Sócrates inquietou-se com os efeitos da invenção da escrita sobre a memória e a discussão dialógica; Milton preferia a leitura individual de textos impressos à pregação realizada em círculos fechados; Mallesherbes sublinhou a inconsistência e os efeitos contraproducentes da censura prévia face aos desenvolvimentos da imprensa do seu tempo; Victor Hugo asseverou que a imprensa iria acabar com a arquitectura (“Le livre va tuer l’édifice”); Walter Benjamin refletiu acerca das alterações da fotografia sobre a nossa conceção da arte; McLuhan sustentou que o medium era a mensagem; Debray e os Mediologues preocuparam-se com as funções simbólicas das mediações, dando particular atenção às questões técnicas… A relação entre a comunicação e as transformações sociais tem raízes profundas na História do pensamento social e os desenvolvimentos verificados neste domínio, nas últimas décadas, vieram ampliar consideravelmente a sua importância e a necessidade de continuar essa reflexão. Experimentamos hoje transformações profundas no nosso mundo e nas nossas vidas, numa escala e a uma velocidade sem precedentes. Desde a economia à política, da tecnologia à cultura ou às organizações, dos nossos hábitos ao modo como nos relacionamos uns com os outros, todos os domínios da vida social se encontram hoje marcados por mudanças.

Publicado: 2017-01-25

Número Completo