Os problemas da cartografia dos riscos naturais. Contributos para a definição da susceptibilidade geomorfológica a partir da observação de vários movimentos de vertente ocorridos no norte de Portugal

  • Carlos Bateira Departamento de Geografia da Fac. Letras da Universidade do Porto
  • João Abreu Técnico superior da Câmara Municipal de Gaia
Palavras-chave: Movimento de vertente, risco natural, cartografia, Norte de Portugal.

Resumo

A produção de cartografia dos riscos naturais relativos a movimentos de vertente depende, em larga medida, do conhecimentos dos factores permanentes. O Inverno de 2000/2001 constitui uma referência importante na definição desses factores uma vez que em várias áreas do Norte de Portugal ocorreram vários tipos de movimentos de vertente, em condições geográficas muito diversificadas. O estudo desses movimentos permite alargar o conhecimento sobre as suas condições de ocorrência e, dessa forma, contribuir para a definição dos critérios de construção da cartografia da susceptibilidade geomorfológica. Quer optemos pela cartografia directa ou indirecta na zonação dos riscos naturais, consideramos que não é possível fazê-lo sem que os critérios que presidem à sua elaboração sejam definidos a partir do estudo das situações de crise ocorridas. Neste texto são apresentados vários movimentos de vertente no norte de Portugal e são analisados os factores geográficos responsáveis pela sua ocorrência. Na apresentação que é feita dá-se importância aos aspectos que se relacionam com a intervenção humana e questiona-se o papel que a cartografia da susceptibilidade geomorfológica poderá ter no ordenamento e planeamento do território.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2003-09-13
Secção
Artigos