O abuso sexual de crianças e adolescentes: considerações sobre o fenômeno

Palavras-chave: Criança, adolescente, abuso sexual, escola, proteção

Resumo

A história da criança e do adolescente no Brasil é caracterizada pela violência em suas múltiplas manifestações. Entre estas, estão a negligência, a institucionalização, o abandono, a exploração no trabalho, fome, abuso e exploração sexual. Como perceber os sinais de que uma criança e/ou adolescente estão sendo vítimas de violência? Este trabalho tem dois objetivos: analisar o fenômeno da violação de direitos no que diz respeito ao abuso e à exploração sexual da criança e do adolescente, tendo em consideração o avanço das politicas publicas para o enfrentamento do abuso sexual; dar alguns subsídios para a comunidade escolar identificar o fenômeno e nele intervir para garantir a proteção da criança e do adolescente. A pesquisa de campo analisou três depoimentos de mulheres que foram vítimas de abuso sexual na infância, procurando analisar se houve alguma intervenção de âmbito social, bem como o papel da escola e da família. A metodologia utilizada foi qualitativa, com propósito de ilustrar o fenômeno à luz da perspectiva psicológica e histórica-social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRAPIA – ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA MULTIPROFISSIONAL DE PROTEÇÃO A INFÂNCIA E À ADOLESCÊNCIA (2002). Abuso sexual – mitos e realidade.

Petrópolis: Autores & Agentes & Associados, 3ª Ed., Abrapia. [Acesso em 11/2017].

Abreu, S. E. D. (2010). A criança em acolhimento instiyuicional e o direito humano à Educação Infantil: sob teias do abandono. Universidade Federal da Paraiba. 256 p. Disponível: http://tede.biblioteca.ufpb.br/bitstream/tede/4603/1/arquivototal.pdf [acesso em 11/2017].

Arantes, E. (2004). Politicas públicas educativas. In: Pizá, G., Ferrarese, G. (org). A violência silenciosa do incesto. Impressa Oficial de São Paulo, São Paulo, 182-190.

Barbosa, G. F. (2004). O segredo de família. In: Pizá, Graça. Ferrarese, Gabriella (org). A violência silenciosa do incesto. Impressa Oficial de São Paulo, São Paulo, 57-65.

Brasil (1999). Constituição da Republica Federativa do Brasil. 21º ed. Saraiva, São Paulo.

Brasil (2004). Guia Escolar: Rede de proteção à Infância; Secretaria Especial dos Diretos Humanos e Ministério da Educação.

Brasil (2006). Plano Nacional de Enfrentamento da Violência Infanto-Juvenil. Zelo Editorial, Brasília.

Brasília (1997a). Fundamentos e políticas contra a exploração e abuso sexual de crianças e adolescentes: Relatório de Estudo MJ/CECRIA.

Brasília (1997b). Violência contra a criança e o adolescente - Proposta Preliminar de Prevenção e Assistência à Violência Doméstica. Disponível: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/0220violencia.pdf. [acesso em 11/2017].

Brasília (2007). Violência contra crianças e adolescentes: Proposta preliminar de prevenção e assistência à violência domestica. Brasília: Ministério da Saúde, SASA.

Camargo, J. B. S (1997). Caracterização do conflito conjugal das requisitantes do Centro Jurídico Social da Unesp. 120 f. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Faculdade de História, Direito e Serviço Social, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Franca.

Casoy, I. (2004). Serial killers made in Brasil. Arx, São Paulo, 360 p.

Engels, F. (2010). A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. Boitempo Editorial, São Paulo, 328 p.

Estatuto da Criança e do Adolescente (2012). Paulus, São Paulo.

Faleros, V. P. (2009). Infância e processo político no Brasil. In Rizzini, Irene. Pilotti, F. (org). A arte de governar crianças. Cortez, São Paulo, 10-90.

Ferrari, D. C. A. (2002). Visão histórica da Infância e a questão da violência. In: Ferrari, D. Chaves de Almeida. Vecina, T. (org). O fim do silencio na violência familiar. Ágara, São Paulo, 23-27.

Ferreira, J. M. C. (2007). Globalização, marginalidade social e violência juvenil nos contextos urbanos. In Saeta, B. R .P., Souza Neto, J. Clemente de; Nascimento, M. L. B. P: Infância: Violência, Instituições e Politicas Publicas.: Expressão e Arte, São Paulo, 17-42.

Ferreira, S. B. H. (2010). Mini Aurelio Dicionario da Língua Portuguesa. Editora Positivo, Curitiba, 960 p.

Freud, S. (1999). Totem e Tabu. Imago, Rio de Janeiro, 160 p.

Gabel, M. (org) (1997). Crianças vítimas de abuso sexual. Summus, São Paulo, 252 p.

