Mapeamento de risco em áreas urbanas densamente habitadas: o morro do Jaburuna (Vila Velha, ES, Brasil)

Palavras-chave: Ocupação urbana, movimento de massa, hierarquização de riscos

Resumo

O Morro do Jaburuna é um complexo rochoso densamente povoado, localizado no município de Vila Velha (Espirito Santo, Brasil). Devido à sua elevada declividade e à presença de blocos e depósitos de Tálus, as encostas possuem alta susceptibilidade a movimentos de massa. A metodologia adotada foi uma adaptação de metodologias já consagradas, visando facilitar a identificação de áreas suscetiveis ao risco pela população em geral. Este mapeamento subsidiou a setorização de áreas impróprias e resguardadas para ocupação urbana, possibilitando uma maior segurança para a população residente, além da elaboração do mapa de eventos já ocorridos. A hierarquização do risco se fez necessária para a priorização de ações de redução, prevenção e resposta ao risco pelos agentes públicos e pela sociedade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Acosta, V. G. (2011). El riesgo como construcción social y la construcción social de riesgos . Desacatos, núm. 19, septiembre-diciembre 2005, 11-24.

Augusto Filho, O. (2001). Carta de risco de escorregamentos quantificada em ambiente de SIG como subsídio para planos de seguro em áreas urbanas: um ensaio em Caraguatatuba (SP) (Doutorado em Geociências e Meio Ambiente). Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 196f.

Augusto Filho, O. (1992). Caracterização geológica-geoténica voltada à estabilização de encostas: uma proposta metodológica. In: Confererência Brasileira sobre estabilidade em encostas, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ABMS/ ABGE/ PCRJ, 721-33.

Beck, U. (2011). Sociedade de Risco: rumo a uma outra modernidade. São Paulo, Ed. 34.

Birkmann, J. (2007). Risk and Vulnerability indicators at different scales: Applicability, usefulness and policy implications. Environmental Hazards, v. 7, n.º 1, 20–31.

Carvalho, C. S. (1996). Gerenciamento de riscos geotécnicos em encostas urbanas: uma proposta baseada na análise de decisão (Tese Doutorado em Engenharia de Solos). Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, 192f.

Cardona, O. D. (1993). Evaluación de la amenaza, la vulnerabilidad y el riesgo: elementos para el ordenamiento y la planeación del desarrollo. In: Maskrey, A. (Org.) Los desastres no son naturales. Bogotá: La Red, 1993.

CPRM - Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (2015). Relatório geológico do estado Espírito Santo. Serviço geológico do Brasil (CPRM). Disponível em: http://www.cprm.gov.br/publique/media/rel_espirito_santo.pdf

CPRM - Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (2016). Carta de suscetibilidade a movimentos gravitacionais de massa e inundações do Município de Vila Velha. Serviço Geologico do Brasil (CPRM). Disponível em: http://rigeo.cprm.gov.br/xmlui/bitstream/handle/doc/14903/CS-VilaVelha.pdf?sequence=3

Da Silva Rosa, T. C., Mendonca, M. B., Sebastiao Jr., A. A., Sathler, M. A., Souza, R. M., Monteiro, T. G., Costa, M. C. O., Simplicio, M. A. R., Reginensi, C., Angelo, M. de, Angelo, V. (2018). Peripheral urban territories, disasters and extreme events: the case of Morro do Boa Vista (Vila Velha, Espírito Santo, Brazil). In: Walter Leal Filho, Leonardo Esteves de Freitas. (Org.). Climate Change Adaptation in Latin America: Managing Vulnerability, Fostering Resilience (Climate Change Management). 1ed.: Springer, 2018, v. 1, 267-280.

Douglas, M. e Wildavsky, A. (2012). Risco e Cultura: um ensaio sobre a seleção de riscos tecnológicos e ambientais. Rio de Janeiro, Elsevier.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2010). Dados socioeconômicos do município de Vila Velha. Censo demográfico de 2010. Ministério das cidades, Brasil. Disponível em: http://cod.ibge.gov.br/5CN

INCAPER (2016). Instituto Capixaba de Pesquisa, Assistência Técnica e Extensão Rural. Disponível em:

https://incaper.es.gov.br/

Infanti, N., Fornasari Filho, N. (1988). Processos da dinâmica superficial. In: Brito, S. N. A., Oliveira, A. M. S (Editores). Geologia de Engenharia. São Paulo: ABGE. Cap. 9, 132-152.

Junior, F. (2012). Mapeamento geomorfológico do estado do Espírito Santo. Revista do IJSN (Instituto Jones dos Santos Neves). Estado do Espírito Santo. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Fernando_Teubner_Junior/publication/240097485_Mapeamento_Geomorfologico_do_Estado_do_Espirito_Santo/links/00b4951c4651ff0021000000/Mapeamento-Geomorfologico-do-Estado-do-Espirito-Santo.pdf

Lavell, A. (2000a). Desastres durante una década: lecciones y avances conceptuales y prácticos em América Latina (1990-1999), 32 p.

Origge, J. e Oliveira, J. (2016). Mapeamento e análise de risco em Vila Velha: o caso do Morro do Moreno (ES- Brasil). III Congresso latino-americano de análise de risco.

Pinotti, A. e Carneiro, C. (2013). Geologia Estrutural na previsão e contenção de queda de blocos em encostas: aplicação no Granito Santos, SP. Revista Terraedidatica, Instituto de geociências, Universidade estadual de Campinas, 132-168. Disponível em: https://www.ige.unicamp.br/terraedidatica/v9_2/PDF92/Td93-Celso.pdf

Prefeitura De Vila Velha (2015). Perfil socioeconômico de Vila Velha. Disponível em: http://www.vilavelha.es.gov.br/midia/paginas/Perfil%20socio%20economico%20R2.pdf

Ross, J. (1994). Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizado. Laboratório de geomorfologia – Departamento de geografia, USP, São Paulo, 63-74.

Sporl, C. e Ross, J. (2004). Análise comparativa da fragilidade ambiental com aplicação de três modelo. Espaço e Tempo, GEO-USP, São Paulo, n.º 15, 39-49.

Tominaga, L. K. (2007). Avaliação de metodologias de análise de risco a escorregamentos: aplicação de um ensaio em Ubatuba, São Paulo. Universidade São Paulo, USP. Disponível em: http://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8135/tde-18102007-155204/pt-br

Tominaga, L. K. e Santoro, J. (2015). Desastres Naturais: Conhecer para prevenir. São Paulo, Instituto geológico. (3ª edição, revista).

Tricart, J. (1977). Ecodinâmica, Fundação do instituto brasileiro de geografia e estatística, IBGE, Rio de Janeiro.

Valencio, N. (2009) De área de risco ao abrigo temporário: uma análise dos conflitos subjacentes a uma territorialidade precária. In Valencio, N., Siena, M., Marchezini, V., Gonçalves, J. C. Sociologia dos Desastres: Construção, interfaces e perspectivas no Brasil. São Carlos: RiMa Editora.

Publicado
2020-01-22