Desastre socioambiental e ordenamento territorial no bairro Mãe Luíza, Natal – Rio Grande do Norte (RN), Brasil

Palavras-chave: Riscos, desastre, ordenamento territorial, Mãe Luíza, Natal-RN

Resumo

O desastre ocorrido em junho de 2014, no bairro Mãe Luíza em Natal - Rio Grande do Norte (RN), Brasil, trouxe perdas materiais de grande monta, à população e ao poder público local. O desastre foi ocasionado por um movimento de massa, caracterizado como corrida de lama e detritos, que provocou o desabamento de 30 residências e prejuízos econômicos para 78 famílias residentes no local. O objetivo deste trabalho consiste em relacionar este desastre com o ordenamento e planejamento territorial do município, evidenciando problemas, ausências e negligências, desta temática territorial e geográfica, na composição do desastre (antes, durante e depois do evento). A metodologia se deu com investigação de documentos e pesquisa bibliográfica em arquivos referentes ao desastre e ao ordenamento territorial municipal. Foi verificado que houve negligência e problemas relacionados ao planejamento e ordenamento territorial na produção desse desastre.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

lmeida, L. Q. de (2010). Vulnerabilidades Socioambientais de Rios Urbanos: Bacia Hidrográfica do Rio Maranguapinho, Região Metropolitana de Fortaleza, Ceará (Tese de Doutorado). Departamento de Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 278 p.

Azevedo, P. G. (2010). Vulnerabilidades Socioambientais na Zona de Proteção Ambiental - 9 Natal/RN. (Mestrado em Geografia). Curso de Geografia, Departamento de Pós-graduação e Pesquisa em Geografia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 120 p.

Beck, U. (1992). Risk Society. Towards A New Modernity. Londres: Sage Publications.

Blaikie, P., Cannon, T., Davis, I., and Wisner, B. (1994). At risk: natural hazard, people’s, vulnerability, and disasters. London: Routledge.

BRASIL (1988). Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, DF: Senado Federal, 292 p.

Castro, C. M. de, Peixoto, M. N. de O., Rio, G. A. P. do. (2005). Riscos Ambientais e Geografia: Conceituações Abordagens e Escalas. Anuário do Instituto de Geociências - UFRJ. Rio de Janeiro, v. 28, n.º 2, 11-30.

CPRM - SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL (2014). Ação Emergencial para Análise de Risco Remanescente na Comunidade Mãe Luíza, Natal – RN.

Recife: CPRM – Serviço Geológico do Brasil. Projeto Ação emergencial para delimitação de áreas em alto e muito risco a enchentes.

CONSELHO DA EUROPA (1988). Carta Europeia do Ordenamento do Território. Lisboa: Ministério do Planejamento e da Administração do Território, 1988.

Cutter, S. L. (1996). Vulnerability to environmental hazard. Progress in Human Geography. v. 20, n.º 4, 529-539.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. (2015). Censo Demográfico 2010 - Natal. Rio De Janeiro.

DNV MANAGE RISK (2011). Risk - A Word From Ancient Greece: Em Debater e Analisar O Aspecto do Risco, Você Já Se Perguntou A Origem do Termo “Risco”? Disponível em: http://www.dnv.com/focus/risk_management/more_information/risk_origin/

Lima, P. H. G. (2017). Urbanização e Desastre: estudo de caso do movimento de massa ocorrido no bairro e Mãe Luíza, Natal/RN, em 2014 (Monografia de Graduação em Geografia). UFRN, Natal, 101 p.

Macedo, Y. M. (2015). Vulnerabilidade socioambiental no Bairro Mãe Luíza, Natal - RN/ Brasil (Dissertação de Mestrado em Geografia). UFRN, Natal, 175 p.

Marandola, J. E., Hogan, D. J. (2004). Vulnerabilidades e Riscos: Entre Geografia E Demografia. XIV Encontro Nacional de Estudos Populacionais da Abep, Caxambu. 2004.

NATAL. ACQUATOOL CONSULTORIA. PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL (org.) (2008). Plano Municipal de Redução de Risco do Município de Natal. Natal: SEMURB, 1,2 e 3 v.

NATAL. ACQUATOOL CONSULTORIA. PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL (org.) (2007). Plano Diretor de Natal. Lei Complementar n° 082, de 21 de junho de 2007. Disponível em: http://www.natal.rn.gov.br/_anexos/publicacao/dom/dom_20070623_especial.pdf

NATAL (1995). Lei 4.663 de 31 de julho de 1995. Dispões sobre o uso do solo, limites e prescrições urbanísticas da Área Especial de Interesse Social (AEIS), no bairro de Mãe Luíza no município de Natal. Instrumento do Ordenamento Urbano de Natal. SEMURB, 39-42.

Oliveira, F. P. (2002). Direito do Ordenamento do Território, Cadernos CEDOUA. Coimbra: Almedina.

RIO GRANDE DO NORTE. MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL - MPE (2016). Ação Civil Pública Preliminar: O desastre sobre os bairros Areia Preta e Mãe Luíza, Natal/RN, em 2014. Natal.

Rückert, A. A. (2004). Reforma do Estado, reestruturações territoriais, desenvolvimento e novas territorialidades. Anais. Canoas: I Seminário Nacional sobre Múltiplas Territorialidades, 148-183.

Santos, M. (2000). Território e sociedade: Entrevista com Milton Santos. São Paulo: Fundação Perseu Abram.

Smith, K. (2001). Environmental hazards: assessing risk and reducing disaster. 3a. ed. London: Routledge, 392 p.

Veyret, Y. (2007). Os riscos: o homem como agressor e vítima do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 320 p.

Publicado
2020-01-22