Risco de burnout e trauma em profissionais da ferrovia com e sem experiência em acidentes

  • Sérgio Fonseca Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto
  • Cristina Queirós Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto
  • Fabienne Guimarães Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do Porto
  • Vitor Martins Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante

Resumo

Os profissionais que trabalham na ferrovia enfrentam situações stressantes potenciadoras de stress pós-traumático e de stress crónico no trabalho. Pretende-se conhecer o nível de burnout e a existência de stress pós-traumático, comparando os resultados em função da vivência de acidentes no trabalho. Aplicaram-se a 293 profissionais da ferrovia questões sociodemográficas e profissionais, o Maslach Burnout Inventory e a Impact of Event Scale – Revised. Encontraram-se níveis moderados de burnout, nos quais se destacam 56% dos inquiridos com exaustão emocional elevada. O stress pós-traumático apresentou níveis moderados mas 32% da amostra tem já sintomas de trauma. Verificou-se que 60% da amostra tem experiência de acidentes, apresentando mais exaustão emocional e valores superiores em todas as dimensões do trauma. Quanto mais recente o acidente maior o evitamento psicológico e sintomas de trauma, alertando para a necessidade de prevenir, a longo prazo, o adoecer psicológico.

Palavras-chave

Circulação ferróviária, acidentes, trabalhadores, stress no trabalho, trauma

  • Resumo visualizado = 85 vezes
  • PDF visualizado = 41 vezes

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-12-13
Como Citar
FONSECA, Sérgio et al. Risco de burnout e trauma em profissionais da ferrovia com e sem experiência em acidentes. Territorium, [S.l.], n. 25 (I), p. 113-127, dez. 2017. ISSN 1647-7723. Disponível em: <http://impactum-journals.uc.pt/territorium/article/view/4833>. Acesso em: 24 jun. 2018.