Garcia, M. R. C. (2002). Teorias e técnicas do atendimento social em casos de violência intrafamiliar na infância e na adolescência. In: Ferrari, Dalka Chaves de Almeida. Vecina, Tereza (org). O fim do silencio na violência familiar. Ágara, São Paulo, 143-150.

Lamour, M. (1997). Os abusos sexuais em crianças pequenas: sedução, culpa, segredo. In: Gabel, M. Crianças vítimas de abuso sexual. Summus, São Paulo, 43-50.

Mattos, G. O. (2002). Abuso sexual em crianças pequenas: peculiaridades e dilemas no diagnostico e no tratamento. In: Ferrari, D. Chaves de Almeida, Vecina, T. (org). O fim do silencio na violência familiar. Ágara, São Paulo, 174-176.

Moreira, M. I. C., Souza, S. M. G. (2012). Violência intrafamiliar contra crianças e adolescentes: do espaço privado à cena pública. Disponivel em: http://osocialemquestao.ser.puc-rio.br/media/2artigo.pdf [acesso em: 03/2014].

Nathan, T. (1997). Há algo de podre no reino de Édipo. In: Gabel, M. (Org). Crianças vítimas de abuso sexual. Summus, São Paulo, 15-28.

Oliveira, H. (2002). A Violência doméstica contra a criança. In: Westphal, M. Faria (Org). Violência e Criança. Editora da Universidade de São Paulo, São Paulo, 60-100.

Pérard, D., Zorman, M., B. B. (1997). Da importância dos abusos sexuais na França. In: Gabel, M. (Org). Crianças vítimas de abuso sexual. Summus, São Paulo, 29-43.

Petry, J. F. (2008). A escuta da criança vitima de abuso sexual intrafamiliar na perspectiva de profissionais da área da saúde e operadores de direito. Disponível: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-11682009000300005 [acesso em: 03/2014].

Portelli, A. (1997). O que faz a história oral diferente. Disponível: https://moodle.ufsc.br/pluginfile.php/819741/mod_resource/content/1/PORTELLI,%20Alessandro%20%E2%80%93%20O%20que%20faz%20a%20hist%C3%B3ria%20oral%20diferente.pdf. [acesso em : 01/2018].

Prattein (2015) – Educação e Desenvolvimento Social. Conhecer para transformar Orientações para diagnóstico e aprimoramento dos fluxos operacionais de enfrentamento das violências sexuais contra crianças e adolescente. Disponível: http://prattein.com.br/home/images/stories/GUIA_FLUXOS-VS.pdf [acesso em 03/2017].

Rizzini, I., Pilotti, F. (2009) A arte de governar crianças. Cortez, São Paulo, 366 p.

Rocha, T. (2004). Da violência à denuncia: a violência sexual e os recursos médicos-assistenciais. In: Pizá, G., Ferrarese, G. (org). A violência silenciosa do incesto. Impressa Oficial de São Paulo, São Paulo, 92-104.

Scodelario, A. (2002) A família abusiva. In: Ferrari, D. Chaves de Almeida. Vecina, T. (org). O fim do silencio na violência familiar. Ágara, São Paulo, 95-100.

Souza Neto, J. C. (1993). Do menor a cidadão: filantropia, genocídio, políticas assistenciais. Nuestra América, São Paulo, 215 p.

Souza Neto, J. C. (2002). Crianças e adolescentes abandonados, estratégias de sobrevivência. Expressão & Arte, São Paulo, 191 p.

Souza Neto, J. C. (2011). A trajetória do menor a cidadão: filantropia, genocídio, políticas assistenciais. Expressão & Arte, São Paulo, 216 p.

Souza Neto, J. C. e Azevedo, C. (2017). Narrativas de práticas de mediação e construção do sujeito. Expressão & Arte, São Paulo, 200 p.

Thouvenin, C. (1997). A palavra da criança: do intimo ao social. In: Gabel, M. (org). Crianças vítimas de abuso sexual. Summus, São Paulo, 91-100.

Tomkiewicz, S. (2007) Violência e abusos sexuais em instituições para crianças e adolescentes. In: Gabel, M. (org). Crianças vítimas de abuso sexual. Summus, São Paulo, 82-90.

Vollet, M. R. (2012). O saber e o não revelar da violência sexual domestica infantil na dinâmica do profissional escolar. Universidade Estadual Paulista. 257 p. Disponível: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/106139/vollet_mr_dr_arafcl.pdf?sequence=1 [acesso em:11/2017].

Vieira, M. P., Peixoto, M. R., e Khoury, Y. A. (2010). A Pesquisa em História. Ática, São Paulo, 158 p.

Villela, F. (2016). Agencia Brasil. http://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2016-05/denuncias-de-violencia-sexual-chegam-quase-50-por-dia [acesso em: 10/2017].

Publicado
2020-01-22