Riscos e cultura de segurança em proteção civil

  • Lídio Manuel Coelho de Neto Lopes Gabinete de Segurança da Misericórdia de Lisboa
  • António Duarte Amaro Universidade Nova de Lisboa, Faculdade de Direito https://orcid.org/0000-0002-6677-4637
Palavras-chave: Risco, cultura de segurança, proteção civil, catástrofe

Resumo

O propósito deste trabalho é vincar o conceito de cultura de segurança, no sentido de que, cada um de nós é um agente de proteção civil, o primeiro agente e que, quanto mais preparado estiver, com maior sensibilização e formação, melhor reage, até na relação com os Agentes de Proteção Civil e maior probabilidade tem de sobreviver aos acidentes. Num qualquer acidente, a qualquer hora ou em qualquer lugar, cada um de nós está sozinho e vai estar tanto mais tempo, quanto maior for o acidente. Não tem ao pé de si um bombeiro, um polícia, um médico, por isso, importa a competência, ou melhor, saber agir, querer agir e poder agir, condição fundamental para que se conheça o fenómeno, se saiba qual o seu comportamento e quais as suas consequências e que cada um de nós se comporte de acordo com a situação, antes durante e depois da sua ocorrência. Enfim, que resiliência não seja um termo, antes um conceito que integra a definição maior de Cultura de Segurança.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Amaro, A. D. (2012). O socorro em Portugal. Instituto de Direito Público.

Amaro, A. D. (2012). Segurança e socorro: Novo paradigma, Revista Territorium n.º 19, 15-21, Minerva, Coimbra. Disponível em: https://impactum-journals.uc.pt/territorium/article/view/3068/2324.

ANPC – AUTORIDADE NACIONAL DE PROTEÇÃO CIVIL (2009). Guia para a caraterização de risco no âmbito da elaboração de planos de emergência de proteção civil. Cadernos técnicos Prociv n.º 9. Carnaxide, Portugal.

Beck, U. (1997). A reinvenção da política: rumo a uma teoria da modernização reflexiva. In: Beck,U., Giddens, A., Lash, S. (orgs). Modernização reflexiva. São Paulo: Editora da Unesp, cap. 1, 11-68.

Beck, U. (1986). La sociedad del riesgo: hacia una nueva modernidade. Barcelona: Paidós.

Beck, U., Giddens, A., Lash, S. (1997). Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna, tradução de Magda Lopes. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista.

Calvo, G.-T. (2001). Francisco. Sociedades y territorios en riesgo. Barcelona: Ediciones del Serbal.

Giddens, A. (1991). As consequências da Modernidade. São Paulo: Ed. Unesp.

Giddens, A. (2002). Modernidade e Identidade. Rio de Janeiro: Zahar Ed..

Giddens, A. (2003). Mundo em descontrole: o que a globalização está fazendo de nós. Rio de Janeiro. 6ª ed., Ed. Record.

Guldenmund, F. W. (2000). The nature of safety culture: a review of theory and research. Safety Science n.º 34, 215 -257. Holanda. Delft University of technology.

Holdeman, E., (2015). Crosscut, Public Safety. Disponível em: http://crosscut.com/2015/08/what-would-kickstart-northwests-earthquake-preparations/ (consultado em 28 de agosto de 2015).

Hudson, P. T. W. (2001). Safety Management and Safety Culture: The Long, Hard and Winding Road.

Ketele, J. e Roegiers, X. (1999). Metodologia da recolha de dados. Lisboa: Piaget.

Laraia, R. de B. (1986). Cultura: um conceito antropológico. Zahar. Rio de Janeiro.

Laranjeira, J. (1987). A proteção Civil e a Defesa Nacional. Curso de Defesa Nacional.

Lopes, G. (2013). Plano Nacional de Emergência de Proteção Civil, site Segurança e Ciências Forenses. Disponível em: http://segurancaecienciasforenses.com/2013/02/14/plano-nacional-de-emergencia-de-protecao-civil/

Lopes, L. (2015). Cultura de Segurança em Proteção Civil. Cada um, um Agente de Protecção Civil. Dissertação com vista à obtenção do grau de Mestre em Direito e Segurança, apresentada à Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa. Disponível em: https://run.unl.pt/bitstream/10362/16254/1/Lopes_2015.pdf

Lourenço, L. (2004). Riscos naturais e proteção do ambiente, Colecção Estudos 44, Colectâneas Cindínicas I, Edição conjunta: NICIF e FLUC, Coimbra. Disponível em: https://www.uc.pt/fluc/nicif/Publicacoes/Colectaneas_Cindinicas/Coletanea_Cindinica_I

Lourenço, L., Nunes, A., Bento-Gonçalves, A., Vieira, A. e Amaro, A. (2003). Fernando Rebelo, pioneiro e grande impulsionador do estudo dos riscos em Portugal. Revista Territorium n.º 20, Minerva, Coimbra. Disponível em: https://impactum-journals.uc.pt/territorium/article/view/3064/2320

Malhotra, N. (2004). Pesquisa de Marketing - uma orientação aplicada. São Paulo, Bookman – ARTMED.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO – DIREÇÃO GERAL DE INOVAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO CURRICULAR (2007.) Manual do módulo “Cidadania e Segurança”. Disponível em: http://www.dge.mec.pt/sites/default/files/ficheiros/cidadaniaeseguranca.pdf

November, V. (2002). Les Territoires du risque: le risque comme objet de refléxion géographique. Berna: Lang.

