (3), 254-265.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (2011a). Censo Demográfico 2010. Disponível em: http://www.ibge.gov.br

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (2011b). Mapa fitogeográfico do estado do Maranhão. Rio de Janeiro. Escala, 1:400.000.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (2016). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – PNAD. Microdados. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/habitacao/9127-pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios.html?=&t=microdados

Jenks, G. F., e Caspall, F. C. (1971). Error on choroplethic maps: definition, measurement, reduction. Annals of the Association of American Geographers, 61(2), 217-244.

Khorasani, N. E., Garlock, M., e Gardoni, P. (2014). Fire load: Survey data, recent standards, and probabilistic models for office buildings. Engineering Structures, 58, 152-165.

Lourenço, L. (2009). Plenas manifestações do risco de incêndio florestal em serras do Centro de Portugal. Efeitos erosivos subsequentes e reabilitações pontuais. Territorium, (16), 5-23. DOI: https://doi.org/10.14195/1647-7723_16_1

Maranhão. (1997) NORMA TÉCNICA - N.º 003/97. Classificação das edificações quanto aos riscos de incêndio. Corpo de bombeiros militar do estado do Maranhão.

Melo, S. N. (2017). Geografia do crime: Análise espacial da criminalidade no município de Campinas–SP. Campinas: Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas.

Melo, S. N., Andresen, M. A., e Matias, L. F. (2018a). Repeat and near-repeat victimization in Campinas, Brazil: new explanations from the Global South. Security Journal, 31(1), 364-380.

Melo, S. N., Pereira, D. V., Andresen, M. A., e Matias, L. F. (2018b). Spatial/temporal variations of crime: a routine activity theory perspective. International journal of offender therapy and comparative criminology, 62(7), 1967-1991.

MINAS GERAIS (2005). IT – 09 – Carga de incêndio nas edificações e área de risco. Corpo de bombeiros militar do estado de Minas Gerais.

Neto, G. B. S., Bayma, A. P., de Faria, K. M. S., de Oliviera, E. G., e Menezes, P. H. B. J. (2016). Riscos de incêndios florestais no parque nacional de Brasília. Brasil. Territorium, (23), 161-170. DOI: https://doi.org/10.14195/1647-7723_23_13

Nunes, A. (2000). O risco de incêndio florestal e a prática da pastorícia em 4 concelhos da Serra da Estrela: tentativa de correlação. Territorium, (7), 55-64. DOI: https://doi.org/10.14195/1647-7723_7_6

Quintanilla, V. (2009). Los riesgos de incendios forestales en la zona mediterranea de chile: un caso de perturbacion ambiental permanente. Territorium, (16), 147-154. DOI: https://doi.org/10.14195/1647-7723_16_14

Rohde, D., Corcoran, J., e Chhetri, P. (2010). Spatial forecasting of residential urban fires: A Bayesian approach. Computers, Environment and Urban Systems, 34(1), 58-69.

SÃO PAULO (2019). Instrução Técnica N.º 14/2018. Carga de incêndio nas edificações e áreas de risco. Corpo de bombeiros militar do estado de São Paulo.

Sapp, A. D., e Huff, T. G. (1995). Arson-homicides: Findings from a national study. US Department of Justice, Federal Bureau of Investigation.

Stahura, J. M., e Hollinger, R. C. (1988). A routine activities approach to suburban arson rates. Sociological Spectrum, 8(4), 349-369.

Sufianto, H., e Green, A. R. (2012). Urban fire situation in Indonesia. Fire technology, 48(2), 367-387.

Taridala, S., Yudono, A., Ramli, M. I., AkiL, A. (2016). Expert System Development for Urban Fire Hazard Assessment. Study Case: Kendari City, Indonesia. In: IOP Conf. Series: Earth and Environmental Science.

Vieira, A., Gonçalves, A. B., Lourenço, L., Martins, C. O., e Leite, F. F. (2009). Risco de incêndio florestal em áreas de interface urbano-rural: o exemplo do Ave. Territorium, (16), 139-146. DOI: https://doi.org/10.14195/1647-7723_16_13

Publicado
2020-09-10