O papel da perceção e comunicação na mitigação do risco de terramoto

  • Rui Maio RISCO – RIscos e Sustentabilidade na COnstrução Departamento de Engenharia Civil, Universidade de Aveiro (Portugal) http://orcid.org/0000-0001-6862-7967
  • Tiago Miguel Ferreira ISISE - Instituto para a Sustentabilidade e Inovação em Engenharia Estrutural Departamento de Engenharia Civil, Universidade do Minho (Portugal) http://orcid.org/0000-0001-6454-7927
  • Romeu Vicente RISCO – RIscos e Sustentabilidade na Construção Departamento de Engenharia Civil, Universidade de Aveiro (Portugal) http://orcid.org/0000-0002-5456-1642
Palavras-chave: Mitigação do risco sísmico, perceção e comunicação do risco, educação para o risco

Resumo

A formação e educação cívica constitui uma das mais importantes e poderosas ferramentas para uma maior consciencialização e perceção dos cidadãos para o risco sísmico, desempenhando um papel fundamental na construção de sociedades mais resilientes. No entanto, por exigir o envolvimento de todos os cidadãos sem exceção, a promoção de uma cultura de risco representa um desafio transversal à nossa sociedade. Reconhecendo a perceção de risco como um aspeto fundamental para o desenvolvimento e implementação de estratégias de informação e comunicação do risco terramoto, este artigo apresenta os resultados de uma campanha de sensibilização realizada no âmbito do projeto de investigação URBSIS que consistiu na recolha e tratamento das respostas a um questionário elaborado com o objetivo de avaliar a perceção dos cidadãos para esta problemática. O questionário teve como público alvo os residentes do Bairro Ribeirinho da cidade de Faro e a comunidade técnica local ligada, direta ou indiretamente, aos setores da construção e do planeamento urbano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Barbat, A. H., Carreño, M. L., Pujades, L. G., Lantada, N., Cardona, O. D. and Marulanda, M. C. (2010). Seismic vulnerability and risk evaluation methods for urban areas. A review with application to a pilot area. Structure and Infrastructure Engineering, 6(1-2), 17–38. DOI: https://doi.org/10.1080/15732470802663763

Covello, V. T. (2010). Strategies for overcoming challenges to effective risk communication. (R. L. Heath & H. D. O’Hair, Eds.) Handbook of Risk and Crisis Communication. Routledge.

Elgin, K. G. (2009). Istanbul Seismic Risk Mitigation and Emergency Preparedness Project (ISMEP). In Improving the Seismic Performance of Existing Buildings and Other Structures (pp. 1129–1140).

Ferreira, T. M., Vicente, R., Mendes da Silva, J. A. R., Varum, H. and Costa, A. (2013). Seismic vulnerability assessment of historical urban centres: case study of the old city centre in Seixal, Portugal. Bulletin of Earthquake Engineering, 11(5), 1753–1773. DOI: https://doi.org/10.1007/s10518-013-9447-2

Ferreira, T. M., Vicente, R. and Varum, H. (2014). Seismic vulnerability assessment of masonry facade walls: development, application and validation of a new scoring method. Structural Engineering and Mechanics, 50(4), 541–561. DOI: https://doi.org/10.12989/sem.2014.50.4.541

Kung, Y.-W., and Chen, S.-H. (2012). Perception of Earthquake Risk in Taiwan: Effects of Gender and Past Earthquake Experience. Risk Analysis, 32(9), 1535–1546. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1539-6924.2011.01760.x

Maio, R., Ferreira, T. M., Vicente, R., and Estêvão, J. (2015). Seismic vulnerability assessment of historical centres: case study of the old city centre of Faro, Portugal. Journal of Risk Research. DOI: https://doi.org/10.1080/13669877.2014.988285

Pereira, A. (2009). The Opportunity of a Disaster: The Economic Impact of the 1755 Lisbon Earthquake. The Journal of Economic History, 69(2), 466-499. DOI: https://doi.org/10.1017/S0022050709000850

Publicado
2018-01-18
Secção
Artigos