Entre o logos do poeta e o logos do orador

maneiras trágicas de argumentar em Ésquilo e Antifonte

  • Anna Christina Silva Universidade dos Açores
Palavras-chave: Ésquilo, Antifonte, crimes de sangue, retórica, agon

Resumo

É no contexto dos crimes praticados por Clitemnestra para vingar o assassinato de Ifigênia que iremos sublinhar as relações entre a intencionalidade das ações e a livre deliberação. Também iremos apontar algumas afinidades que aproximam a habilidade retórica da rainha esquiliana com os eloquentes oradores dos discursos de Antifonte. Deste modo, pretendemos mostrar que tanto o poeta quanto o filósofo colocam em questão o problema da intencionalidade dos crimes de sangue ao explicitarem através da capacidade discursiva e dialógica dos seus oradores a tensão existente entre a velha práxis da vingança e os novos códigos da legislação draconiana.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-12-12
Secção
Grego