November, V. (2004). Being close to risck. From proximity to connexity. Int. J. Sustainable Development, Vol. 7, n.º 3, 274 p.

Oliveira, J. V. (2012). Marketing Research, Vol. 1, Investigação em Marketing, Edições Sílabo.

Quarantelli, E. L. (1987). Disasters studies: an analysis of the social historical factors affecting the development of research in the area. International Journal of Mass Emergencies and Disasters, Vol. 5, n.º 3., 285-310.

Rebelo, F. (1999). A Teoria do Risco analisada sobre uma perspetiva geográfica, Cadernos de Geografia, Coimbra n.º 18, 3-13. Disponível em: http://www.uc.pt/fluc/depgeo/Cadernos_Geografia/Numeros_publicados/CadGeo18/artigo01

Slovic, P. (1987). Perception of Risk. Science 236, 280-285.

Taylor, E. (2005). Texto em “Evolucionismo cultural”. Textos selecionados por Celso Castro, com tradução Maria Lúcia Oliveira. Rio de Janeiro. Jorge Zahar Editor Lda.

Thaden, T. and Gibbons, A. (2008). Technical Report HFD-08-03/FAA-08-2 The safety culture indicator scale measurement system. Atlantic City/USA. Federal Aviation Administration.

Veyret, Y. (2007, 2013). Os riscos: o homem como agressor e vítima do meio ambiente. São Paulo: Contexto.

Vilelas, J. (2009). Investigação O processo de construção do conhecimento, Lisboa, Ed. Sílabo.

Couto, M. (2013). “Editorial”. PROCIV n.º 60, Março, p. 2.

Owen, J. (2005). Família salva de Tsunami por uma lição de geografia. Site do National Geograpic News, a 18 de Janeiro de 2005: http://news.nationalgeographic.com/news/2005/01/0118_050118_tsunami_geography_lesson.html (consultado em 2 de novembro de 2015).

Parker, D. (2009). “3 News” online, 14 de Outubro de 2009: http://www.3news.co.nz/nznews/tenyearold-credited-with-saving-lives-during-samoan-tsunami-2009101417#axzz3kh2xRQrq (consultado em 2 de novembro de 2015).

Revista Super Interessante (2011). “Salvos por acidente”, n.º 160, de Agosto de 2011: http://www.superinteressante.pt/index.php?option=com_content&view=article&id=776:salvos-por-acidente&catid=12:artigos&Itemid=86 (consultado em 2 de novembro de 2015).

Sá, P. e Paixão, F. (2013). Contributos para a clarificação do conceito de competência numa perspetiva integrada e sistémica. Revista Portuguesa de Educação, 26 (1), 87-114.

Legislação consultada

Decreto-lei n.º 31:956/1942, de 2 de abril, Diário da República n.º 76 – 1ª série, Assembleia da República, Defesa Civil do Território.

Decreto-Lei n.º 134/2006, de 25 de Julho, Diário da República n.º 142 - 1ª serie, Assembleia da República, Cria o Sistema Integrado de Operações e Protecção e Socorro.

Decreto-Lei n.º 114/2011, de 30 de Novembro, Diário da República n.º 230/11 – 1ª serie, Assembleia da República, Alterações ao Sistema Integrado de Operações e Protecção e Socorro.

Decreto-Lei n.º 126-B/2011, de 29 de Dezembro, Diário da República n.º 249/11 – 1ª serie, Assembleia da República, aprova a Lei Orgânica do Ministério Administração Interna.

Decreto-Lei n.º 72/2013, de 31 de Maio, Diário da República n.º 105/13 – 1ª serie, Assembleia da República, Alterações ao Sistema Integrado de Operações e Protecção e Socorro.

Decreto-Lei n.º 73/2013, de 31 de Maio, Diário da República n.º 105/13 – 1ª serie, Assembleia da República, aprova a Orgânica da Autoridade Nacional de Protecção Civil.

Lei n.º 27/2006, de 3 de Julho, Diário da República n.º 126/06 – 1ª serie, Assembleia da República, Lei de Bases da Proteção Civil.

Lei n.º 65/2007, de 12 de Novembro, Diário da República n.º 217/07 – 1ª serie, Assembleia da República, Define o enquadramento institucional e operacional da proteção civil no âmbito municipal, estabelece a organização dos serviços municipais de proteção civil e determina as competências do comandante operacional municipal.

Lei Orgânica n.º 1/2011, de 30 de Novembro, Diário da República n.º 230/11 – 1ª serie, Assembleia da República, Transfere competências dos governos civis e dos governadores civis para outras entidades da Administração Pública em matérias de reserva de competência legislativa da Assembleia da República.

Lei n.º 80/2015, de 3 de Agosto, Diário da República n.º 149 - 1ª serie, Assembleia da República, segunda alteração à Lei n.º 27/2006, de 3 de Julho, que aprova a Lei de Bases da Proteção Civil.

Publicado
2020-01-21