Risco ambiental na produção do espaço em pequenas e médias cidades: bases epistemológicas

Palavras-chave: Risco ambiental, bases epistemologicas, produção do espaço, pequenas e médias cidades

Resumo

A produção do espaço é um fator primordial para a compreensão da complexidade da sociedade urbana, neste sentido, a produção do espaço urbano está no front da problemática ambiental urbana do mundo contemporâneo. A expansão do modo de produção capitalista acirrou as desigualdades socioespaciais nas cidades e acelerou o processo de acumulação capitalista que, por um lado, passou a reproduzir em todos os cantos do mundo, uma condição de vida pautada na produção do capital e, por outro, a produção espacial da cidade, cada uma com uma morfologia singular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL, (2016). Sistema Nacional de informações sobre saneamento-SNIS. Diagnóstico anual de água e esgotos. Brasilia, Ministério das Cidades, disponivel em: http://www.snis.gov.br/diagnostico-agua-e-esgotos, acessado em maio de 2017.

Correa, L. (1999). O espaço urbano. São Paulo, Editora Ática, 96 p.

Descartes, R. (2008). O discurso do Método, São Paulo, MartinCraret, 152 p.

Engels, F. (2000). A dialética da natureza. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 238 p.

Hegel, G. W. F. (2007). A Fenomenologia do Espirito. Petrópolis, Editora Vozes, 549 p.

IBGE (2013). Pesquisa de Informações Básicas Municipais. Rio de Janeiro, IBGE, Disponível em: http://www. ibge. gov. br/home/estatistica/ Acesso em: maio de 2017.

IBGE (2011). Censo demográfico 2010 , Características da população e dos domicílios: resultados do universo. Rio de Janeiro, IBGE, Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/ caracteristicas_da_populacao/resultados_do_universo.pdf. Acesso em: maio de 2017.

IBGE (2011). Atlas de saneamento ambiental do Brasil. Rio de Janeiro, IBGE, Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/atlas_saneamento/default_zip.shtm. Acesso em: maio de 2017.

Kant, I. (2008). Crítica da Razão Pura, São Paulo, grupo Acrópolis, 220 p.

Lefebvre, H. (2013). La producción del espacio. Madri, Capitán swing, 468 p.

Lefebvre, H. (1995). Lógica formal / lógica dialética. São Paulo, Civilização brasileira, 301 p.

Leff, E. (2002). Epistemologia Ambiental. 2.ª ed. São Paulo Cortez, 220 p.

Lukacs, Gy. (2012). Para uma ontologia do ser social I, São Paulo, Boitempo, 440 p.

Marandola Jr., E., Hogan, J. D. (2007). Em direção a uma demografia ambiental? Avaliação e tendências dos estudos de população e ambiente no Brasil, Revista Brasileira de Estudos de População, Campinas, v.24, n.º 2, 191-223.

Marandola Jr., E. Hogan, J. D. (2007). Vulnerabilidade a Perigos Naturais nos Estudos de População e Ambiente in: Dinâmica populacional e mudança ambiental: cenários para o desenvolvimento brasileiro, Daniel Joseph Hogan (Org.). Campinas: Núcleo de Estudos de População-Nepo/Unicamp, 240 p.

Marcuse, H. (1978). A ideologia da sociedade industrial: O Homem unidimensional, Rio de Janeiro, Zahar, 238 p.

Moreira, R. (2006). Para onde vai o pensamento geográfico?:por uma epistemologia critica. São Paulo, Contexto, 192 p.

Prigogine, I. (1996). O fim das certezas: tempo, caos e as leis da natureza. São Paulo, Editora da UNESP, 199 p.

Porto-Gonçalves, C. W. (2002). Da geografia às geo-grafias: um mundo em busca de novas territorialidades. En: La Guerra Infinita: Hegemonía y terror mundial. Buenos Aires . Buenos Aires, Clacso, 217, 256.

Porto-Gonçalves, C. W. (2012). A reinvenção dos territórios na América a Latina/abya yala, Cidade do México, Unama, 95 p.

Rocha, A. (2010). Sociedade e natureza: unidade e contradição das relações sócio-espaciais, revista okara: Geografia em debate, João Pessoa, v.4, n.º 1-2, 5-24.

Rocha, A. (2011). Sociedade & natureza: a produção do espaço urbano em bacias hidrograficas, Vitoria da Conquista, Edições Uesb, 156 p.

Santos, B. de S. (1993). Um discurso sobre as ciências. Porto, Afrontamento, 62 p.

Santos, D. (2002). A reinvenção do espaço: Diálogos em torno da construção do significado de uma categoria. São Parulo, Unesp.

Santos, M. (2008). Metamorfoses do Espaço habitado. 6ª ed. São Paulo: Edusp, 2008.

Santos, M. (2004). A natureza do espaço: técnica e tempo razão e emoção. São Paulo: EDUSP, 392 p.

Santos, M. (2004). Economia espacial. São Paulo: EDUSP, 224 p.

Santos, M. (1997). Espaço e método. São Paulo: Nobel.

Santos, M. (1996) Técnica espaço tempo: globalização e meio técnico-científico informacional. São Paulo: Hucitec, 176 p.

Silva, A. C. (1992). Ontologia analítica: teoria e método. In. Geografia território e tecnologia. São Paulo: Terra Livre.

Smith, N. (1988), Desenvolvimento desigual. Natureza, capital e a produção do espaço. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 192 p.

Torres, H. da G. (2006). A demografia do risco ambiental In: Torres, H. G. e Costa, H. (orgs.). População e meio ambiente: debates e desafios. São Paulo, Senac, 53-73.

Publicado
2020-01-22