AS VAGAS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS DE 2017 EM PORTUGAL CONTINENTAL, PREMISSAS DE UMA QUARTA ‘GERAÇÃO’?

Resumo

A evolução dos incêndios em Portugal continental, ao longo dos últimos cinquenta anos, não tem sido constante, o que permite, combinando diferentes parâmetros estatísticos, estabelecer diferentes “gerações” de incêndios. Do cruzamento dos elementos analisados resultaram quatro gerações de incêndios. O fator mais importante para a definição dessas gerações foi, sem dúvida, o da área do maior incêndio registado em cada ano. Considerou-se um intervalo de 10 mil hectares, para separar as diferentes gerações de incêndios, e obtiveram-se quatro gerações. Na última classe teve de ser usado o dobro desse valor, dadas as circunstâncias anormais registadas em 2017, ano que marcou o início da quarta geração de incêndios de Portugal.

  • Resumo visualizado = 64 vezes
  • PDF visualizado = 63 vezes

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-12-20
Como Citar
FÉLIX, Fernando; LOURENÇO, Luciano. AS VAGAS DE INCÊNDIOS FLORESTAIS DE 2017 EM PORTUGAL CONTINENTAL, PREMISSAS DE UMA QUARTA ‘GERAÇÃO’?. Territorium, [S.l.], n. 26(II), p. 35-48, dez. 2018. ISSN 1647-7723. Disponível em: <https://impactum-journals.uc.pt/territorium/article/view/6036>. Acesso em: 19 set. 2019.