Grandes incêndios florestais de março, junho e outubro (fora do período crítico) em Portugal continental

  • Sofia Fernandes NICIF - Núcleo de Investigação Científica de Incêndios Florestais, Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra http://orcid.org/0000-0003-0563-7388
  • Luciano Lourenço Departamento de Geografia e Turismo, NICIF, CEGOT e RISCOS, Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra (Portugal) https://orcid.org/0000-0002-2017-0854
Palavras-chave: Grandes incêndios florestais, fora do período crítico, condições meteorológicas, março, junho, outubro

Resumo

Em Portugal Continental, os grandes incêndios florestais não se limitam aos meses de julho, agosto e setembro, quando são mais frequentes, uma vez que também ocorreram imediatamente antes e após esses meses, ou seja, respetivamente em junho e outubro, e, ainda, no mês de março, como o demonstram os mais recentes grandes incêndios registados fora do período crítico, designadamente nos anos de 2011, 2012 e, muito em particular, de 2017. O presente estudo visa averiguar a incidência regional deste tipo de ocorrência no território português, bem como a sua evolução após o ano de 1980 e, ainda, verificar o contributo das condições meteorológicas para estas situações, através da análise da existência de eventuais similitudes nas condições meteorológicas verificadas nos anos mais críticos. Os resultados obtidos mostram que, desde da última década, se verificou um agravamento do risco de incêndio florestal fora do período crítico em Portugal Continental, nomeadamente na região Centro e com particular relevância nos distritos da Guarda e de Coimbra. Este agravamento do risco é, em parte, o reflexo da intensificação de certas condições meteorológicas que se têm vindo a registar desde o início deste século. Por isso, é fulcral que o dispositivo de combate seja ajustado às condições meteorológicas, ou seja, quando se prevê que elas sejam favoráveis à deflagração e à propagação de incêndios florestais no território.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Castro, C. F., Serra, G., Parola, Jo., Reis, J., Lourenço, L., Correia, Sé. (2003). Combate a incêndios florestais. XIII, 2ª edição, Escola Nacional de Bombeiros, Sintra, 94 p.

CTI - Comissão Técnica Independente (2017). Análise e apuramento dos factos relativos aos incêndios que ocorreram em Pedrógão Grande, Castanheira de Pera, Ansião, Alvaiázere, Figueiró dos Vinhos, Arganil, Góis, Penela, Pampilhosa da Serra, Oleiros e Sertã, entre 17 e 24 de junho de 2017, Assembleia da República, Março, 296 p.

CTI - Comissão Técnica Independente (2018). Avaliação dos incêndios ocorridos entre 14 e 16 de outubro de 2017 em Portugal Continental, Assembleia da República, Outubro, 276 p.

Cunha, L. e Bento-Gonçalves, A. (1994). Clima e tipos de tempo enquanto características físicas condicionantes do risco de incêndio. Ensaio metodológico. Cadernos de Geografia. 13, Coimbra, 3-13.

Fernandes, J. M. (2013). Risco de incêndio florestal em áreas de interface urbano-florestal: o exemplo das bacias hidrográficas das Ribeiras de Alge e Pera. Tese de Mestrado em Geografia Física, Ambiente e Ordenamento do Território. Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 147 p.

Fernandes, S. (2015). Incêndios Florestais em Portugal Continental fora do “período crítico”. Contributos para o seu conhecimento. Tese de Mestrado em Geografia Física, Ambiente e Ordenamento do Território. Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, 234 p.

Ferreira-Leite, F., Bento-Gonçalves, A., Lourenço, L. (2011/12). Grandes incêndios florestais em Portugal Continental. Da história recente à atualidade. Cadernos de Geografia. 30/31, Coimbra, 81-86.

GPCFP - Gabinete de Proteção Civil e Florestas de Penela (2012a) Relatório sumário de avaliação dos impactes sobre os espaços florestais, decorrentes dos incêndios florestais de São João do Deserto e Tola, no concelho de Penela – março 2012. Penela: Câmara Municipal de Penela, 14 p.

GPCFP - Gabinete de Proteção Civil e Florestas de Penela (2012b) Relatório dos incêndios florestais do concelho de Penela, dias 28 e 29 de março de 2012: orientações para execução de plano de recuperação das áreas ardidas. Penela: Câmara Municipal de Penela, 25 p.

ICNF - Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (2016). 9.º Relatório Provisório de Incêndios Florestais - 2016 - 01 de janeiro a 15 de outubro. Departamento de Gestão de Áreas Públicas e de Proteção Florestal, 17 p.

ICNF - Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (2017a). 10.º Relatório Provisório de Incêndios Florestais - 2017 - 01 de janeiro a 31 de outubro. Departamento de Gestão de Áreas Públicas e de Proteção Florestal, 19 p.

