Evolução da participação social na legislação brasileira sobre gestão de riscos ambientais

Palavras-chave: Participação social, gestão de risco, legislação brasileira

Resumo

A legislação brasileira vem passando por modificações ao longo da história, assim como o Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil - SINPDEC. A Constituição Federal de 1988 é um marco da redemocratização do país e de fomento à participação social na gestão pública. Buscou-se analisar no presente estudo como a sociedade vem sendo inserida no SINPDEC, e em especial as formas de participação na fase da prevenção de riscos ambientais. Foram selecionadas para análise cinco Leis relacionadas ao referido Sistema, promulgadas nos anos de 1988, 1993, 2005, 2010 e 2012. Utilizou-se quatro categorias de análise: 1) formas de inserção da sociedade civil no sistema em instâncias deliberativas; 2) mobilização comunitária; 3) difusão da educação preventiva no ambiente escolar; e 4) capacitação de recursos humanos. Dentre as categorias estudadas, a difusão da educação preventiva no ambiente escolar alcançou grande avanço na legislação. Contudo, com as reformas políticas atuais há ameaça de retrocesso nesta área. No geral, observaram-se vários avanços e alguns recuos ao longo das últimas décadas, mas essas leis buscam acompanhar as tendências internacionais, especialmente os Marcos de Ação de Sendai e Hyogo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Arraes, N. M. (2002). Desenvolvimento Sustentável e a participação popular nos processos de agenda 21 local brasileiros (Tese Doutorado Engenharia Civil). Faculdade de Engenharia Civil, Unicamp, Campinas.

BRASIL (2012). Lei n.º 12.608, de 10 de abril de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção e Defesa Civil - PNPDEC; dispõe sobre o Sistema Nacional de Proteção e Defesa Civil - SINPDEC e o Conselho Nacional de Proteção e Defesa Civil - CONPDEC; autoriza a criação de sistema de informações e monitoramento de desastres. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12608.htm. Acesso em: 10/04/2013.

BRASIL (2010). Decreto n.º 7.257, de 4 de agosto de 2010. Regulamenta a Medida Provisória no 494 de 2 de julho de 2010, para dispor sobre o Sistema Nacional de Defesa Civil - SINDEC. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/Decreto/D7257.htm. Acesso em 10/04/2013.

BRASIL (2005). Decreto n.º 5.376, de 17 de fevereiro de 2005. Dispõe sobre o Sistema Nacional de Defesa Civil - SINDEC e o Conselho Nacional de Defesa Civil, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/Decreto/D5376.htm. Acesso em 10/04/2013.

BRASIL (1999). Lei n.º 9.795, de 27 de abril de 1999. Institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em 23/11/2012.

BRASIL (1997). Lei n.º 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9433.htm. Acesso em 22/06/2012.

BRASIL (1993). Decreto n.º 895, de 16 de agosto de 1993. Dispõe sobre a organização do Sistema Nacional de Defesa Civil (Sindec), e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D0895.htm. Acesso em: 10/04/2013.

BRASIL (1988). Decreto n.º 97.274, de 16 de dezembro de 1988. Dispõe sobre a organização do Sistema Nacional da Defesa Civil – SINDEC e dá outras providêncas. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/D97274.htm. Acesso em: 10/04/2013.

Casazza, E. da F. (2012). Contribuição das análises de percepção ambiental à formulação e implementação de instrumentos de gestão ambiental pública (Dissertação Mestrado em Ciência Ambiental). Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental, Universidade de São Paulo.

Cornwall, A. e Coelho, V. S. (Orgs.). Novos espaços democráticos: perspectivas internacionais. São Paulo: Editora Singular, 2009.

Demo, P. (1993). Desafios Modernos da Educação. Rio de Janeiro: Editora Vozes.

Furlan, S. Â. (2000). Lugar e cidadania: implicações socioambientais das políticas de conservação ambiental – situação do Parque Estadual de Ilhabela na ilha de São Sebastião-SP (Tese de Doutoramento em Geografia). São Palo, USP/FFLCH, 469 p.

Houaiss, A. e Vilar, M. de S. (2004). Minidicionário Houiss da língua portuguesa. 2ª.edição. Rio de Janeiro: Objetiva, 907 p.

Natenzon, C. (2002.) Vulnerabilidade, incertitumbre y planificación participativa de desastres: El caso de las inundaciones catastróficas em Argentina. In: Porto, M.F.S. e Freitas, C.M. (Orgs) Problemas ambentais e vulnerabilidade: abordagens integradoras para o campo da saúde pública. CESTEH/ENSP/FIOCRUZ, Rio de Janeiro, 57-78.

Nucci, J. C. (1998). Metodologia para determinação da qualidade ambiental urbana. Revista do Departamento de Geografia (USP), São Paulo, v. 10, n.º 12, 209-224.

Santos, Rozely Ferreira dos (2004). Planejamento ambiental: teoria e prática. São Paulo, Editora Oficina dos textos, 183 p.

Scarabello Filho, S. e Santos, R. F. dos (2011). Participação pública e planejamento ambiental: proposta de um modelo para organização do diálogo. In: Revista Interciência e Sociedade. v.1, n.º 1 (2011). – Mogi Guaçu: Faculdade Municipal Professor Franco Montoro, 103-111.

Silva, J. A. da (2008). Princípios Constitucionais Fundamentais. In: Cadernos Adenauer IX (2008), no 1, 20 anos da Constituição Cidadã. Rio de Janeiro: Fundação Konrad Adenauer, 9-19.

Teixeira, E. C. (1997). As dimensões da participação cidadã. CADERNO CRH, Salvador, n. 26/27, jan./dez, 179-209.

UNITED NATIONS ENVIRONMENT PROGRAMME – UNEP (2006). Environmental Impact Asessment Training Resource Manual. 2006. Disponível em: www.ea.gov.au/assessments/eianet/unepmanual/manual/index/html. Acesso em 10/08/2013.

UNITED NATIONS OFFICE FOR DISASTER RISK REDUCTION – UNISDR (2009). Terminology on disaster risk reduction. Agency Secretariat of the International Strategy for Disaster Reduction (UN/ISDR). Geneve. S. May. 2009.

UNITED NATIONS OFFICE FOR DISASTER RISK REDUCTION – UNISDR (2007). Towards a culture of prevention: disaster risk reducton begins at school – good practices and lessons learned. Agency Secretariat of the International Strategy for Disaster Reduction (UN/ISDR). Geneve. S. 2007.

UNITED NATIONS OFFICE FOR DISASTER RISK REDUCTION – UNISDR (2004). Terminology: Basic terms of disaster risk reduction. Disponível em: http://www.unisdr.org/2004/wcdr-dialogue/terminology.htm. Consulta efetuada em 20 de março de 2017.

Valaski, S. (2013). Estrutura e dinâmica da paisagem: subsídios para a participação popular no desenvolvimento urbano do município de Curitiba-PR (Tese de Doutoramento em Geografia). Curitiba, UFPR, 2013, 148 p.

Publicado
2020-01-22