“Educação para o risco”: conhecimento e contribuição de professores de geografia para o tema risco ambiental em escolas de Minas Gerais – Brasil

Palavras-chave: Concepção de risco ambiental, ensino de geografia, degradação ambiental

Resumo

Pensar a “Educação para o Risco” leva a pensar, também, nos conhecimentos que os professores têm a respeito do tema. Com base nessa ideia, uma pesquisa que investiga o conhecimento e o saber disciplinar entre professores de Geografia do estado de Minas Gerais – Brasil, referente à temática risco ambiental e suas práticas em sala de aula, vem sendo desenvolvida desde 2015. A pesquisa foi motivada pelas questões: “Os professores de Geografia conhece o significado do termo Risco ambiental e reconhecem em sua região, ou cidade, áreas de risco ambiental?” e “Esse assunto é trabalhado nas aulas de geografia?”. O levantamento de dados e informações foi realizado por meio de questionário contendo trinta e sete questões, disponibilizado google Drive para professores egressos entre os anos de 2011 e 2015. Os resultados indicam que entre os professores, que participaram do estudo, ainda são poucos os que conhecem bem o assunto e trabalham a temática riscos ambientais nas aulas de geografia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Allen, J. (2012). Guia prático de redução de riscos de desastres – uma experiência com jovens na Região Serrana do Rio de Janeiro. São Paulo: Fundação Abrinq pelos Direitos da Criança e do Adolescente.

Almeida, L. Q. (2011a). Por que as cidades são vulneráveis? Revista da Casa da Geografia de Sobral, Ceará, v. 13, p. 70-82. Disponível em: www.uvanet.br. Acesso em: 10 mar. 2015.

Almeida, L. Q. (2011b). Por uma ciência dos riscos e vulnerabilidades na Geografia. Mercator, Fortaleza, v. 10, n. 23, p. 83-99. Disponível em: http://www.mercator.ufc.br. Acesso em: [08/02/2017].

Almeida, L. Q. (2012). Riscos ambientais e vulnerabilidades nas cidades brasileiras: Conceitos, metodologias e aplicações. 1. ed. São Paulo: Cultura Acadêmica. Disponível em: http://www.culturaacademica.com.br. Acesso em: [10/02/2016].

Bardin, L. (2002) Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 229 p.

BRASIL (2012). Congresso Nacional. Lei nº 12.608, de 10 de abril de 2012. Política Nacional de Proteção e Defesa Civil. Classificação dos Desastres. Brasília, DF. Disponível em: www.planalto.gov.br. Acesso em: [08/02/2017].

BRASIL (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais de Geografia. Secretaria de Educação Brasília: MEC/SEF. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/geografia.pdf. Acesso em: [12/12/2017].

Campos, C. J. G. (2001). Método de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Revista Brasileira de Enfermagem. Brasília (DF) set/out;57(5):611-4. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v57n5/a19v57n5.pdf. Acesso em [08/02/2017].

Carpi Jr., S. (2001). Processos erosivos, riscos ambientais e recursos hídricos na Bacia do Rio Mogi-Guaçu (Tese de Doutorado em Geociências e Meio Ambiente). Rio Claro: IGCE/UNESP, 188 p. Orientação: Prof. Archimedes Perez Filho. Disponível em: www.nepam.unicamp.br/downloads/tese_final_salvador.pdf. Acesso [05/04/2016].

Cerri, L. E. S. e Amaral, C. P. (1998). Riscos Geológicos. In: Oliveira, A. M. S. e Brito, S. N. A. (eds.) 1998. Geologia de Engenharia. São Paulo, ABGE

CENTRO NACIONAL DE MONITORAMENTO E ALERTA DE DESASTRES NATURAIS (2016). Cemaden Educação. Disponível em: http://www.cemaden.gov.br/cemaden-educacao/. acesso [27/12/2017].

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. PORTUGAL (2011). Recomendação nº 5, 20 de out. 2011. Educação para o risco. Disponível em: http://www.cnedu.pt. Acesso em: [08/02/2017].

Faugéres, L. (1995). Risques naturels, risques urbains. Persee, França,v. 72, n. 2p. 111-120. Disponível em: http://www.persee.fr. Acesso em: [10/05/2016].

Ferreira A. B. R., Tarôco, L. T., Souza, C. J. O. (2016). A concepção do risco ambiental e sua abordagem na educação básica. Caderno de Geografia. Belo Horizonte: PUC-MG, v. 26, n.47, p. 615-62. DOI: 10.5752/p.2318-2962.2016v26n47p522

Gauthier, C., Martineau, S., Desbiens, J. F., Malo, A., & Simard, D. (1998). Por uma teoria da pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Ijuí: Unijuí, 17-37.