ICNF - Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (2017b). Relatórios de Estabilização de Emergência dos Incêndios Florestais: Cabeças, Figueiró, Góis, Pedrógão e Penela - concelhos: Alvaiázere, Ansião, Castanheira de Pera, Figueiró dos Vinhos, Góis, Pampilhosa, Pedrógão Grande, Penela e Sertã, Cartografia. Disponível em: http://www2.icnf.pt/portal/florestas/dfci/relat/raa/ree-2017

IM - Instituto de Meteorologia (2004). Boletim Climatológico Anual de 2004. IM, Lisboa, 19 p.

IM - Instituto de Meteorologia (2005a). Boletim Climatológico Anual de 2005. IM, Lisboa, 32 p.

IM - Instituto de Meteorologia (2005b). Boletim Climatológico Mensal de Junho de 2005. Lisboa: IM, 28 p.

IM - Instituto de Meteorologia (2011a). Boletim Climatológico Sazonal – Inverno 2010/2011. IM, Lisboa, 12 p.

IM - Instituto de Meteorologia (2011b). Boletim Climatológico Anual de 2011 – versão preliminar. IM, Lisboa, 2 p.

IPMA – Instituto Português do Mar e da Atmosfera (2012a). Boletim Climatológico Sazonal – Inverno 2011/12. IPMA, Lisboa, 13 p.

IPMA – Instituto Português do Mar e da Atmosfera (2012b). Boletim Climatológico Anual de 2012. IPMA, Lisboa, 4 p.

IPMA – Instituto Português do Mar e da Atmosfera (2012c). Boletim Climatológico Mensal – Março. IPMA, Lisboa, 14 p.

IPMA – Instituto Português do Mar e da Atmosfera (2016). Boletim Climatológico Mensal - Dezembro. IPMA, Lisboa, 11 p.

IPMA – Instituto Português do Mar e da Atmosfera (2017a). Boletim Climatológico Sazonal – Inverno 2016/2017. IPMA, Lisboa, 8 p.

IPMA – Instituto Português do Mar e da Atmosfera (2017b). Boletim Climatológico Mensal – Fevereiro. IPMA, Lisboa, 12 p.

IPMA – Instituto Português do Mar e da Atmosfera (2017c). Boletim Climatológico Anual de 2017. IPMA, Lisboa, 24 p.

IPMA – Instituto Português do Mar e da Atmosfera (2017d). Boletim Climatológico Mensal – Outubro. IPMA, Lisboa, 13 p.

Lourenço, L. (1988). Tipos de tempo correspondentes aos grandes incêndios florestais ocorridos em 1986 no Centro de Portugal. Finisterra, XXIII, Lisboa, 46, 251-270.

Lourenço, L. (1991). Uma fórmula expedita para determinar o índice meteorológico de eclosão de fogos florestais em Portugal Continental. Cadernos Científicos sobre Incêndios Florestais, 2, Coimbra, 3-63.

Lourenço, L. (2007). Incêndios florestais de 2003 e 2005. Tão perto no tempo e já tão longe na memória! In Lourenço, Luciano (Coord) - Riscos Ambientais e Formação de Professores. Coletâneas Cindínicas. VII, Núcleo de Investigação Científica de Incêndios Florestais, Coimbra, 19-91.

Lourenço, L.e Bernardino, S. (2013). Condições meteorológicas e ocorrência de incêndios florestais em Portugal Continental (1971-2010). Cadernos de Geografia. 32, Coimbra, 105-132.

Ramos, C. (1987). A influência das situações anticiclónicas no regime de precipitação em Portugal. Finisterra, 43 (XXII), Lisboa, 5-38.

Ramos, C. e Ventura, J. E. (1992). Um índice climático de perigo de incêndio aplicado aos fogos florestais em Portugal. Finisterra – Revista Portuguesa de Geografia, 53-54 (XXVII), Lisboa, 79-93.

Rebelo, F. (1980). Condições de tempo favoráveis à ocorrência de incêndios florestais: análise de dados referentes a Julho de Agosto de 1975 na área de Coimbra. Biblos – Revista da FLUC. LVI, Coimbra, 653-673.

Rebelo, F. (1994). Risco e Crise. Grandes Incêndios Florestais. In Lourenço, Luciano (Coord.) - Actas do II Encontro Pedagógico sobre Risco de Incêndio Florestal. Coimbra, 21 a 23 fevereiro de 1994, Núcleo de Investigação Científica de Incêndios Florestais, Coimbra, 19-32.

Silva, J. S. (2002). Incêndios florestais. As dimensões de um problema nacional. In Silva, Joaquim Sande e Páscoa, Fernando (Coord) - Manual de Silvicultura para a Prevenção de Incêndios, Direcção-Geral das Florestas, Lisboa, 1-8.

Viegas, D. X. (2002). O perigo de ocorrência de incêndios. In Silva, Joaquim Sande e Páscoa, Fernando (Coord) - Manual de Silvicultura para a Prevenção de Incêndios, Direcção-Geral das Florestas, Lisboa, 1-8.

Vieira, P. A (2006). Portugal: o vermelho e o negro. 2ª edição, Lisboa: Dom Quixote, 469 p.

Publicado
2018-11-14

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 > >>