Encruzilhada 2017 – no arremate dos incêndios - dinâmicas e políticas

Palavras-chave: Políticas, dinâmica, gestão, prevenção, combate,, fogo,, incêndios,, organizações,, transformação,, sistema,, cooperação,, integração.

Resumo

A política de incêndios seguida em Portugal reflete a tendência da evolução da área ardida nos últimos 50 anos, com o crescente poder devastador dos incêndios, demasiadas vezes associados à perda de vidas humanas e a prejuízos socio-económico-ambientais incalculáveis.
Na década de 80 do século XX foi iniciado o ciclo de reforço dos meios de extinção aos incêndios florestais em detrimento da sua prevenção. A Lei de Bases da Política Florestal publicada em 1996 veio dar um sinal de reorientação das políticas, porém o pendor de reforço do combate manteve-se.
Na resposta de emergência aos grandes incêndios ocorridos em 2003, o período 2004 a 2008 constituiu uma “bolha” experimental da “economia da prevenção”, mas o peso do paradigma de reforço da proteção civil não contrariou o contexto de abandono agrário e ignorou a acumulação de elevadas cargas de combustível na paisagem.
O ano fatídico de 2017 abre espaço para uma nova possibilidade de desenvolvimento harmonioso dos espaços rurais, com a integração inteligente das atividades e potencialidades existentes nos territórios. A administração do Estado deve evoluir contrariando a tendência da repetição de rotinas. A resistência à mudança é natural, mas é preciso encarar com seriedade a necessária transformação das entidades responsáveis pelo Sistema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bauman, Z. (2001). Modernidade Líquida. Tradução Plínio Dentzien. Jorge Zahar (Ed.), Rio de Janeiro.

Beighley, M., Quesinberry, M. (2005). Projeto de Cooperação Técnica em Incêndios Florestais EUA /Portugal, in: Prevenção, Detecção e Combate de Fogos Florestais, Fundação Luso Americana para o Desenvolvimento (Ed.), 187-208.

Collins, R. D., de Neufville, R., Claro, J., Oliveira, T., Pacheco, A. P. (2013). Forest fire management to avoid unintended consequences: a case study of Portugal using system dynamics, in: Journal of Environmental Management, 130, Elsevier, 1-9.

FAO - FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS (1999). Report of Meeting on Public Policies Affecting Forest Fires, 14th session, Rome, Italy, 28–30 October 1998, Part 1.

ISA - INSTITUTO SUPERIOR DE AGRONOMIA (2005). Proposta técnica para o plano nacional de defesa da floresta contra incêndios – relatório final. Instituto Superior de Agronomia, Lisboa.

Lourenço, L. (2006). Relatório de atividades 2004 -2006. Um legado para o futuro. Agência para a Prevenção dos Incêndios Florestais, Miranda do Corvo.

Lourenço, L. (Coord) (2005). Plano nacional de defesa da floresta contra incêndios. Agência para a Prevenção de Incêndios Florestais, Miranda do Corvo.

Louro, V. (2016). A Floresta em Portugal - Um apelo à inquietação cívica. Gradiva (Ed.), Lisboa.

Mateus, P. (2015). Incêndios Florestais em Portugal: dinâmicas e políticas (Dissertação de Mestrado em Engenharia Florestal). UTAD, Vila Real.

Mateus, P., Fernandes, P. (2014). Forest fires in Portugal: dynamics, causes and policies (Chapter4), in: F. Reboredo (Ed.), Forest Context and Policies in Portugal: Present and Future Challenges, Springer, Switzerland, 97–115.

Montiel-Molina, C. (2013). Comparative assessment of wildland fire legislation and policies in the European Union: Towards a Fire Framework Directive, in: Forest Policy and Economics, 29, Elsevier, 1-6.

Rego, J. (2018). No centro do poder: Governo e Administração Pública em Portugal. Col. Retratos da Fundação. Fundação Francisco Manuel dos Santos, 34 p.

Rosa, T. (2016). Gestão Pública de Instrumentos de Politica, in: Agricultura, Floresta e desenvolvimento Rural, IESE-Instituto de estudos Sociais e Económicos (Ed.), Lisboa, 185-189.

Publicado
2018-11-14