Do narcotráfico às narcomilícias: configurações territoriais sobrepostas na periferia de Belém

Palavras-chave: Narcotráfico, milícias, territórios.

Resumo

Os conflitos territoriais urbanos em Belém vêm, nos últimos anos, reproduzindo uma conjuntura político-territorial, em que a metrópole se encontra sob os efeitos perversos das ações de grupos armados que impõem a lógica da violência urbana. O objetivo deste trabalho é analisar as configurações territoriais sobrepostas que envolvem grupos do narcotráfico e milicianos na periferia de Belém, pois elas refletem a existência de outros poderes não exclusivos do Estado. A metodologia fundamentou-se na revisão da literatura, análise de documentos e pesquisas de campo com observações sistemáticas e entrevistas. O narcotráfico e as milícias fundamentam um cálculo racional que influencia nas ações e no pensamento dos sujeitos que compõem os territórios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALEPA - ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO PARÁ (2015). Comissão Parlamentar de Inquérito: Comissão parlamentar de inquérito para a apuração de atuação de grupos de extermínio e milícias no Pará. Belém.

Couto, A. (2009). A geografia do crime na metrópole: da economia do narcotráfico à territorialização perversa em uma área de baixada de Belém. Belém. NAEA-UFPA, 2009 (Monografia de especialização).

Foucault, M. (2007). El poder psiquiátrico: curso en el Collège de France (1973-1974). Tradução de Horacio Pons. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica.

Foucault, M. (1999). Em defesa da sociedade Trad. Maria Galvão. São Paulo. Editora: Martins Fontes.

Foucault, M. (1998). História da sexualidade: a vontade de saber. Trad. Maria Thereza da costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Foucault, M. (1990). Las redes del poder. Extraído de Christian Ferrer (Comp.). O libertário de linguagem 1. Ele pensou anarquista contemporâneo. Montevidéu: Edição-comunidade editorial (pedra de coleção enciclopédia), 21-41.

Foucault, M. (1979). Microfísica do poder. Trad. Roberto Machado. Rio de Janeiro: edições Graal.

Foucault, M. (2008). Segurança, território, população. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins fontes.

Foucault, M. (1975). Vigiar e punir. Petrópolis: Gallimard.

Foucault, M. (2010). Vigiar e punir. Trad. Raquel Ramalhete. 38. ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Haesbaert, R. (1997). Des-territorialização e identidade: a rede “gaúcha” no nordeste. Rio de Janeiro: EDUFF.

Haesbaert, R. (2004). O mito da desterritorialização: do fim dos territórios à multiterritorialidade. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Mbembe, A. (2006). Necropolítica: sobre El gobierno privado indirecto. Melusina.

OAB (2017). Relatório da situação dos casos de extermínio e chacinas de jovens negros no estado do Pará. Belém. Disponível em: http://www.diarioonline.com.br/add/pdf/relatorio-dh-com-capa-chacinas-05-09-2017-17-14-06.pdf. Acesso em: 14 de Jan. 2017.

Sack, R. (1987). Human territory: its theory and history. Cambridge: Cambridge University.

Tinland, F. (2001). Interactions, réseaux, différenciation. In: Parrochia, Daniel. (Org.). Penser les réseaux. Seyssel: Éditions Champ Vallon.

Publicado
2020-09-10