Alice Inanimada (episódio 1) e “Avó e neto contra vento e areia”, de Teolinda Gersão: como ler legitimamente literatura digital no atual programa de português do ensino secundário

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14195/2182-8830_8-1_13

Palavras-chave:

literatura digital, educação literária, currículo

Resumo

Alice Inanimada é um caso singular de eficácia da literatura eletrónica junto do público juvenil. Em Portugal, o impacto da obra e a exemplaridade com que propõe um contacto com a ecologia do digital justificam que o reconhecimento dos seus méritos estéticos seja ensaiado na escola, onde as obras eletrónicas não figuram. O currículo não é, contudo, um sistema fechado e impeditivo de contactos com produção artística não contemplada no syllabus oficial, o que abre vias para a entrada da literatura digital no seu âmbito. O conto Avó e neto contra vento e areia, de Teolinda Gersão, constitui um excelente veículo literário para essa entrada, através do diálogo temático e simbólico que estabelece com Alice Inanimada. Esse diálogo sustentou uma experiência de didatização de Alice Inanimada em regime de leitura extensiva, em articulação com o conto de Teolinda Gersão. O relato da experiência apresenta-nos possibilidades de exploração conjunta das duas obras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUE E AGUILAR, Ana (2018). “Alice nos bancos da escola: o trabalho com a personagem em Inanimate Alice.” Encuentros digitales: escrituras, colecciones, aprendi-zajes en español / Encontros digitais: escritas, coleções, aprendizagem em português. Ed. Adrián Menéndez de la Cuesta González. Madrid: Universidad Complutense de Madrid / Fundación BBVA. 73-105.

FERREIRA, Ermelinda Maria Araújo (2013). “Inanimate Alice: o Bildungsroman da era digital.” Intersemiose 2.4: 66-82.

FLEMING, Laura (2013). “Expanding Learning Opportunities with Transmedia Practices: Inanimate Alice as an Exemplar.” Journal of Media Literary Education 5.2: 370-377.

GERSÃO, Teolinda (2006). “Grandmother and Grandson against Wind and Sand.” Tr. Margaret Jull Costa. The Threepenny Review 107: 8-9. https://www.jstor.org/stable/4385554.

GUILLORY, John (1993). Cultural Capital. The Problem of Literary Canon Formation. Chicago: The University of Chicago Press.

HOVIOUS, Amanda (2013). “Exploring Inanimate Alice. A Playful Approach to Literacy and Learning.” EdTech Digest. 22 October 2019. https://edtechdigest.wordpress.com/2013/10/11/exploring-inanimate-alice/.

MACHADO, Ana Maria, Andy Campbell, Ian Harper, Ana Albuquerque e Aguilar, e António Oliveira (2018). “Alice inanimada. A estória da série e o seu impacto em Portugal.” MATLIT. Materialidades da literatura 6.3: 93-104. https://doi.org/10.14195/2182-8830_6-3_8.

MELLO, Cristina, Ana Paula Loureiro e Maria Armanda Duarte Pinheiro (2019). “Prá-ticas de escrita a partir da leitura de texto literário. Um estudo de caso no 7.º ano de escolaridade.” A formação inicial de professores nas humanidades. Reflexões didáticas. Coord. Ana R. Luís et al. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra. 351-377.

PULLINGER, Kate (2015). “Inanimate Alice. How We Accidentally Created a Digital Story for Schools.” Digital Literature for Children. Readers and Educational Practices. Eds. Mireia Manresa and Neus Real. Brussels: Peter Lang. 213-220.

ROSENBLATT, Louise M. (1976). Literature as Exploration. New York: Noble and Noble.

SADOKIERSKI, Zoë (2013). “What Is a Book in the Digital Age?”, The Conversation 11.11. https://theconversation.com/what-is-a-book-in-the-digital-age-19071.

ZANDSTRA, Carly (2013). “Bringing Inanimate Alice to Life in the Classroom.” Words’Worth 46.1: 1-6.

##submission.downloads##

Publicado

2020-10-28

Como Citar

Mateus, Rui Afonso. 2020. «Alice Inanimada (episódio 1) E “Avó E Neto Contra Vento E areia”, De Teolinda Gersão: Como Ler Legitimamente Literatura Digital No Atual Programa De Português Do Ensino secundário». MATLIT: Materialidades Da Literatura 8 (1):241-52. https://doi.org/10.14195/2182-8830_8-1_13.

Edição

Secção

Secção Temática | Thematic Section