Giroux, H. A. (2009). Praticando estudos culturais nas faculdades de educação. In: Silva, T. T. (org.) Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação. 8. ed. – Petrópolis, RJ: Vozes – (Coleção Estudos Culturais em Educação). p. 85 – 103.

Hewitt, K. (2014).Regions of Risk: A Geographical Introduction to Disasters. Routlege. 2. ed. New York, 410 p.

Hogan, D. J., Marandola Júnior, E. M. (2007). Vulnerabilidade a Perigos Naturais nos Estudos de População e Ambiente In: Hogan, D. J. (Org.). Dinâmica populacional e mudança ambiental: cenários para o desenvolvimento brasileiro.Campinas: Núcleo de Estudos de População-Nepo/Unicamp, p. 73-86.

Huberman, M. (1995). O ciclo de vida profissional dos professores. In: Nóvoa, A. (Org.). Vidas de professores. 2 ed. Portugal: Porto Editora, cap. II. p. 31-61.

Lourenço, L., Nunes, A., Gonçalves, A. B., Vieira, A., e Amaro, A. (2013). Fernando Rebelo, pioneiro e grande impulsionador do estudo dos Riscos em Portugal. Territorium, n.º 20, 7-18.Disponível em: http://www.uc.pt/fluc/nicif/riscos/Documentacao/Territorium/T20_artigos/T20_Artigo01.pdf. Acesso em: [08/02/2017].

Lourenço, L. (2015). Referencial de educação para o risco, uma recente publicação do Ministério da Educação e Ciência. Territorium, Portugal, n.º 22, p. 305-311. DOI: http://dx.doi.org/10.14195/1647-7723_22_25

Lourenço, L. (2006). Riscos naturais, antrópicos e mistos. Territorium, Portugal, n.º 14, p. 109-113. Disponível em: http://www.uc.pt/fluc/nicif/riscos/Documentacao/Territorium/T14_artg/T14NNR01.pdf. Acesso em: [08/02/2017].

Marandola Júnior, E., Hogan, D. J. (2004). O Risco em perspectiva: tendências e abordagens. Geosul, Florianópolis, v. 19, p. 25-58 Disponível em: http://morrodobau.ufsc.br. Acesso em: [16/03/2017].

Morandola Júnior, E. M., Silva, O. G. (2015). Diferentes percepções para a compreensão do conceito de risco no enfoque ambiental. Casa da Geografia de Sobral, Ceará, v. 17, n. 2, p. 12-22. Disponível em: http://uvanet.br/rcgs. Acesso em: [16/03/2017].

Nunes, L. H. (2009). Compreensões e ações frente aos padrões espaciais e temporais de riscos e desastres. Territorium, v. 16, p. 181-189. Dispnível em: http://www.uc.pt/fluc/nicif/riscos/Documentacao/Territorium/T16_artg/T16art18.pdf.

Souza, C. J. O. e de Oliveira, J. R. (2011). Representação de áreas de riscos sócio-ambientais: geomorfologia e ensino. Territorium, (18), 175-184. Disponível em: http://impactum-journals.uc.pt/territorium/article/view/3118/2370

ONU Marco de Sendai. Marco de Sendai para a Redução do Risco de Desastres 2015-2030. (2015). 25 p. Disponível em: http://www.unisdr.org. Acesso em: [16/03/2017].

ONU (2012). Rio + 20, Conferência das Nações Unidas sobre desenvolvimento sustentável. O futuro que queremos. 2012. 21 p. Disponível em: http://www.onu.org.br. Acesso em: [16/03/2017].

ONU/ISDR. (2009). Terminology on Disaster Risk Reduction, United Nations International Strategy for Disaster Reduction. Disponível em: https://www.unisdr.org/we/inform/terminology. Acesso em: [16/06/2017].

PAC - Programa de Aceleração do Crescimento – Ministério do planejamento (2012). Plano Nacional para prevenção de desastres naturais. Disponível em: http://www.pac.gov.br/noticia/c1619715. Acesso em: [27/12/2017].

Pimenta, S. G. (1996). Formação de Professores: Saberes da docência e identidade do professor. Faculdade de Educação, São Paulo, v. 22, n. 2, p. 72-89, 1996. Disponível em: http://www.revistas.usp.br. Acesso em: [16/03/2017].

Prudente, C. N. (2011). Estudo comparativo de metodologias para mapeamento das áreas de risco no estado de Minas Gerais (Dissertação (Mestrado em Geografia). Programa de Pós-graduação em Geografia – Tratamento da Informação Espacial, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 102 f. Disponível em: http://www.biblioteca.pucminas.br/teses/TratInfEspacial_PrudenteCN_1.pdf. Acesso em: [15/02/2017].

