Risco associado ao transporte metroferroviário urbano: estudo na região metropolitana de Natal, Rio Grande do Norte, Brasil

Palavras-chave: Risco, acidentes, transporte, trem.

Resumo

O transporte de passageiros sobre trilhos faz parte do cotidiano brasileiro desde o século XIX, no entanto a dimensão geográfica no que concerne à análise dos riscos associados a este modal ainda é pouco explorada. O Estado do Rio Grande do Norte, localizado no Nordeste do Brasil, possui um trecho ativo de via férrea correspondente a 56,2 quilômetros de extensão, grande parte em interação com áreas urbanas e de fluxo intenso de pessoas, fato que suscita várias problemáticas socioespaciais, entre elas a do risco de acidentes envolvendo as locomotivas durante sua circulação. Diante desta realidade, o presente estudo teve como objetivo investigar os padrões espaciais associados aos acidentes metroferroviários na região metropolitana de Natal, sob um olhar geográfico e estatístico, com o intuito de discutir a noção de risco associado a este modal, além de quantificar e espacializar os acidentes. Através da espacialização do fenômeno e posterior análise, chegou-se à conclusão que as áreas com maior fluxo de pessoas e veículos em circulação sobre a via férrea (como as passagens de nível), somado a outras circunstâncias espaciais, são fatores determinantes para a efetivação dos acidentes no território dominado pelo modal ferroviário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia Autor

Lutiane Queiroz de Almeida, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Professor Adjunto do Departamento de Geografia, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN, Professor do Programa de Pós-Graduação e Pesquisa em Geografia da UFRN, coordenador do grupo de pesquisa GEORISCO - Dinamicas ambientais, Riscos e Ordenamento do Território e pesquisador do CNPq.

Referências

Adams, J. (1995). Risk: the policy implications of risk compensation and plural rationalities. London, UCL Press.

Almeida, L. Q. de. (2011). Por uma ciência dos riscos e vulnerabilidades na geografia. Mercator, [s.l.], v. 10, n. 23, p.83-99, 26 dez. 2011. Mercator, Revista de Geografia da UFC. DOI: http://dx.doi.org/10.4215/rm2011.1023.0007

AGENCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES - ANTT (Brasil) (Org.) (2008). Terminologia Básica. Disponível em: http://appweb2.antt.gov.br/relatorios/ferroviario/concessionarias2008/15_Terminologia_Basica2008.pdf.Acesso em: 01 jul. 2017.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – NB 1238 (1989). Determinação do grau de importância da travessia rodoviária através de via férrea. Norma Brasileira.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – NB-1239 (1989). Determinação do fator ponderado de acidentes de travessia rodoviária em passagem de nível através de via férrea, Norma Brasileira.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS – NB-666 (1989). Via férrea – Travessia rodoviária – Momento de Circulação, Norma Brasileira.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15868 (2010). Acidente Ferroviário - Classificação, comunicação e relatório. Rio de Janeiro: Abnt, 2010.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS TRANSPORTADORES DE PASSAGEIROS SOBRE TRILHOS (ANPTrilhos) (2017). Balanço do Setor Metroferroviário: 2016-2017. Brasília: Anptrilhos, v. 1.

Brasil. Lei n.º 9.503, de 23 de setembro de 1997. Código de Trânsito Brasileiro. Brasilia, DF

Carmo, R. C. do, Campo, V. B. G., Guimarães, J. E. (2007). Procedimento para avaliação da segurança de passagens de nível. Disponível em: http://transportes.ime.eb.br/etfc/. Acesso em: 19 out. 2017.

Castro, C. M. de, Peixoto, M. N. de O., Rio, G. A. P. do (2005). Riscos Ambientais e Geografia: Conceituações Abordagens e Escalas. Anuário do Instituto de Geociências - UFRJ, Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, 11-30.

DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO (DENATRAN) (1987). Manual de Cruzamentos Rodoferroviários, Coleção Serviços de Engenharia, 2ª edição, Brasília, DF.

Fernandes, R. (2016). Abordagem Geográfica dos Riscos Associados ao Transporte Ferroviário: Os Grandes Acidentes Ferroviários no Mundo e em Portugal. X Encontro Nacional de Riscos e II Jornada Técnica da Federação dos Bombeiros do Distrito de Viseu.

Publicado
2020-09-10