Rebelo, F. (2010). Geografia física e riscos naturais. Coimbra: IU,215 p. DOI: http://dx.doi.org/10.14195/978-989-26-0188-5

Rebelo, F. (2001). Riscos naturais e acção antrópica : estudos e reflexões. Coimbra: IU,274 p. DOI: http://dx.doi.org/10.14195/978-989-26-0467-1

Rufino, P. R., Souza, C. J. O., Pereira, G., Oliveira, M. S. (2016). Os tipos de riscos ambientais presentes nas mesorregiões Norte e Jequitinhonha de Minas Gerais no ano de 2015. In: II Simpósio Mineiro de Geografia:Geografia e contemporaneidades. Juiz de Fora, 2016. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0B015QFH-L4AxVlBxUkJ4RHF0LUk/view. Acesso em:[15/02/2017].

Saviani, D. (1996). Os saberes implicados na formação do educador. In: Bicudo, N. A. V.; Silva, J. C. A. (Org.). Formação do Educador: Dever do Estado, tarefa da Universidade. São Paulo: UNESP, p. 145-155. Disponível em: https://pt.scribd.com. Acesso em: [16/07/2017].

Selby, D., Kagawa, F. (2012). Redução do Risco de Desastres no currículo escolar: estudo de casos de trinta países. Genebra: UNICEF, 218 p. Disponível em: http://www.unesdoc.unesco.org. Acesso em: [21/07/2016].

Silva, V. M. da (2017). Concepção de risco ambiental entre professores de geografia em Minas Gerais: conhecimentos e práticas em sala (Dissertação de mestrado em Geografia). São João del-Rei. Programa de Pós-Graduação em Geografia. Universidade Federal de São João del-Rei, 166p.

Smith, K. (2001). Environmental hazards: assessing risk and reducing disaster. 3. ed. London: Routledge, 478 p.

Souza, L. B., Zanella, M. E. (2009). Percepções de Riscos Ambientais: Teoria e Aplicações. Fortaleza: Edições UFC, 240 p. Disponível em http://www.posgeografia.ufc.br. Acesso em: [16/03/2017].

Souza, C. J. O. (2013a). Riscos, Educação e Geografia. In: Riscos naturais, mistos e antrópicos. Livro de Homenagem ao Professor Doutor Fernando rebelo, Coimbra, Universidade de Coimbra, 174 – 194. Disponível em: http://www.uc.pt/fluc/depgeotur/publicacoes/Livros/livro_homenagem_FRebelo/127_142

Souza, C. J. O. (2013b). Área de risco socioambiental nas cidades: prática educativa na formação docente e na geografia escolar. VI Congresso Ibérico de Didática de Geografia (2013). Anais... VI Congresso Ibérico de Didática de Geografia Porto, Portugal.

Souza, C. J. O. (2014a). Educação para o risco: conhecimento e contribuição de professores de geografia para o tema risco ambiental em escolas públicas de Minas Gerais. Belo Horizonte, Projeto de Pesquisa submetido ao edital MCTI/CNPQ/Universal 14/2014 do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Souza, C. J. O. (2014b). Educação geográfica e riscos socioambientais: experiências em atividades de extensão universitária. In: Multidimensão e territórios de risco. 1. ed. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, v. 1, p. 41-45. DOI: http://dx.doi.org/10.14195/978-989-96253-3-4_6

Tardif, M. (2006). Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. Petrópolis: Vozes,325 p.

Tardif, M., Lessard, C., Lahaye, L. (1991). Les enseignants des ordres d’enseignement primaire et secondaire face aux savoirs: Esquisse d’une problématique du savoir enseignant. Sociologie et sociétés,Canadá, v. 23, n. 1, p. 55-69. Disponível em: https://www.erudit.org. Acesso em: [21/04/2016].

Taroco, L. T., Ferreira, A. B. R., Souza, C. J. O. (2015). Geografia e educação para o risco: uma abordagem possível. Territorium Terram, v. 3, p. 49-53.

UNDRO. (1982). Office of the United Nations disaster relief coordinator in Genera. Shelter after disaster: Guidelines and assistance. New York: United Nations, 81 p. Disponível em: http://reliefweb.int. Acesso em: [21/07/2016].

Veyret, Y. (2007). Os riscos: O homem como agressor e vítima do meio ambiente. Tradução Dilson Ferreira da Cruz. 2. ed. São Paulo: Contexto, 320 p.

Veyret, Y., Richemond, N. M. (2007). O Risco, os riscos. In: Veyret, Yvette. Org.) Os Riscos – o Homem como agressor e vítima do meio ambiente. São Paulo: Contexto, p. 23-79.

Zabala, A. (2010). A prática educativa: Como ensinar. Tradução Ernani F. F. Rosa. Porto Alegre: Artmed, 224 p.

Publicado
2018-02-07
Secção
Artigos